Miguel Oliveira na KTM Factory é prémio merecido após mais de 16 anos a andar de moto

Piloto de Almada está confirmado como novo piloto da equipa de fábrica da marca austríaca em MotoGP a partir de 2021. Miguel Oliveira passa da Tech3 para a Red Bull KTM Factory, mais de 16 anos depois de ter recebido a sua primeira moto.

andardemoto.pt @ 25-6-2020 20:27:10

Depois de muitos rumores e informações contraditórias, o secretismo em torno do futuro do piloto português está finalmente desfeito!

Miguel Oliveira, um dia depois de assinar o melhor tempo nos testes de MotoGP em Misano, vê confirmada a subida à equipa de fábrica Red Bull KTM Factory, deixando assim a estrutura da Tech3, equipa com a qual se prepara para cumprir a segunda temporada em MotoGP. O novo contrato será válido por dois anos.

Para além do talento que desmontra e que lhe permite estar na luta frente aos melhores do mundo, o piloto natural de Almada tem assim a merecida recompensa da KTM pelo que tem ajudado a marca austríaca a crescer. E não apenas em MotoGP!

Recordamos que Miguel Oliveira pilotou para a Red Bull KTM Ajo nas Moto3, onde foi vice-campeão em 2015, revelando uma fibra de campeão que deixou os fãs do Mundial de Velocidade muito entusiasmados.


Em 2018, e novamente aos comandos de uma Red Bull KTM Ajo, mas agora nas Moto2, Miguel Oliveira voltou a mostrar fibra de campeão. Vitórias fantásticas e mais um vice-campeonato levaram a KTM a não perder a oportunidade de trazer o jovem luso para MotoGP.

Num ano de estreia, o piloto português rapidamente mostrou que a KTM tinha tomado uma boa decisão. Os primeiros pontos não demoraram muito a ser conquistados, e logo depois a KTM renovou contrato com Miguel Oliveira para 2020, com o português a manter-se na estrutura da Tech3, equipa liderada por Hervé Poncharal, e onde se sente “em casa”.

Em 2021, Miguel Oliveira vai poder então reeditar uma dupla que já trouxe à KTM muitas vitórias.

Ao seu lado na Red Bull KTM Factory, Miguel Oliveira terá a companhia do sul-africano Brad Binder, que este ano estará a fazer a sua estreia em MotoGP, e que noutras temporadas já mostrou formar uma dupla temível com Oliveira.

Depois de ser o primeiro português a competir em MotoGP, Miguel Oliveira será assim o primeiro português a competir como piloto de fábrica na categoria rainha da velocidade mundial.



A confirmação da passagem para a estrutura de fábrica da KTM deixa Miguel Oliveira “Muito feliz por esta oportunidade que a KTM me está a dar para os próximos dois anos. Sinto que eles confiam em mim para mostrar o meu valor como piloto neste projeto. Desde o primeiro dia que dei o meu melhor para a moto e acreditei no seu potencial para conseguir bons resultados e é isto que queremos alcançar no futuro próximo. Penso que estamos no sitio certo para o conseguir e para me desenvolver como piloto. É uma grande, grande oportunidade. Ainda temos que nos concentrar em 2020 mas sinto-me grato por este grande desafio. Obrigado à família KTM!”.

Com a chegada de Miguel Oliveira à Red Bull KTM Factory, e com Binder a manter a sua posição na equipa, será o espanhol Pol Espargaró a abandonar a KTM depois de quatro anos a pilotar a RC16.

Tudo indica que o mais novo dos irmãos Espargaró será piloto da Repsol Honda a partir de 2021, mas ainda falta a confirmação oficial de que Pol formará dupla com Marc Marquez. Nesse caso, Alex Marquez está fora da equipa de fábrica da Honda – mesmo sem ter ainda cumprido qualquer corrida! – e poderá encontrar futuro na LCR Honda que pode perder Cal Crutchlow, pois o britânico, afetado pelas lesões, pondera retirar-se da competição.


Para o lugar deixado vago por Miguel Oliveira na Tech3 entra Danilo Petrucci.

O italiano, que atualmente compete como piloto da Ducati de fábrica, tem uma vitória em MotoGP. Foi em Mugello 2019, que Petrucci deixou os Ducatisti e os italianos de uma forma geral êxtase!

Porém, Petrucci não confirmou ao longo da temporada 2019 o que a Ducati esperava dele. Foi com normalidade que viu confirmada a saída da equipa italiana em 2020, e agora terá a oportunidade de ajudar a KTM Tech3 a atingir os resultados que a marca liderada por Stefan Pierer procura em MotoGP.



Com a passagem de Miguel Oliveira para a Red Bull Factory em MotoGP, está assim completo um ciclo que começou há mais de 16 anos, quando o jovem luso recebeu a sua primeira moto em 2003.

A partir daí, e sempre com o forte apoio do pai, Paulo Oliveira, foi sempre a crescer!

Em 2004 faz a primeira corrida, um ano depois leva de vencida a primeira competição internacional, e mais um ano após essa conquista, Miguel Oliveira sagra-se vice-campeão do troféu espanhol Copa Calypso.

Em Espanha volta a brilhar em 2007, quando se torna campeão espanhol de pré-125. O talento de Miguel Oliveira levou-o a participar em 2008 na Red Bull Rookies Cup. Faz três corridas e vence duas. Em 2009 faz a sua estreia no CEV, onde termina em terceiro na categoria 125GP. 2010 marcou mais um excelente ano para Miguel Oliveira, com a conquista de vice-campeonato europeu 125GP ao qual também juntou vice-campeonato espanhol.

A ansiada estreia no Mundial de Velocidade acontece em 2011, mas foi em 2013 que começou a cimentar o seu nome no maior palco do motociclismo mundial de velocidade, quando aceita o desafio dos indianos da Mahindra.


A primeira grande explosão de alegria acontece em 2015, já aos comandos da KTM de Moto3. Numa corrida magistral, Miguel Oliveira vence pela primeira vez no mundial, na catedral Mugello. Nesse ano luta com Danny Kent até ao fim, e conquista vice-campeonato de Moto3.

Depois sobe de categoria. O começo nas Moto2 não foi fácil, e a Leopard Racing não se mostrou uma estrutura à altura do que Miguel Oliveira precisava para continuar a progredir. Em 2017 volta para o sei da KTM e da equipa Ajo, e em 2018 torna-se vice-campeão de Moto2, tendo sido batido por Francesco Bagnaia.

Depois vieram as MotoGP. Os resultados são já sobejamente conhecidos, mas entre eles destaca-se o melhor resultado até ao momento: o 8º lugar no GP da Áustria!

Embora tendo agora uma temporada de 2020 para mostrar o que consegue fazer aos comandos de uma moto que, tudo indica, estará bastante acima do nível apresentado em 2019, Miguel Oliveira tem já os olhos postos em 2021, quando se tornar piloto de fábrica.

Um merecido prémio para o piloto luso, que há mais de 16 anos anda de moto.

andardemoto.pt @ 25-6-2020 20:27:10


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto