Comparativo Honda PCX 125 vs Piaggio Medley 125 - Dominar a Cidade

Porque o trânsito urbano está cada vez pior e mais caro, é preciso soluções eficazes e económicas para o combater. Aqui ficam duas das mais acertadas!

AdM @ 8-1-2017 20:17:29

Texto:Rogério Carmo         Foto: Tozé Canaveira

                           
Esta semana testámos duas incontornáveis opções para quem faz o seu dia-a-dia nos centros urbanos.

São duas motos económicas, fáceis de conduzir, capazes de proporcionar elevada mobilidade mesmo nos piores engarrafamentos de trânsito.

Uma proposta japonesa, a Honda PCX 125, recordista de vendas por toda a Europa, e a mais recente alternativa, italiana, que em nosso entender é a mais séria concorrente do fenómeno nipónico. Ambas com características e preços muito semelhantes a questão que se põe é: Qual delas é a melhor? Pois vai poder tirar essa conclusão por si próprio!

Famosa por ser pioneira na implementação do sistema “Start&Stop” e pelo seu consumo reduzido, inferior a 2,5 litros aos 100km, a PCX tem uma grande legião de fãs que em muitos casos a elegem como segunda moto para, nas deslocações diárias, poderem poupar o físico e o "motão" que está lá em casa parado na garagem pronto para as grandes viagens ou passeios de férias e fim-de-semana.

A PCX, como já foi dito, é um sucesso de vendas. Respaldada pela fama da marca da asa dourada, apoiada numa forte rede de concessionários espalhada por todo o país, económica no preço e na utilização, fácil de conduzir e de linhas agradáveis, garante elevada mobilidade a quem no seu dia-a-dia necessita desenvencilhar-se no meio do trânsito.

A Piaggio Medley também promete ser um sucesso de vendas. Disso pudemos dar conta quando, há poucos meses, chegou aos concessionários, e tivemos oportunidade de lhe fazer um teste (que pode ver se clicar aqui).

E tanto quanto sabemos, a resposta do mercado tem sido bastante boa, havendo já a circular um número considerável de Medleys.

Em termos de Motor

Basta uma olhada para as fichas técnicas para se perceber que não há grandes diferenças entre os propulsores destas duas scooters.

A PCX está equipada com o motor eSP (enhanced Smart Power) muito eficiente, capaz de (segundo o fabricante) consumos de combustível a rondar os 2,1 litros aos 100km, que com a ajuda do depósito de 8 litros de capacidade, lhe confere uma autonomia que ronda os 375km.

A Medley está equipada com o novo motor i-GET de 4 válvulas, também ele muito eficiente, apesar de acusar consumos ligeiramente superiores aos da Honda, mas cuja diferença é practicamente imperceptível numa condução consciente, não chegando a registar mais de 0,3l aos 100km do que a Honda.

O seu depósito de 7 litros é que penaliza ligeiramente a autonomia que se limita a 290km.

Durante o nosso teste os consumos registados foram mais elevados, sobretudo devido ao facto de ambas as scooters estarem ainda no início da sua rodagem.

No que às prestações dinâmicas diz respeito, na Honda podemos contar com um arranque mais rápido, enquanto que na Piaggio a velocidade máxima é ligeiramente superior, e ambas passam ligeiramente os 100km/h. 

Em termos de retomas, ambos os motores apresentam um comportamento muito semelhante, e nas subidas ambos se mostram bastante potentes, conseguindo manter velocidades quase sempre superiores a 80km/h.

Ambos os modelos apresentam o dispositivo “Start&Stop”, e em ambos este pode ser desligado. No entanto, o sistema adoptado pela Honda é ligeiramente mais rápido na reacção ao punho. Este facto penaliza um pouco mais a rapidez de arranque da Piaggio.

Em termos de ciclística

A Honda PCX acusa neste capítulo o peso dos anos. Apesar de esta versão de 2017 ter sido ligeiramente revista, em termos de suspensões e de travões a PCX continua igual a si própria.

O pouco curso da forquilha, a par com a roda dianteira de menor diâmetro (14 polegadas) revela-se sob a forma de violentas pancadas nos pulsos, e a pouca eficácia dos amortecedores traseiros também é notável nas primeiras irregularidades da estrada.

Os travões, apesar de suficientemente potentes, não deixam de pecar pela ausência de ABS. É verdade que a travagem é combinada, mas a utilização de tambor na roda traseira não abona em prol da modernidade.

A Piaggio Medley, por seu lado, oferece uma forquilha de muita qualidade e uns amortecedores traseiros muito confortáveis que em nada comprometem o desempenho em curva. A roda dianteira de 16 polegadas também representa uma vantagem nos pisos mais degradados.

Na travagem podemos contar com discos em ambas as rodas, e com ABS de dois canais Bosch 10.0. Além do mais a sensibilidade das manetes também é ligeiramente melhor.

Em termos de conveniência de utilização

Ambos os modelos aqui testados são muito fáceis de utilizar, seja no meio do mais caótico trânsito, seja nas mãos de um condutor menos experiente. O peso de ambos é muito semelhante e contido.

Tanto numa como noutra o passageiro consegue encontrar algum conforto e espaço suficiente e bom apoio para as mãos e os pés.

A altura livre ao solo é, em ambos os casos, apenas suficiente para permitir subir passeios baixos, e a protecção aerodinâmica é escassa em ambos os modelos. No entanto ambas são esguias o suficiente para passarem à vontade entre as filas de trânsito.

A PCX apresenta uma ligeira vantagem para as estaturas mais baixas, pelo seu assento mais perto do chão, e é dona de uma brecagem ainda mais reduzida. No entanto a sua capacidade de carga limita-se a espaço para apenas um capacete integral e pouco mais. 

A ausência de gancho de suporte no painel frontal também não ajuda quando é necessário transportar mais carga. No painel frontal contamos com um pequeno cacifo (sem fechadura) que disponibiliza uma tomada de 12V.

A Medley é mais espaçosa para as estaturas maiores, sendo que as suas linhas “absorvem” melhor os condutores mais altos. Debaixo do assento, que abre com recurso a um fecho eléctrico com comando no guiador, há espaço para dois capacetes integrais, e no painel frontal existe um gancho de suporte que, a par com a plataforma quase plana, oferece forma de transportar mochilas ou sacos de maior dimensão.

No painel frontal existe um cacifo com várias divisões que permite arrumar pequenos objectos. O seu acesso depende de fechadura, e também disponibiliza uma tomada eléctrica.

Em termos de iluminação, a PCX oferece luzes em LED, proporcionando uma excelente visão da estrada, mesmo nas noites mais escuras, sendo bastante melhor que a solução aplicada na Piaggio.

Ambos os modelos estão equipados com imobilizador electrónico, eficaz contra os amigos do alheio.

Em termos gerais

Apesar de ambos os modelos serem fabricados na Indochina, a Medley na fábrica da Piaggio no Vietname e a PCX na fábrica da Honda na Tailândia, a qualidade de construção é muito boa, e é notável a quase ausência de vibrações e ruídos parasitas.

No entanto há que destacar a atenção ao detalhe da Piaggio, que é practicamente irrepreensível, sendo detentora de acabamentos de muita qualidade, dos quais se destaca, por exemplo, a linha de escape em aço inox, a tomada eléctrica que já é USB, o assento pespontado a duas cores e a possibilidade de instalação (em opcional) da Plataforma Multimédia Piaggio, que permite conectar a Medley ao Smartphone e aceder a diversos dados com a mais variada informação.

E se até agora ainda não conseguiu definir qual a melhor destas duas scooters urbanas, então deixe-se inspirar pelas imagens abaixo. E se tiver que optar entre uma delas, não deixe de efectuar um test-ride às duas. Vai ver que depois é mais fácil escolher!

Galeria de imagens da Honda PCX 125

Galeria de Imagens da Piaggio Medley 125

AdM @ 8-1-2017 20:17:29


Últimas notícias