Dakar 2019 já arrancou no Peru

No mundo do desporto motorizado, o início de um novo ano civil é sinónimo de Dakar, a mítica prova de todo-o-terreno que reúne os melhores pilotos de motos, automóveis, quads, SxS e camiões. A competição tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos em Portugal, que este ano está representado nas motos com nove nomes bem conhecidos das provas nacionais.

andardemoto.pt @ 8-1-2019 16:53:33

Paulo Gonçalves

Paulo Gonçalves

Paulo Gonçalves, António Maio, David Megre, Mário Patrão, Joaquim Rodrigues, Fausto Mota, Hugo Lopes, Miguel Caetano e Sebastian Bühler. São estes os nomes que vamos seguir com atenção redobrada ao longo das 10 etapas que compõem esta edição do Dakar. A competição teve início no dia 6, em Lima, e é igualmente na capital peruana que serão conhecidos os campeões de 2019 no dia 17 de janeiro.

Depois da partida simbólica que teve lugar no passado domingo em Lima, a competição arrancou no dia 7 de janeiro com a primeira de dez etapas que compõem a edição de 2019 da mítica prova de todo o terreno mundial. O espanhol Joan Barreda Bort foi o primeiro vencedor do ano entre as motos, chegando ao fim da primeira tirada de 331 quilómetros com um registo de 00H 57' 36'' . A seis minutos de distância chegava o seu companheiro da equipa oficial Honda, Paulo Gonçalves, que, na 11.ª posição, foi o melhor português do primeiro dia.

"Foi a corrida possível, fiz uma corrida tranquila, não tive dores. Fui de forma bastante cautelosa, contente por ter terminado este dia. Amanhã vamos ter uma etapa bastante maior em termos de quilómetros e vou ver como é que me vou sentindo ao longo da corrida, irei tentar melhorar o ritmo ao longo da corrida. O importante é terminar dia após dia e ir melhorando", comentou Paulo Gonçalves.


Joaquim Rodrigues

Joaquim Rodrigues

Por sua vez, Joaquim Rodrigues mostrou que este ano está pronto para deixar para trás o azar da edição de 2018, conseguindo superar de forma segura esta primeira prova na 23.ª posição. Recorde-se que em 2018 o português sofreu uma aparatosa queda nos quilómetros iniciais da primeira etapa que o obrigaram a desistir da competição.

"Hoje foi uma etapa de muitas emoções para mim. Sinceramente, estava muito nervoso nesta primeira etapa lembrando o acontecimento do ano passado, onde uma queda me deixou logo fora de prova e com lesões que ainda hoje me afetam. Adotei um ritmo cauteloso, andei tranquilo, talvez até seguro demais. Mas estou feliz por ter concluído esta etapa, agora sinto que me posso concentrar num bom ritmo para os próximos dias", afirmou o piloto da equipa indiana Hero MotoSports Team Rally.


Mário Patrão

Mário Patrão

Dez minutos depois de Paulo Gonçalves cortava a meta a KTM 450 Rally de Mário Patrão, na 37.ª posição, imediatamente seguido de dois estreantes: António Maio (Yamaha) e Sebastian Bühler (KTM), respetivavemente em 41.º e  42.º.

Fausto Mota, que foi o único português a terminar a edição 2018 do Dakar, ficou no 63.º posto, praticamente a meio da tabela classificativa. O piloto natural do Marco de Caneveses, que se encontra a residir e trabalhar em Espanha, disputa esta edição do Dakar aos comandos de uma Husqvarna FE 350.

Fausto Mota

Fausto Mota

Aos comandos da KTM 450 Rallye, David Megre conseguiu também terminar entre os 50 primeiros, no 45.º lugar. Mais atrasados ficaram Miguel Caetano, na 98.ª posição e Hugo Lopes, em 111.º, também em KTM.

Na segunda etapa, a decorrer esta terça-feira, a caravana deixa Pisco e segue para sul em direção a San Juan de Marcona, numa jornada repleta de dunas. A especial terá 554 km, num total de 342 km cronometrados, num dia em que serão os carros a abrir pista e em que a navegação será bastante exigente.

andardemoto.pt @ 8-1-2019 16:53:33

Galeria de fotos