Ducati Panigale V4 SP2: "The Ultimate Racetrack Machine"

O topo de gama entre as motos superdesportivas da Ducati, numa versão especial específica para condução em pista.

andardemoto.pt @ 11-3-2022 01:51:00

Mais intuitiva e menos fatigante também para pilotos não profissionais, a Ducati Panigale V4 SP2 foi produzida numa série numerada, que se caracteriza pelo esquema de cores “Winter Test” e por uma série de pormenores em fibra de carbono. Além de um kit específico para uso em pista, que eleva ao máximo as suas características desportivas.

Jantes em fibra de carbono, pinças de travão Brembo Stylema R, bomba de travão radial MCS, corrente 520 e poisa-pés em alumínio, acompanham os melhoramentos feitos na versão de 2022 para criar a Panigale com a mais elevada performance de sempre.

Esta edição especial vem acompanhada por um kit específico para utilização em pista, que inclui tampas em alumínio para a remoção dos espelhos retrovisores*, um kit para remoção da placa de matrícula* e uma espectacular tampa de embraiagem semi-aberta, fabricada em carbono*.

O resultado é a “The Ultimate Racetrack Machine”  (Derradeira Moto de Pista), um modelo especial, ideal para pilotos não-profissionais que pretendem desfrutar de track days desafiando os seus próprios limites.

A Panigale V4 SP2 caracteriza-se pelo esquema de cores especial "Winter Test", no qual o negro mate das carenagens é combinado com os acabamentos em carbono mate das jantes e asas aerodinâmicas, contrastando com os pormenores em vermelho vivo e o brilho do depósito de combustível em alumínio escovado. As asas aerodinâmicas, com desenho de duplo perfil, ostentam a bandeira italiana, como na Panigale V4 R SBK oficial.

A parte inferior da carenagem distingue-se pela presença do logótipo Ducati Corse na área dos novos extratores de ar quente e por um pormenor a vermelho com o nome da moto, também presente no assento negro que exibe o contraste entre os dois materiais em que é feito.


A mesa de direção superior é maquinada a partir de um bloco de alumínio e mostra o número de série de cada moto desta edição especial, tornando cada modelo único.

Por coração, a Panigale V4 SP2 tem um motor derivado do que alinha em MotoGP, o Desmosedici Stradale que foi melhorado para 2022 com a introdução de elementos técnicos dedicados, que tornaram possível aumentar a potência extraída dos seus 1103cc de capacidade.

Este V4 apresenta uma cambota contra-rotativa, que o torna capaz de debitar muito binário desde baixos regimes, permitindo-lhe expressar em pista a alma desportiva do conjunto. 

Graças a estas intervenções e a novos mapas de gestão dedicados, a versão Euro 5 do motor entrega 215,5cv às 13.000rpm, um aumento de potência de 1,5 cv face à Panigale V4 2021, que aumenta para 2,5 cv para lá do pico de potência máxima, às 14.500 rpm.

Para capitalizar o potencial máximo deste motor, foram desenvolvidas pela Ducati diversas curvas de binário, específicas para cada relação de caixa, bem como quatro diferentes modos de potência, com as novas configurações Full e Low, além das configurações High e Medium, que agora fazem uso de uma nova estratégia.

Quando usada em pista, a performance do Desmosedici Stradale pode ser ainda melhorada com o novo escape de competição em titânio, desenvolvido pela Ducati Performance em colaboração com a Akrapovič e que está disponível como acessório.

Os silenciadores elevados, ao longo da secção traseira, foram redesenhados para gerarem um aumento de performance e, ainda assim, limitar o ruído, oferecendo a todos a oportunidade de contarem com um escape ‘full racing’ mesmo em circuitos com os limites de ruído mais restritivos.

Com este escape a Panigale V4 SP2 fica mais leve, a pesar menos 5kg, cifrando um peso a seco de apenas 168kg, e vê a sua potência aumentar 12,5cv, para um valor máximo de 228cv, com o valor de binário máximo também a subir para uns significativos 131Nm.

A sua inspiração nas motos que correm no Campeonato do Mundo de Superbike é ainda mais evidente na versão “SP2” da Panigale V4, que apresenta uma caixa de velocidades com “especificação de pista” já presente na Panigale V4 2022, uma aligeirada transmissão final, com corrente 520, e uma embraiagem a seco STM-EVO SBK.


Em comparação com a embraiagem em banho de óleo da Panigale V4 S, esta nova embraiagem a seco, além de garantir uma função deslizante mais eficaz, num uso extremo da moto em pista e proporcionar maior  fluidez em todas as fases “off throttle”, a embraiagem STM-EVO SBK oferece ainda a possibilidade de customizar a intensidade do travão motor “mecânico” ao permitir escolher molas secundárias diferentes, disponíveis no catálogo de acessórios Ducati Performance.

A ciclística da Panigale V4 SP2 assenta num quadro em alumínio Front Frame que utiliza o Desmosedici Stradale como elemento estruturante, com o braço oscilante em alumínio e o suporte do assento em alumínio também ancorados no motor.

O pivot do braço oscilante está posicionado de modo a aumentar o efeito ‘anti-squat’, que é a redução do afundar da traseira na saída das curvas e quando se reabre o acelerador, contribuindo para estabilizar a moto sob aceleração.

Na frente, a suspensão conta, com uma forquilha Öhlins NPX25 / 30, controlada eletronicamente e com 125mm de curso, que usa um sistema de amortecimento de cartucho pressurizado que deriva dos hidráulicos de competição.

Esta forquilha, em combinação com o amortecedor traseiro Öhlins TTX36 e o amortecedor de direção eletrónico, também assinado pela Öhlins, são a base da segunda geração do sistema Smart EC 2.0, que se caracteriza por uma lógica OBTI (Objective Based Tuning Interface) que, ao ser regulado por “objetivos” e não por cliques, permite ao piloto uma gestão muito mais intuitiva da ciclística, do que os sistemas convencionais.

Equipada com jantes com 5 braços, em carbono de alta qualidade e 1,4 kg mais leves que os elementos em alumínio forjado da versão normal, a versão “SP2” da Panigale V4 S beneficia uma significativa redução na inércia inferior 26% na frente e 46% na traseira, que lhe confere uma maior agilidade, leveza e rapidez nas mudanças de direção, com maior facilidade em traçar as curvas.

Relativamente à travagem, na frente, a Panigale V4 SP2 está equipada com pinças de travão Brembo Stylema R, que garantem uma elevada potência de travagem e uma excecional consistência da performance, mesmo durante sessões cronometradas prolongadas, sem registar alterações no curso na manete.

As pinças são operadas através de uma bomba radial Brembo MCS (Multiple Click System), que permite customizar rápida e facilmente, em três configurações, o ‘feeling’ da travagem.

A manete de travão dianteiro está ainda equipada com um dispositivo de “ajuste remoto”, que permite regular a sua posição atuando num botão no punho esquerdo, tal como sucede nas motos de competição.

A versão “SP2” conta ainda com manetes de travão e embraiagem maquinadas nos extremos, com ranhuras, para diminuírem a resistência aerodinâmica.

Outro elemento essencial que caracteriza a Panigale V4 SP2 são os poisa-pés Rizoma, em alumínio anodizado, com proteções de calcanhar em carbono, totalmente reguláveis e a proporcionarem grande aderência às botas, que maximizam a inclinação lateral, para um uso mais eficaz em pista.

Contribuem ainda para melhorar a ergonomia, que foi completamente redesenhada no modelos de 2022, com as novas formas do depósito e do assento estudadas para melhorar o controlo e extrair o máximo da performance da Panigale V4, tanto numa volta lançada como numa sessão prolongada.

A Panigale V4 SP2 conta com um pacote eletrónico com 4 Modos de Condução: Race A, Race B, Sport e Street.

Todos os parâmetros eletrónicos da moto podem ser regulados e claramente visualizados graças ao painel de instrumentos e ao modo de ecrã “Track Evo”, derivado dos utilizados em MotoGP.

Neste ecrã, o conta-rotações é apresentado numa escala horizontal, posicionada na parte mais elevada da instrumentação, a mais visível, e a indicação da mudança engrenada aparece no centro do ecrã.

No lado direito do painel encontram-se quatro diferentes sectores coloridos, cada um dedicado a um controlo eletrónico (DTC, DWC, DSC, EBC). Estes sectores acendem-se individualmente quando a eletrónica está a trabalhar num determinado parâmetro, permanecendo ligado o tempo necessário para o piloto identificar que indicador está ativado.

Este modo de sinalização facilita a tarefa do piloto em compreender o controlo que trabalhou, para lhe permitir intervir de forma mais precisa e atempada na seleção do nível ideal e conseguir mais rapidamente uma melhor performance.

O sector esquerdo do painel completa a informação com um cronómetro, um indicador de número de voltas completas e velocidade instantânea.


Na versão “SP2”, o módulo GPS está instalado de série, permitindo assim a ativação da função automática Lap Time, que fornece instantaneamente a indicação de dois tempos parciais na pista em que se encontra.

Para além disto, carregando o software Slick Ducati Performance (disponível como acessório), ficam activadas outras curvas do mapa do Ducati Traction Control, expressamente desenvolvidas para a utilização de pneus slick e de chuva, ficando também ativada a possibilidade de memorizar as coordenadas de cinco diferentes pistas e, ainda, cinco Riding Modes adicionais totalmente customizáveis.

E graças ao Ducati Data Analyzer, de série na SP2, é possível à posteriori fazer uma análise aprofundada dos dados da performance de cada sessão de pista.

A nova Ducati Panigale V4 SP2 está disponível nos concessionários da marca, em configuração monolugar e esquema de cores “Winter Test”, em negro mate com pormenores em vermelho-vivo e depósito em alumínio exposto e escovado.

Equipamento:

Mesas de direção maquinadas com indicação do número progressivo da moto
Depósito de combustível em alumínio escovado exposto
Assento exclusivo com logótipo "V4 SP"
Asas em fibra de carbono
Guarda-lamas dianteiro em fibra de carbono
Embraiagem a seco STM-EVO SBK
Transmissão final com corrente 520, cremalheira e pinhão específicos
Jantes em fibra de carbono com 5 braços
Pinças de travão dianteiro Brembo Stylema R
Bomba de travão dianteiro Brembo MCS 19.21 (Multiple Click System) com ajuste remoto
Manetes de travão dianteiro e embraiagem "Unloaded"
Poisa-pés reguláveis em alumínio com proteções de calcanhar em carbono
Configuração monolugar

Kit Ducati Data Analyzer + (DDA +) com módulo GPS (fornecido)
Tampa da embraiagem aberta em carbono (fornecida)Kit de remoção da placa de matrícula (fornecido)
Coberturas dos orifícios dos espelhos em alumínio (fornecidas)

Veja a Ducati Panigale V4 SP2 em pormenor:

Veja o vídeo de apresentação:

andardemoto.pt @ 11-3-2022 01:51:00


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews