Susana Esteves

Susana Esteves

Jornalista e motociclista

OPINIÃO

Mota roubada, trancas à solta

Usamos muitas vezes a expressão “calha a todos” na secreta esperança que nunca nos calhe a nós, mas no universo motociclista parece que está complicado escapar ao leque de “coisas ruins” que podem acontecer.

andardemoto.pt @ 20-7-2018 17:31:44 - Susana Esteves

Quando caímos somos invadidos por um rol de sentimentos menos simpáticos, mas no final do dia o que dói mais é a alma. Quando nos roubam a mota desenvolvemos rapidamente um instinto de serial killer que só pensa em duas coisas: caçar e despedaçar (bem devagar para doer mais). Mas no final do dia, quando o Freddy Krueger que há em nós vai embora, resta-nos um sentimento de frustração. Porquê? Porque sabemos que nunca vai aparecer.

Todas as semanas roubam motas em Portugal e já nem são precisos grandes esquemas e cuidados. Parece magia: agora está...1 minuto depois já não está. As motas são roubadas à porta dos escritórios, à frente de casa, nos parques de estacionamento dos locais mais movimentados, ao pé de uma praia cheia de gente e quase sempre em plena luz do dia.

E por que é que arriscam tanto? Porque é um “negócio” rentável com margens de lucro de 100%. As motas roubadas são rapidamente desmontadas e as peças são vendidas online, as garagens e os sucateiros, que por sua vez as vendem aos motociclistas que procuram arranjar as suas motas sem gastarem muito dinheiro. Em Portugal o mercado de peças e acessórios em segunda mão é gigante, aliás, basta uma breve visita a alguns sites e páginas do Facebook para percebermos isso. Algumas delas são de motas acidentadas, outras nem por isso…   

As velhas técnicas e dicas de segurança podem não resultar totalmente, mas sempre atrapalham um pouco. Os cadeados e correntes já não resistem aos equipamentos atuais com bateria, mas dificultam significativamente o roubo de uma mota em plena luz do dia. O mesmo acontece com os alarmes e sistemas que até têm GPS. De acordo com a polícia, existem inclusive grupos que têm chaves universais que funcionam em alguns modelos. Para todos eles há truques eficazes e nenhum é 100% seguro, mas “é melhor que nada”.

Quando vemos inúmeros vídeos de motas que são colocadas em carrinhas no espaço de 15 segundos, toda a esperança e confiança que temos em qualquer solução de segurança cai por terra. Mas a verdade é que com o tempo também tendemos a baixar a guarda um pouco e a confiar na sorte. Trancamos a direção e já está.

Se não quer pertencer ao grupo do “calha a todos” é melhor não fechar os olhos.

Boas curvas


Outros artigos da Susana Esteves:

andardemoto.pt @ 20-7-2018 17:31:44 - Susana Esteves