Organização do MotoGP quer aplicar salário mínimo de 300 mil euros

Para fazer face à crise e ao afastamento da publicidade das tabaqueiras, a Dorna, organização que gere os direitos do MotoGP, prevê aplicar, em 2014, um salário mínimo no valor de 300 mil euros anuais, avança o jornal espanhol Marca. A ideia é reduzir custos para garantir melhores condições aos desportistas.

andardemoto.pt @ 30-10-2012 12:57:26

O nível médio anual dos salários dos pilotos do MotoGP ronda as dezenas de milhares de euros, mas a organizadora da prova, a Dorna, tem entre as medidas previstas para 2014 a fixação de um salário mínimo no valor de 300 mil euros.

O afastamento da publicidade por parte das tabaqueiras e a crise económica mundial tornam imprescindível reduzir o orçamento do MotoGP, que em tempos chegou a ser de 14 milhões de euros, conta o jornal espanhol Marca.

Mas, actualmente, já são vários os pilotos que procuram patrocínios para poderem competir. A Marca cita os casos de Yonny Hernández, Iván Silva e Hector Barbera, que chegam a conseguir apoios entre os 40 e os 50 mil euros, sem salário fixo. Ainda assim, sublinha o jornal, estes valores são inferiores aos que recebem alguns mecânicos do MotoGP, cujos rendimentos chegam aos 70 milhões.

Assim, o responsável da Dorna, Carmelo Ezpleta, explicou à Marca que “se baixar as despesas”, garante “um salário mínimo que deve rondar os 300 mil euros”, sendo que “uma equipa que não consiga assegurá-lo não pode competir”.

Deste modo, torna-se menos desequilibrada a diferença entre os pilotos mais consagrados, com contratos que rendem milhões de euros, e os restantes.

andardemoto.pt @ 30-10-2012 12:57:26