Frente-a-frente Capacetes: Shoei Neotech 2 / Schuberth C4 Pro

Dois capacetes modulares topo de gama, testados e analisados ao pormenor.

andardemoto.pt @ 2-3-2019 19:16:39 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira

A guerra pelos maiores níveis de segurança e conforto está cada vez mais acesa, e estes dois novos capacetes modulares topo de gama, que lideram as preferências do mercado, são disso um bom exemplo.

Grandes distâncias e condições climatéricas desfavoráveis são apenas dois dos factores que levam muitos motociclistas a investir no que de melhor a tecnologia tem para oferecer, de forma a garantir tanto a sua integridade física, em caso de acidente, como a redução da fadiga, cujo excesso pode aumentar as probabilidades de risco.

E tanto a Shoei como a Schuberth apresentaram recentemente dois novos modelos que estão precisamente destinados a este tipo de clientela.

A Shoei, com o seu novo Neotech 2, deu um passo importante para manter a sua quota de mercado e fidelizar a sua clientela, subindo a fasquia para níveis bastante elevados, e que igualavam, ou até em alguns casos superaram, os elevados padrões da Schuberth, mais concretamente no que dizia respeito ao modelo C4.

Na altura tivemos oportunidade de fazer um trabalho que elucidava sobre as diferenças entre a primeira versão do Neotech, e a sua versão mais recente, o Neotech 2, que pode ver se clicar aqui.

Mas a Schuberth não ficou sentada, e acaba de lançar no nosso mercado a evolução do capacete C4: o C4 Pro.

Aparentemente muito semelhante ao seu antecessor, pelo menos à primeira vista, o C4 Pro encerra a solução de alguns problemas apontados à versão anterior pelos seus clientes e utilizadores, mas sem desvirtuar a excelência do design assinado pela Kiska Design. Por isso, no exterior, apenas o botão do mecanismo de abertura da viseira solar e as tampas dos compartimentos de escamoteamento do intercomunicador e respectiva bateria foram alterados para favorecerem a aerodinâmica e contribuírem para a redução do nível de ruído.

Já no interior, muitos foram os pontos revistos. A calota de EPS foi redesenhada, tornando-se menos redonda, para anular alguns pontos de pressão. Com o mesmo objectivo, os encaixes dos altifalantes foram rebaixados, sendo que os próprios são agora menos volumosos, libertando espaço para aliviar a compressão das orelhas.

Os forros interiores são agora em tecido Coolmax e, para melhorar a insonorização, o colar cervical foi substancialmente alterado, garantindo uma melhor vedação ao nível do pescoço. A fita do sistema de retenção recebeu, nesta actualização, um forro novo que melhora substancialmente o conforto. O ventilador superior também viu o seu desenho revisto e possui agora uma rede que impede a entrada de insectos.

O sistema de comunicação também foi actualizado, sendo agora mais eficaz, oferecendo uma qualidade de áudio superior. Nos primeiros modelos do C4 houve alguns problemas com a lente anti-embaciamento, situação que foi resolvida com a adopção de material da marca Pinlock.

Frente-a-frente


Tanto o Shoei Neotec 2 como o Schuberth C4 Pro são capacetes modulares referenciais. A grande diferença regista-se sobretudo no seu formato, pelo que os motociclistas com a cabeça mais oval encontram no Shoei uma escolha mais adequada, enquanto que aqueles com um formato de cabeça mais redondo terão tendência para preferir o Schuberth C4 Pro. Isto em princípio. 

O Shoei tem um aspecto impressionante, com uma pintura de elevada qualidade que lhe confere um aspecto robusto e sólido. Por seu lado o Schuberth tem um design moderno e futurista, afigurando-se muito mais pequeno e compacto. Em termos de peso, o Shoei registou na balança 1.713g, enquanto que o Schuberth se ficou pelas 1.678g.

No entanto, o Schuberth conta com pré-instalação do sistema de intercomunicação, tendo já instalados os altifalantes, o microfone, a antena e os respectivos cabos de ligação. 

Com o sistema de intercomunicação completo instalado, o C4 Pro sofre um incremento de 50g, enquanto que o sistema de intercom do Neotech 2 representa um incremento de cerca de 150g no peso total, criando um diferença de peso significativa entre os dois modelos, com vantagem para o Schuberth.

Ambos possuem um sistema de retenção com fecho micrométrico, sendo o do Shoei em aço inox, e o do Schuberth em policarbonato.

O Shoei tem um aspecto impressionante, com uma pintura de elevada qualidade que lhe confere um aspecto robusto e sólido.

O Shoei tem um aspecto impressionante, com uma pintura de elevada qualidade que lhe confere um aspecto robusto e sólido.

Calota


Ambos os capacetes possuem um desenho cuidado, desenvolvido com recurso a túnel de vento, garantindo um excelente desempenho aerodinâmico que se revela sobretudo em termos de estabilidade a alta velocidade. Os modelos testados, ambos de tamanho L, apresentam uma largura (260mm) e uma altura (265mm) semelhantes, sendo o Shoei mais oblongo (365mm) do que o Schuberth (340mm).

O Shoei é fabricado em fibra de vidro compósita, que incorpora fibras vegetais, e é produzido em 4 tamanhos diferentes de calotas consoante as medidas, enquanto que o Schuberth é integralmente fabricado em fibra de vidro, e divide todas as medidas por apenas 2 tamanhos de calota.

O sistema de abertura da queixeira, e respectivo mecanismo de fecho, funcionam de forma muito similar, mas o Shoei possui um sistema de travão, que impede que a queixeira se feche inadvertidamente, pelo que beneficia de homologação P/J para poder circular aberto. 

A calota interior de ambos os capacetes conjuga componentes de diferentes densidades para garantir uma eficaz absorção em caso de impacto. No caso do Schuberth, existem canais específicos e reguláveis para as hastes dos óculos.


Viseira


Um dos elementos mais importantes de um capacete é a viseira. Neste caso, a importância da sua qualidade óptica é fundamental, sobretudo em longas viagens, e mais ainda em condução nocturna. Ambos os capacetes apresentam especificações elevadas neste domínio, e ambas as viseiras são passíveis de serem complementadas com lentes anti-embaciamento Pinlock, fornecidas em conjunto. 

No entanto, o Pinlock Evo da Shoei, cujas características são semelhantes ao Pinlock 120 fornecido pela Schuberth, é apenas e inacreditavelmente destinado a uma utilização diurna, o que revela que a viseira terá uma qualidade óptica inferior.

Em termos de campo de visão, a vantagem vai para a Schuberth, já que o C4 Pro apresenta uma viseira com a mesma largura da do Shoei, mas cerca de 1 centímetro mais alta, facto que favorece a posição de condução desportiva, e uma melhor visão do painel de instrumentos em posição mais turística.

Em ambos os casos, a montagem e desmontagem da viseira implica uma operação fácil e rápida.

Ambos os capacetes estão equipados com viseira solar interior, escamoteável e substituível, de elevadas especificações ópticas, com mecanismos de regulação muito acessíveis à mão esquerda. O mecanismo do C4 Pro apresenta um travão para definir a extensão máxima, e a marca disponibiliza lentes opcionais de diversas tonalidades.

O Schuberth tem um design moderno e futurista, afigurando-se muito mais pequeno e compacto.

O Schuberth tem um design moderno e futurista, afigurando-se muito mais pequeno e compacto.

Forros Interiores


É neste capítulo que a Schuberth se destaca da concorrência. Os tecidos Coolmax são sinónimo de um conforto elevado, sendo anti-bacterianos e extremamente eficazes a evaporar a transpiração, apresentando-se sempre muito agradáveis ao toque.

A sua envolvência aveludada chega mesmo à fita do sistema de retenção. Isentos de costuras, apresentam o mesma técnica “seamless” da versão anterior, que os torna mais fáceis de limpar, com a vantagem de não terem sobreposição de tecidos, contribuindo assim para um contacto perfeito e homogéneo de todo o forro com o crânio.

O forro interior do Shoei revela um acabamento cuidado, com costuras perfeitas, que esconde uma estrutura tridimensional com almofadas de múltiplas camadas que é muito fácil de remover para lavagem. Apesar de confortável, e de aspecto bastante resistente, não confere o nível de conforto do C4 Pro.

Por seu lado a operação de remoção dos forros do Schuberth é bastante mais complicada e demorada, facto que se prende sobretudo com as correias interiores do sistema anti rolamento (AROS) que impede que, em caso de impacto, o Schuberth C4 Pro rode na cabeça mais de 20 graus, sendo que o máximo permitido pelos testes de homologação é de 30 graus, para impedir lesões graves nas clavículas ou no peito.

Ventilação


Uma funcionalidade importante nos dias de calor, imprescindível para promover conforto, é a ventilação.

Tanto o Shoei como o Schuberth possuem sistemas bastante eficazes, que permitem fazer a evaporação da transpiração, e assim manter as cabeças frescas. Cada um deles aborda o tema de forma diferente.

Apesar de ambos contarem com duas entradas de ar frontais, uma para a cara e outra para o topo da cabeça, no Shoei a exaustão é feita tanto pela frente, por duas saídas colocadas ao lado da entrada de ar, como por uma abertura traseira, colocada abaixo do pequeno estabilizador aerodinâmico.

No Schuberth, o ar recolhido pela entrada frontal circula a toda a volta da cabeça, sendo expelido já na zona da nuca, no remate da calota. Em ambos os sistemas o ar é canalizado através da calota interior de EPS. As entradas têm regulação de fluxo, e a sua manipulação é fácil, mesmo com luvas grossas calçadas.

Na prática ambas as soluções se revelam bastante eficazes e silenciosas.


Intercomunicador


Ambos os capacetes podem ser equipados com sistemas de intercomunicação específicos. Ambos desenhados pela Sena, apresentam funcionalidades e especificações semelhantes.

Rádio FM, redução de ruído, Bluetooth 4.1, Music Sharing e comandos de voz são algumas das funcionalidades comuns.

O SC1 da Schuberth promete 14 horas de autonomia, contra apenas 10 horas do SRL da Shoei, que em contrapartida anuncia comunicação até 1,6 quilómetros de distância e comunicação de 8 vias, contra apenas 1 quilómetro reclamado pelo da Schuberth que efectua comunicação por apenas 4 vias. 

Ambos podem ser ligados a controlos remotos sem fio, opcionais, que podem ser instalados no guiador da moto.O preço base de ambos os sistemas ronda os 300 euros de P.V.P.


Resumo Final


Não há dúvida que, ao adquirir qualquer um destes capacetes, é impossível fazer uma má escolha. 

Sob todos os aspectos, tanto o Shoei Neotech 2 como o Schuberth C4 Pro são equipamentos “premium”, e a morfologia dos diversos crânios dita uma experiência mais ou menos confortável, pelo que é importante, no momento da escolha, avaliar como cada um deles assenta na sua cabeça.

Temos vários conselhos para a escolha de um capacete, num artigo publicado anteriormente, que pode encontrar se clicar aqui.

Em termos de garantia, o Shoei oferece um período de 5 anos. A Schuberth oferece uma garantia de 2 anos, mas através de registo no site oficial, pode estender a validade por um período de 5 anos (saiba como, clique aqui), e beneficiar ainda de, em caso de acidente, poder substituí-lo por outro, idêntico, por um valor equivalente a um terço do preço de mercado recomendado.

Veja ambos os capacetes em detalhe, nas galerias de imagens abaixo:



Shoei Neotech 2

Schuberth C4 Pro

andardemoto.pt @ 2-3-2019 19:16:39 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: ToZé Canaveira