Teste Moto Guzzi V7 Stone - Eterna Nostalgia

O aspeto clássico e nostálgico une-se a alguma tecnologia para criar uma clássica moderna mais eficaz. A nova Moto Guzzi V7 Stone não desilude.

andardemoto.pt @ 22-8-2021 10:00:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Moto Guzzi V7 Stone | Moto | V7

Por mais moderna que seja, uma clássica moderna tem de contar sempre com o lado mais nostálgico e que leva os motociclistas a recordarem os bons velhos tempos dos modelos originais.

Mais de 50 anos depois do lançamento da primeira geração da icónica V7, a Moto Guzzi continua a reinventar o conceito deste modelo, e a mais recente V7 Stone mantém essa nostalgia, mas alia-a a elementos mais modernos e até a alguma tecnologia, tornando-se assim numa moto bem interessante.

A maior novidade é o seu motor. Mantém-se um motor V-twin em posição transversal, com uma cilindrada que sobe para os 853 cc, e com isso vê a potência subir nada menos do que 25% em comparação com a anterior V7 III. Assim, a Moto Guzzi anuncia uma potência máxima de 65 cv às 6.800 rpm (também disponível versão limitada a 35 kW) enquanto o binário cresce para os 73 Nm às 5.000 rpm.


Neste motor bicilíndrico italiano encontramos no seu interior uma cambota que foi trabalhada para reduzir o conhecido efeito que sentimos quando aceleramos e a moto abana de um lado para o outro. A cambota reequilibrada mantém um pouco dessa característica, embora agora se sinta menos a moto a abanar.

Com 65 cv de potência, não podemos dizer que a nova V7 Stone é um portento. Mas a verdade é que assim que nos sentamos no assento a 780 mm de altura do solo e aceleramos estrada fora, é notório que o bicilíndrico em V apresenta uma entrega de potência mais imediata, particularmente notória a partir das 3.500 rpm, embora isso esteja agora acompanhado de maior quantidade de vibrações que passam para o condutor através do guiador, elevado e bem posicionado.

Até nos aproximarmos das 5.000 rpm, o motor vai mantendo um fulgor interessante para uma moto deste tipo, e cada rodar de punho direito resulta num momento de aceleração em que sentimos a entrega do binário de forma mais contundente. Não é uma moto para grandes correrias, e a caixa de velocidades, com as cinco primeiras relações bem escalonadas e engrenagem precisa, requer passagens de caixa mais tranquilas para que tudo engrene bem.


A 6ª relação existe apenas como “overdrive”, para usar em estrada mais aberta. Caso o condutor queira ser mais agressivo, existe uma grande probabilidade da relação não engrenar convenientemente ou encontrarmos ponto-morto. E também de acionar o controlo de tração (pode ser desligado), que se revelou bastante intrusivo mesmo em piso seco.

O quadro mantém-se praticamente intocado em comparação com a geração anterior. A estrutura tubular continua a apresentar uma enorme flexibilidade torsional, o que resulta numa condução plena de sensações, enquanto a direção se mantém estável e firme na trajetória definida à entrada da curva.

Convém ter algum cuidado com os ângulos de inclinação, pois a altura dos poisa-pés ao asfalto é reduzida, e se adotarmos um estilo de condução agressivo, rapidamente estamos a desgastar não só os poisa-pés como também as proteções dos coletores de escape.



No eixo traseiro brilha um novo braço oscilante. De dimensões mais generosas e mais reforçado, serve de apoio a dois amortecedores que também crescem em dimensões, particularmente ao nível do curso. Em condução, isto significa que a nova V7 Stone se revela mais complacente com as irregularidades do asfalto, o que permite desfrutar de uma condução confortável.

Até porque o assento com um acabamento aveludado é bem almofadado e de cor contrastante com o conjunto garante uma imagem bem nostálgica.

A V7 Stone entra em curva com bastante facilidade, e agora com a ajuda da potência extra, temos também a capacidade de acelerar mais rapidamente na saída da curva. Convém ter em atenção alguma instabilidade provocada pelo acelerador de tato mais direto do que o desejável, particularmente nos primeiros momentos do seu curso.

O ideal será o condutor ser mais progressivo na forma como roda o punho direito, e assim que sente o motor V-twin italiano ganhar velocidade, então sim, acelerar de forma mais contundente.


Com 218 kg de peso a cheio, a Moto Guzzi V7 Stone não é propriamente uma moto leve. Para extrair dela o seu máximo potencial será necessário esforçarmo-nos um pouco mais do que o habitual. Particularmente nas trocas de direção.

Não só as suspensões de afinação mais suave têm de trabalhar arduamente para aguentar as transferências de massas de um lado para o outro, como também a jante dianteira de 18 polegadas torna a direção um pouco menos rápida de reações. Por outro lado, e contando com uma generosa distância entre eixos, a estabilidade em linha reta é exemplar.

A travagem é exatamente aquilo que esperamos encontrar numa clássica moderna. Um disco em cada eixo, com 320 mm à frente e 260 mm na traseira, pinças Brembo para uma mordida mais forte e consistente, e ABS para ajudar a digerir a falta de aderência. Ao nível da travagem não há muito a dizer da V7 Stone.

Funciona tudo como deve funcionar, a potência de travagem disponível é suficiente para uma moto que não está pensada para alta velocidade, e acima de tudo essa potência é disponibilizada de forma bastante progressiva, mas sem oferecer um tato esponjoso na manete.


Não posso também deixar de referir, e porque estamos perante uma clássica moderna, que a V7 Stone dá uso a um sistema de iluminação LED, onde se destaca o efeito bem conseguido da luz diurna bem a meio da ótica dianteira.

Mais acima, o painel de instrumentos totalmente digital inclui boa quantidade de informação, e que está facilmente visível, mesmo quando a luminosidade exterior é intensa.


Veredicto Moto Guzzi V7 Stone


Num segmento recheado de muitas propostas dos mais variados fabricantes, a Moto Guzzi continua a ter na nostálgica V7 Stone uma opção sólida, bem construída, com detalhes interessantes como o acabamento das aletas do motor ou o depósito de combustível esguio e com laterais perfeitas para encaixar as pernas.

O novo motor Euro5 mostra-se bem-adaptado às necessidades da V7 Stone. Enérgico “q.b.”, contido nos consumos, fiável, e com um caráter que não deixa ninguém indiferente.

Esta confortável italiana está cada vez melhor, bem equipada para o patamar de preço a que está disponível nos concessionários, e mesmo a versão base Stone que aqui testamos permite uma personalização ao gosto de cada cliente.

Neste teste utilizámos os seguintes equipamentos de proteção:


Capacete - SMK Retro

Blusão - REV'IT! Hoody Stealth

Calças - REV'IT! Orlando H2O

Luvas - Furygan Spencer D3O

Botas - TCX X-Blend WP

Galeria de fotos Moto Guzzi V7 Stone

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Moto Guzzi V7 Stone | Moto | V7

andardemoto.pt @ 22-8-2021 10:00:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives