Johan Pereira

Johan Pereira

Motociclista, peregrino da liberdade.

OPINIÃO

De Portugal à Finlândia - 2º e 3º dia

À medida que o segundo dia amanhecia, a promessa de redenção e novas experiências pairava no ar, após um primeiro dia recheado de imprevistos.

andardemoto.pt @ 15-4-2024 09:30:00 - Johan Pereira

Segundo dia de viagem

A nossa saída do hotel Íbis, embora marcada por uma pontualidade recuperada, foi o prelúdio de uma jornada que se revelaria tão desafiadora quanto enriquecedora, desenhando no horizonte o contorno de uma aventura que testaria, uma vez mais, a nossa resiliência e capacidade de adaptação.

Rumo a Andorra la Vella, as estradas sinuosas e as paisagens que se desdobravam diante de nós evocavam um misto de assombro e introspeção. A passagem pelo território andorrano, já conhecido, mas não menos impressionante, serviu de pano de fundo para momentos de partilha e admiração mútua entre mim e o meu pai (Sr. João da escola de condução). A paragem na Motocard, onde a compra de um par de luvas de inverno acabou por ser um equívoco de tamanho, não diminuiu o nosso ânimo, mas adicionou uma pitada de humor à nossa narrativa.


A decisão de ativar o modo avião, embora prudente à luz de experiências passadas com taxas de roaming exorbitantes, trouxe consigo um desafio inesperado: a perda momentânea um do outro, um lembrete das vulnerabilidades inerentes à nossa dependência da tecnologia. O reencontro, após quarenta minutos de desencontros, reforçou a nossa determinação e o valor da comunicação e do trabalho em equipa.

A tentativa de prosseguir em direção a França foi marcada por um equívoco do GPS, que, em um capricho quase cómico, insistia em nos redirecionar para Espanha. A nossa persistência, no entanto, não conhecia fronteiras, literal e figurativamente, e a nossa entrada em solo francês, embora tardia, marcou o início de uma nova etapa da jornada.

A escolha pragmática pela autoestrada, visando economizar tempo e energia, levou-nos a Avignon, uma decisão que, apesar de lógica, preparou o cenário para o desfecho do dia. O alojamento no hotel F1, embora menos que ideal, foi um lembrete de que, em uma aventura, são as experiências compartilhadas e os desafios superados que forjam as memórias mais duradouras.

Este segundo dia, com todas as suas vicissitudes, reafirmou a nossa paixão pela aventura e a nossa capacidade de encontrar alegria e aprendizagem em cada momento, mesmo aqueles menos perfeitos. E assim, com espíritos indomáveis e corações abertos ao que viria, preparámo-nos para os dias que nos aguardavam, certos de que cada desafio era apenas um convite para crescermos ainda mais.


Terceiro dia de viagem

O terceiro dia despontava e nós abandonávamos o hotel F1 de Avignon, cujo único resquício de encanto residia no pequeno-almoço, surpreendentemente aceitável. Esta manhã, apesar do arranque menos encantador, prometia um itinerário repleto de novas descobertas e desafios igualmente estimulantes. Uma breve paragem na lendária Ponte de Avignon reacendeu memórias da infância, invocando a voz da minha mãe a cantarolar a velha canção, adicionando uma camada de nostalgia à nossa odisseia.

Com os corações a bater na expectativa do que o Mónaco nos reservaria, vimo-nos rapidamente envolvidos num turbilhão inesperado. A presença de uma competição transformou o pequeno principado numa autêntica fortaleza, com um policiamento intenso e uma procura por estacionamento que se revelou um desafio quase hercúleo. A nossa tentativa de captar a essência de Mónaco ficou-se por uma fotografia apressada numa rotunda obscura, diante de uma escultura cuja identidade permanece um enigma.


Mal poderíamos imaginar que a nossa breve incursão pelo Mónaco era apenas o prelúdio para desafios ainda mais audazes. Ao entrarmos em território italiano, as autoestradas estreitas, dominadas por camiões, testaram os limites da valentia e habilidade do meu pai. Um momento de tenção palpável ocorreu quando uma manobra de ultrapassagem quase culminou numa situação complicada, um lembrete pungente da fragilidade da nossa existência e da importância imperativa da prudência.

À medida que nos aproximávamos de Finale Ligure, os obstáculos só se avolumavam. A autoestrada encontrava-se parcialmente em obras, reduzida a uma única faixa disponível, introduzindo um novo nível de perigo à nossa viagem. Um incidente arrepiante, provocado pela entrada abrupta de um veículo na autoestrada, quase resultou em catástrofe. Num instante de fervor, a fúria tomou conta de mim, impelindo-me a considerar uma retaliação impensada. Contudo, a razão prevaleceu, e seguimos viagem com renovada cautela.

Ao chegarmos ao parque de campismo Del Mulino, o dia culminou numa simplicidade desarmante, com um jantar de massa com atum a substituir os rissóis e croquetes já consumidos.

O dia terminou, não com grandiosas aventuras, mas com a satisfação de termos superado mais um dia de desafios inesperados, reforçando a nossa união e determinação.

andardemoto.pt @ 15-4-2024 09:30:00 - Johan Pereira


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões