Moto2 Barcelona 2024 - Pirelli bate recordes

Aldeguer com nova marca em Moto2

Em Barcelona, os recordes absolutos em pista e de voltas em corrida foram substancialmente melhorados em ambas as categorias, com melhorias significativas também nos tempos totais de corrida.

andardemoto.pt @ 27-5-2024 10:08:39 - Paulo Araújo

A série de recordes batidos pela Pirelli nos Campeonatos do Mundo de Moto2 e Moto3 continua. No GP da Catalunha, disputado em Montmelò, os slicks DIABLO Superbike contribuíram mais uma vez para quebrar os recordes de pista e de voltas de corrida de todos os tempos em ambas as categorias, reduzindo também significativamente os tempos totais de corrida.

Em Moto2, Ai Ogura (MT Helmets-MSI/Boscoscuro) venceu depois de uma espetacular volta saído do décimo lugar da grelha. Outra vitória - a sua quarta este ano - foi para David Alonso (CFMOTO Gaviota Aspar Team/CFMOTO), que lidera firmemente a classificação de Moto3 com 118 pontos no campeonato.

Nas Moto2, a escolha dos pilotos foi unânime para o pneu traseiro. Todos estavam na grelha de partida com o SC0 macio. A escolha do pneu dianteiro foi mais variada, com cerca de metade dos 32 pilotos com o SC1 macio e a outra metade com o SC2 médio. Todos os três pilotos no pódio usaram o SC1 macio na frente.


O piloto japonês Ai Ogura (MT Helmets-MSI/Boscoscuro) venceu a corrida, que teve 21 voltas, em 36:33.540, um tempo quase 18 segundos mais rápido que 2023, com uma melhoria média por volta de cerca de 9 décimos e temperaturas de asfalto 10°C mais altas que as de 2023.

 Antes de abandonar a corrida, Fermín Aldeguer (MB Conveyors SpeedUp/Boscoscuro) estabeleceu o novo recorde de volta da corrida com um tempo de 1:42.688 na segunda volta, batendo o anterior em mais de 1 segundo, que tinha sido estabelecido por Raul Fernández em 2021 (1:43.757). Para além do espanhol, outros onze pilotos fizeram pelo menos uma volta mais rápida do que o anterior recorde da pista.

Nas Moto3, com temperaturas do asfalto próximas dos 40ºC, a maioria dos pilotos da grelha optou por pneus do composto médio SC2 tanto para a frente como para trás. 19 dos 27 pilotos escolheram esta combinação e 25 deles colocaram o SC2 na frente. Também o vencedor da corrida, David Alonso (CFMOTO Gaviota Aspar Team/CFMOTO) e o homem da pole (e segundo classificado) Iván Ortolá (MT Helmets-MSI/KTM) escolheram o SC2 médio para ambos os eixos.

Apenas 6 pilotos utilizaram o SC1 macio na traseira, incluindo Collin Veijer (Liqui Moly Husqvarna Intact GP/Husqvarna) e Jose Antonio Rueda (Red Bull KTM Ajo/KTM) que, partindo respetivamente do segundo e terceiro lugares da grelha, terminaram em quarto e terceiro.

A corrida, com tempo total 32:25.084, foi quase 35 segundos mais rápida do que a corrida de 2023 (33:00.945), com uma melhoria média por volta de quase 2 segundos.

Jose Antonio Rueda (Red Bull KTM Ajo/KTM), com pneus SC2 dianteiros e traseiros, estabeleceu o novo recorde de volta da corrida com um tempo de 1:46,748s na penúltima das 18 voltas totais, batendo o recorde anterior em quase 1,5 segundos que tinha sido estabelecido por Darryn Binder em 2021 (1:48,209s). No total, 17 pilotos ficaram abaixo do anterior recorde de voltas em pista.


andardemoto.pt @ 27-5-2024 10:08:39 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP