MV Agusta Brutale 800 RR “Ballistic Trident” pela mão da Rough Crafts

Winston Yeh, o mágico de Taiwan autor de modificações de motos espectaculares, teve a ousadia de redesenhar uma das mais belas motos da actualidade: sacrilégio ou golpe de génio?

andardemoto.pt @ 8-12-2016 21:55:08

Não é comum alguém atrever-se a modificar uma MV Agusta. Menos ainda modificar completamente as linhas delicadas que caracterizam as produções da Meccanica Verghera. Mas Winston Yeh da Rough Crafts foi convidado pelo concessionário da marca de Varese em Taiwan para enfrentar o desafio de o fazer.

Tratando-se de uma marca e de um modelo tão carismáticos, não seria suficiente uma modificação qualquer. Teria que ser algo que completamente causasse um grande impacto visual.

E para isso nada melhor do que rebuscar nas linhas e conceitos de motos “vintage” e arranjar uma evocação marcante.

E se algo de marcante houve nos idos tempos das máquinas corredoras, foi a carenagem frontal.

As primeiras tentativas de melhorar a aerodinâmica das motos para proporcionar uma maior velocidade em recta, uma maior estabilidade e mais conforto ao piloto, foram as “dust bin fairings” que envolviam toda a roda da frente da moto, bem como o guiador e os comandos. Com o seu aspecto de bala dificilmente reconhecido, ficaram para a história com este nome que, em tradução livre significa carenagem “caixote do lixo”.


Apesar de um melhor desempenho a alta velocidade, manobrar tornava-se mais difícil, tanto pelo maior peso a que a frente da moto estava sujeita, como pela maior inércia nas mudanças de direcção provocada pelo cone de ar que produziam, ficando ainda extremamente sujeitas a reacções súbitas sob a acção de ventos laterais.

Mas foi precisamente inspirado pelas imagens de MV Agustas dos anos 50, como aquelas em que Carlo Ubbiali se sagrou campeão do mundo de GP, que Winston Yeh desenvolveu as linhas desta “Ballistic Trident”.

No entanto, empenhou-se em construir uma versão melhorada, que acompanha o movimento da roda dianteira, tornando-a também mais leve por ser menos envolvente e, sobretudo, por ser construída em fibra de carbono.

No entanto, a peça aerodinâmica pode ser removido em poucos minutos, numa operação simples que permite também colocar o farol dianteiro original, e tornar a Brutale Dragster 800 novamente legal para utilização na via pública.

O painel de instrumentos foi retirado da sua localização original e encastrado no cimo do depósito de combustível.


As modificações também incidiram na ciclística, com a “Ballistic Trident” a receber uma nova forquilha Ohlins FGR 800 suportada por mesas maquinadas, desenhadas pela própria Rough Crafts. O amortecedor traseiro também foi substituído por um Ohlins TTX. A travagem passou a estar integralmente a cargo de material da Beringer, desde as manetes, passando pelas bombas e pinças de aplicação radial, até aos discos.

As jantes de seis braços também foram desenhadas especificamente para dar a esta Brutale Dragster um ar “vintage” e foram fabricadas pela Wukawa Industry.

Avanços da Bonamici Racing, punhos e comandos Motogadget, escape HP Corse Hydro-Tre Brutale, poisa-pés da MV Agusta Corse, assento artesanal e pneus “slick” Pirelli Diablo Superbike completam a lista de principais modificações.

Apesar da estética ser discutível, a “Ballistic Trident” com o seu aspecto gótico não vai passar despercebida em nenhum lugar.

O preço desta transformação não foi anunciado.

Nova galeria de imagens da MV Agusta Ballistic Trident

andardemoto.pt @ 8-12-2016 21:55:08