Royal Alloy GP e TG, nas cilindradas de 125 e 300 cc

As modernas e tecnológicas scooters Royal Alloy captam na perfeição o espírito da cultura Mod que foi tão popular nos anos sessenta e cuja chama continua ainda viva.

andardemoto.pt @ 23-1-2022 14:11:38

A Royal Alloy surge da iniciativa de alguns aficionados britânicos que quiseram continuar a transmitir a cultura Mod (abreviatura de Modernismo) que surgiu em Londres no final dos anos ‘50 e alcançou o seu máximo esplendor na década seguinte.

Com o lema “Real Classic” as scooters Royal Alloy chegam agora aos mercados português e espanhol, com os seus modelos GP e TG, ambos nas cilindradas de 125 e 300 cc, com homologação Euro 5. O seu conceito consiste em ser fiel à filosofia clássica, mas adaptando-se aos tempos modernos com novas tecnologias e materiais. O transmite a paixão pela tradição das scooters autênticas.

A sua estética, inspirada nas scooters italianas dos anos ‘60, foge da massificação do plástico, empregando materiais como a chapa prensada de aço inoxidável para as tampas laterais desmontáveis e o escudo frontal, ou a fundição de alumínio para o farol, reduzindo o uso do plástico à ‘gravata’ do escudo, guarda-lamas dianteiro e ao tradicional e amplo porta-luvas com fechadura.

A tradição também está presente na suspensão dianteira que emprega um sistema de duplo braço por bielas oscilantes com amortecedores hidráulicos e ajustáveis em pré-carga da mola, para além de um mecanismo anti afundamento que aproveita a reação do travão de disco para evitar que a suspensão se comprima sob travagem. Tudo isto converte esta suspensão na mais sofisticada do mercado, apesar do seu aspeto tão tradicional.

O motor, a 4T com refrigeração líquida, injeção eletrónica e transmissão automática por variador, viu o seu desenvolvimento realizado por conhecidas marcas europeias, o que garante a maior fiabilidade do veículo.

No que respeita a travões, a gama de scooters Royal Alloy emprega discos de travão ‘wave’ de 220 mm de diâmetro sobre jantes de 12 polegadas, adicionando-se a segurança de um sistema de anti bloqueio de duplo canal confiado ao especialista alemão Bosch na a versão de 300 cc.

Uma grande atenção ao pormenor, a boa qualidade dos materiais, a estética cuidada e o elevado nível tecnológico, complementam-se com a versatilidade, conforto, agilidade e facilidade de condução no uso diário para as deslocações urbanas.

E, para tornar ainda mais exclusiva cada Royal Alloy, o seu utilizador dispõe de uma ampla gama de acessórios originais para converter a sua GP ou TG numa scooter única e ao seu gosto pessoal.
Veja abaixo as características específicas de cada um dos novos modelos da Royal Alloy.

Royal Alloy GP 125

Uma versão dirigida aos utilizadores que beneficiam da ‘lei das 125 cc’ (com carta de automóvel) que pretendem uma scooter de inspiração clássica, bem como aqueles que gostam de se fazer notar nos seus trajetos urbanos diários.

Movida por um simples e robusto motor de 3 válvulas com homologação Euro 5, com injeção eletrónica Delphi, refrigeração por ar forçado e com quase 10 cv de potência, proporciona brilhantes prestações para se destacar no meio do trânsito à saída de qualquer semáforo, mantendo sempre baixas emissões (89 gr/km de CO2) e um consumo muito contido.


O seu guiador em alumínio fundido integra, para esta edição 2022, um farol Full LED cuja tecnologia se torna extensível aos piscas e ao farolim traseiro. Esse contraste clássico-moderno também está presente no completo painel de instrumentos, para o qual se utiliza um ecrã LCD retroiluminado com bastante informação.

A GP 125 emprega um conjunto de travões de disco com funcionamento combinado (CBS) e está disponível na rede de pontos de venda autorizados da Royal Alloy em Portugal , na cor branca ou cinzenta a um preço de 3.595€ (IVA incluído).

Royal Alloy TG 125

Esta é uma importante novidade na gama 2022 da Royal Alloy, pois adota o quadro da TG de maior envergadura, que se estreou no modelo de 300 cc e está agora presente neste modelo que se pode conduzir com carta de automóvel.

Para motorização emprega o mesmo grupo propulsor da GP 125, caracterizado pela sua simplicidade mecânica (2 válvulas e refrigeração por ar forçado) e uma entrega de potência de 10 cv muito doseáveis no acelerador.

O novo quadro da TG com carenagens em chapa de aço inoxidável prensada está disponível num esquema cromático bicolor, como se usava nas décadas de sessenta e setenta: a parte central do corpo posterior, juntamente com o escudo frontal e guarda-lamas dianteiro, apresenta-se em branco-marfim, e as tampas laterais assim como o ‘nariz’ do escudo em cinzento, vermelho ou azul.

O assento é outra das características que identificam a série TG, adotando um elemento com a zona que acomoda o condutor rebaixada em altura e uma estreia espessura ‘Slim’ com estofo em gel, que não afeta o conforto e facilitará a utilizadores de todas as estaturas chegarem com os pés facilimente ao chão.

Como na 300, todo o sistema de iluminação é Full LED, dispondo- de um farol de duplo módulo de alta intensidade, enquanto para o farolim traseiro e os quatro piscas adotam matrizes de díodos, com as duas unidades traseiras de tamanho diminuto, sobressaindo à superfície das tampas laterais.

O preço da nova TG 125 é de 3.995 € (IVA incluído).

Royal Alloy GP 300 S

Outra novidade na família se scooters clássicas autênticas da Royal Alloy é o modelo de 300 cc que assenta na carroçaria Grand Prix como alternativa económica à já conhecida e entretanto evoluída, TG 300 S. Mas não é por isso que a GP 300 S está menos equipada. 

De facto, o motor utilizado é também uma unidade Piaggio de refrigeração por líquido com cabeça de 4 válvulas e injeção eletrónica Magneti Marelli, que debita uma potência máxima de 25,1 CV às 8.250 rpm, sendo capaz de registar velocidades de cruzeiro elevadas em estrada aberta, além de o seu contido peso de 152 kg lhe proporcionar uma grande agilidade para circular mesmo no trânsito urbano mais congestionado.


Tal como na versão de 125 cc, a série GP foi revista, com pequenos ajustes na edição 2022, destacando-se a articulação do bloco motor-transmissão e a pinça dianteira, cujo acionamento serve para conseguir um efeito anti afundamento no sistema de bielas oscilantes do trem dianteiro.

A GP 300 S conta ainda com um painel de instrumentos composto por um ecrã LCD com bastante informação e de fácil leitura, para se poder consultar de relance sem tirar a atenção da estrada.

A GP 300 S disponibiliza-se nas cores cinzento e branco-marfim a um preço de 5.295€.

Royal Alloy TG 300 S

Este é o modelo ‘navio-almirante’ da Royal Alloy, no qual se combinam, com a máxima atenção ao pormenor, um equipamento de alto nível e uma mecânica aprimorada, baseada numa unidade motriz de 300 cc com 4 válvulas, refrigeração por líquido e injeção Magneti Marelli, desenvolvida e fabricada pela Piaggio, que garante robustez, qualidade e rendimento, para uma utilização tantos nas deslocações urbanas do dia a dia como em estrada aberta.

Nesta série Tigara Grande (Ponto Grande) os materiais ‘reais’ empregues (caso da carroçaria em chapa de aço inoxidável prensado sobre um quadro multitubular com o guiador em alumínio) estendem-se ao alumínio fundido no nariz do escudo frontal e no porta-bagagens.

O elevado nível tecnológico fica patente no painel de instrumentos baseado num ecrã TFT a cores, com a peculiaridade de ser táctil para todas as funções de ajuste, para além da iluminação Full LED desde a ótica dianteira ao farolim, passando pelos piscas.

A Royal Alloy TG 300 S está disponível nos esquemas de cor de dois tons em vermelho/branco, azul/branco e cinzento/branco, ao preço de 5.695 €.

A Royal Alloy é representada em Portugal e Espanha pela Onetrón Motos S.L.U.
Pode ver mais informações no site oficial da marca

andardemoto.pt @ 23-1-2022 14:11:38


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews