A escalada da velocidade ao longo da história do motociclismo.

Uma evolução com mais de 100 anos que cresceu de uns modestos 40 km/h, até uns alucinantes 400km/h.

andardemoto.pt @ 8-4-2018 19:42:49 - Texto: Rogério Carmo

A velocidade sempre fascinou o ser humano. E os motociclistas não são excepção. As motos evoluíram lentamente durante mais de 120 anos, e decuplicaram a sua velocidade máxima mas, curiosamente, hoje em dia, não são os limites tecnológicos que não permitem que se possam atingir velocidades mais elevadas! 

Para percebermos como é que o seu desempenho melhorou  ao longo dos anos, e o que é que refreou a corrida em busca da maior velocidade máxima, abaixo fica um resumo sobre as motos de produção em série que, na sua época, estabeleceram importantes recordes de velocidade máxima para um veículo de 2 rodas.

1894 - Hildebrand & Wolfmüller

Hildebrand-Wolfmüller 1894

Hildebrand-Wolfmüller 1894

O primeiro recorde de velocidade de uma moto foi, obviamente, a velocidade máxima atingida pela primeira moto produzida em série!

O evento aconteceu ainda no século 19, em 1894, e a sua protagonista foi uma Hildebrand & Wolfmüller, basicamente uma bicicleta dotada de um motor bicilíndrico paralelo, com uma cilindrada de 1.500cc a debitar 2,5cv, que, completamente espremidos, conseguiam propulsionar a moto desenvolvida em Munique a uns estonteantes 45km/h (28 milhas por hora). 

1914 - Pope Model L

Pope Model L 1914

Pope Model L 1914

Passar a barreira dos 100km/h demorou quase 10 anos. Foi na América, em Westfield, no estado do Massachusetts, no decorrer de 1914 quando a Pope Model L, dotada de um motor “V-twin” de dois cilindros em “V”, com 999cc de capacidade e a debitar cerca de 12cv, conseguiu atingir a barreira dos 110Km/h (70mph).

1925 - Brough Superior SS100

Brough Superior SS100 1925

Brough Superior SS100 1925

Bater a marca das 100 milhas por hora demorou outra década, e só em 1925 é que a Brough Superior SS100, com um motor semelhante mas mais evoluído em termos de rendimento energético, um V-twin de 988cc que debitava uns substanciais 45cv,  conseguiu chegar aos 160km/h (100mph).


1949 - Vincent Black Lightning

Chegar à marca das 150 milhas por hora tornara-se quase uma obsessão. Mas, com todas as peripécias históricas, foi preciso esperar mais de 20 anos, até 1949, quando Rollie Free se tornou famoso por ter conseguido, em Salt Flats no Utah, atingir a velocidade de 241,905km/h (150,313mph). Fê-lo aos comandos de uma Vincent Black Lightning dotada também ela de um motor V-twin, com 998cc que debitavam 70cv.

Mas não foi por ter ultrapassado a barreira das 150mph (240km/h) que Rollie Free ficou famoso. O que o catapultou para a fama foi uma foto. Talvez a mais divulgada foto de uma moto em andamento, alguma vez publicada.

Isto porque, para que a sua Vincent Black Lightning conseguisse estabelecer o recorde de velocidade no grande lago salgado do Utah, Rollie teve que, além de remover o assento, adoptar uma caricata posição de condução, completamente empranchado, tentando reduzir ao mínimo o coeficiente de resistência aerodinâmica, tendo mesmo chegado ao ponto de remover as suas roupas, e fazer a tentativa apenas com um fato de banho vestido, facto que posteriormente valeu à Vincent Black Lightning, a alcunha de moto do fato de banho ("bathing suit bike").

1996 - CBR1100XX Super Blackbird

Depois disso foram precisos quase 50 anos, para que aparecesse outra moto capaz de alcançar velocidades marcantes. A Kawasaki já tinha lançado, em 1990, a sua mítica ZZ-R1000, cuja velocidade máxima era de umas frustrantes 179mph (288km/h), quando a Honda, em 1996, apresentou ao mundo a sua CBR1100XX Super Blackbird. 

O seu nome, inspirado no Lockheed SR-71 Blackbird, um avião de reconhecimento da Força Aérea America, capaz de atingir velocidades 3 vezes superiores à do som (mais de 3.700km/h), revelava que se tratava de uma moto muito rápida!

A "XX" estava efectivamente dotada de um motor de quatro cilindros em linha, com uma cilindrada de 1.137cc que debitava 162cv, e prometia uma velocidade máxima de 180mph, o equivalente a 290km/h.

1999 - Suzuki GSX1300R Hayabusa

Pouco faltava para que uma moto conseguisse bater a barreira dos 300km/h, e foi mesmo antes do virar do século, em 1999, que a Suzuki, com a sua GSX1300R Hayabusa, conseguiu o feito. O nome da moto mais rápida do século XX, evoca o da mais rápida ave de rapina, o Falcão Peregrino (Hayabusa em Japonês), que em voo picado atinge velocidades terminais superiores a 180 milhas por hora. 

A Suzuki Hayabusa, com um motor de arquitectura semelhante ao da Honda CBR1100XX Super Blackbird, mas com 1299cc, debitava 173cv e conquistou o interesse de muitos que queriam experimentar a sensação de uma velocidade máxima superior a 310km/h.


2001 - Kawasaki Ninja ZX-12R

Por esta altura da história, corriam rumores de que a Kawasaki ia atirar mais lenha para a fogueira da velocidade, com o lançamento no ano 2001 da sua nova Ninja ZX-12R, capaz de passar a barreira das 200 milhas por hora (322km/h).


O chamado acordo de cavalheiros:

Mas o politicamente correcto já tinha tomado conta da nossa sociedade, e as marcas, com medo de serem alvo da ociosidade dos políticos e legisladores europeus, extremamente preocupados com a "segurança" dos seus eleitores, firmaram o chamado "acordo de cavalheiros", que se destinava a acabar com a corrida pela maior velocidade, e definiram que a velocidade máxima que qualquer moto de produção em série deveria poder atingir, seria a de 300km/h.

Por isso a versão comercializada da  Ninja ZX-12R estava electronicamente limitada a 300km/h, apesar da sua cilindrada de 1.199cc produzir 161,2cv à roda, capazes de um arranque (0-100km/h) em apenas 2,59 segundos.

2007 - MV Agusta F4 R 312

Mas isso não impediu que, em 2007, a MV Agusta viesse a colocar no mercado uma moto que alegadamente seria capaz de atingir os 312 quilómetros por hora, e até exibia esse mesmo número na sua denominação e estampado nas carenagens. Era nem mais nem menos do que a MV Agusta F4 R 312.

2013 - Ducati Panigale R

Em 2013, também a Ducati apresentou a Panigale R, dotada do seu típico motor desmodromico, V-twin, com 1,198cc, capaz de debitar 202cv e chegar a uma velocidade máxima de 202mph (325km/h). isto apesar de ter de o fazer com um escape de fábrica não homologado para circulação na via pública.

2015 - Kawasaki Ninja H2R

Entretanto, em 2015, a Kawasaki não quis saber de acordos e apresentou a Ninja H2R, cujo motor de 4 cilindros sobrealimentado, debita uns estonteantes 310cv, sendo capaz de ultrapassar a barreira dos 100 metros por segundo (360km/h) e até mesmo a barreira dos 400km/h.

O feito aconteceu em 2016, pela mão de Kenan Sofuoglu, na Turquia, e pode saber mais sobre esse recorde se clicar aqui.

andardemoto.pt @ 8-4-2018 19:42:49 - Texto: Rogério Carmo