Teste Husqvarna Vitpilen 701 - Compromisso Radical

Um compromisso entre estilo e desempenho que resulta numa condução divertida e momentos memoráveis.

andardemoto.pt @ 19-6-2018 11:36:06 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Husqvarna 701 Vitpilen | Moto | Vitpilen

Basta olhar para a ficha técnica para se ficar imediatamente esclarecido sobre as intenções deste que foi um dos mais aguardados lançamentos desde que a Husqvarna passou a fazer parte do universo da KTM.

Apresentada ao mundo no outono de 2015, na EICMA, o Salão de Milão, as suas linhas minimalistas e traços sensuais conquistaram imediatamente o mundo.

Sendo uma moto de inspiração “Cafe Racer” que em vez de relembrar o passado, evoca o futuro, a Husqvarna Vitpilen 701 mantém a simplicidade como forte traço de carácter, seja nas suas linhas seja na sua utilização.

Podem escrever-se compêndios sobre o seu conceito e aspecto, mas a Vitpilen 701 resume-se melhor pela elevada diversão proporcionada por equipamento de elevada qualidade, como a iluminação em LED e o material de fricção assinado pela Brembo, que convive com uma extrema facilidade de utilização, e um elevado prazer de condução.

No entanto a Vitpilen 701 revelou-se-me de uma forma ambígua. Apesar de o seu tamanho ser relativamente compatível com a minha estatura, a sua posição de condução é bastante radical, o que me desagradou em utilização urbana, apesar de ser uma moto bastante esguia, ágil e ter uma excelente brecagem. 

O motor “mono”, o mais potente actualmente em produção, também não gosta de baixas velocidades, obrigando a um aturado trabalho com o pedal das mudanças.

Um contra-senso tendo em conta que a marca a classifica como uma moto urbana. De tal forma que a minha primeira impressão foi a de que, a baixa velocidade, não há nada que funcione de forma agradável, ou suave, na Vitpilen 701.

Mas tudo isso muda de figura quando se rola em estradas retorcidas. A ciclística revela-se muito incisiva sob todos os aspectos, sendo muito ágil e fácil de mudar de direcção. As curvas desenham-se de forma intuitiva, como se a compasso, a travagem é extremamente doseável, e incansável, suficientemente potente.


A suspensão trabalha de forma irrepreensível, podendo até considerar-se confortável tendo em conta o seu carácter desportivo, e o motor desenvolve alegre e decididamente a cada enrolar de punho, desde que se mantenha acima das 4.000rpm.

O monocilindro faz juz à sua espécie, e brilha nos médios e altos regimes com uma entrega de potência muito linear até às 9.000rpm, e uma sonoridade extremamente agradável. Ao nível das vibrações, estas apenas se revelam nos espelhos retrovisores, não havendo indícios nem nos punhos nem nos poisa-pés.

Para dar mais sabor à condução, a mais bela das “Husky” conta com quickshifter integral, muito conveniente para manter o "mono" dentro do regime ideal, embraiagem deslizante (uma unidade Adler) que resolve na perfeição as reduções mais exigentes, já para não falar no obrigatório ABS, uma unidade Bosch que, à semelhança do controlo de tracção, também pode ser desligado, e cuja acção passa completamente despercebida, tal a sua eficácia.

Já tinha tido oportunidade de testar a versão 401 da Husqvarna Vitpilen (clique aqui para ver), e tinha ficado impressionado com o seu comportamento dinâmico.

Apesar de ser uma moto fácil de explorar os limites, deixou-me um pouco desiludido com o seu pequeno tamanho que me fazia parecer enorme em cima dela, apesar de extremamente “solto” para poder desfrutar do seu excelente desempenho, que já fazia prever que a “irmã” mais crescida iria ser um caso sério de eficácia.

E a Vitpilen 701 é efectivamente de outro campeonato. O seu baixo peso, uns escassos 157 kg (sem gasolina) e o apuramento da ciclística, permitem explorar ao máximo os 74 cavalos de potência, suportados por um binário de 72Nm registado às 6.750rpm.

A marca apostou numa imagem de exclusividade, e definiu como público alvo a nova geração de motociclistas, mais virada para o design e para a facilidade de condução.

No entanto a verdade é que a 701 é uma moto que vai agradar a qualquer motociclista experiente, que goste de andar depressa, fazer umas boas curvas e, a cada tanto, fazer uma pequena paragem, para ver as vistas, ou tão só apreciar a estética refinada do design de Maxime Thouvenin.

Claro que há alguns pontos menos bons, como os espelhos retrovisores que, como já referido, são praticamente inutilizáveis devido à vibração. O mesmo se pode dizer do painel de instrumentos, um pouco interessante LCD que, apesar de contar com um bom nível de informação, é algo complexo em termos de utilização, não sendo aconselhável tentar aceder ao seu menú, em andamento, por os botões estarem bastante afastados e serem de utilização bastante rústica. Como se isso não bastasse, com o sol a pino torna-se frequentemente invisível com o reflexo.


No entanto, no conjunto, é uma moto que proporciona momentos de elevada diversão, com muita adrenalina e um grande prazer de condução. Desde que se pretenda andar em ritmos bastante rápidos!

A Husqvarna preparou uma completa gama de acessórios que permite tornar a Vitpilen 701 numa moto ainda mais exclusiva, disponibilizando, por exemplo, um par de elegantes jantes raiadas.

Já disponível nos concessionários Husqvarna (clique aqui para ver qual está mais perto de si), não deixe de marcar um Test Ride

Veja a Husqvarna Vitpilen 701 em pormenor:

Equipamento:

Neste teste usámos o seguinte equipamento de protecção e segurança:


Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Husqvarna 701 Vitpilen | Moto | Vitpilen

andardemoto.pt @ 19-6-2018 11:36:06 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira