Tudo o que deve saber sobre um capacete

É a principal protecção do condutor de motos e ciclomotores, em caso de acidente. Saiba qual é a escolha acertada.

andardemoto.pt @ 8-10-2012 17:35:15

O capacete é a principal protecção do condutor de motos e ciclomotores, em caso de acidente. Em Portugal, o uso de capacete é obrigatório. Mas nem todos os capacetes são homologados para a condução. Ao mesmo tempo que a escolha do capacete é de extrema importância, também a sua manutenção e uso devem ser considerados pelos seus proprietários.

É necessário que o capacete que vai adquirir o proteja realmente em caso de acidente. É por isso que há tantas exigências em relação à qualidade e eficácia dos capacetes para motociclistas. Um capacete caro não é necessariamente mais seguro que um capacete de preço médio, mas um capacete muito barato, não oferece nunca os mesmos níveis de segurança de um capacete de preço médio, assim como um capacete de fibra, aninda que compósito com carbono, pode não ser necessariamente mais resistente ao impacto que um capacete em policarbonato. No entanto, ambos são sempre mais resistentes do que aqueles fabricados em ABS.

Como escolher o modelo certo?

Procure, antes de mais, a etiqueta que certifica a homologação. Esta etiqueta comprova que o capacete está de acordo com as normas de segurança, que foi submetido com sucesso aos testes de laboratório que reproduzem aquilo que pode acontecer num acidente (choques em diversos locais, resistência à ruptura da presilha da jugular, etc.) e que o seu fabrico está sob controlo permanente.

Note que a única homologação permitida por lei em Portugal é a ECE 22. A mais recente revisão é a ECE 22 05. Existem outras normas internacionais como a Americana DOT e SNELL, a Japonesa JIS, a Australiana AS e a NBR do Brasil, embora não reconhecidas ou válidas na Europa. 

Em seguida, experimente-o. O capacete deve ser do seu tamanho exacto. Se usar óculos, deve experimentar o capacete com eles. O capacete deve ser cómodo e quando abana a cabeça este não deve mover-se. Deve senti-lo justo, ao mesmo tempo que não deve sentir muita resistência ao tirá-lo. Mantenha-o na cabeça durante pelo menos 10 minutos, e certifique-se que não existem pontos de pressão. 

Nunca parta para uma viagem longa com um capacete a estrear! Use-o uns dias antes para ter a certeza que ele não vai causar qualquer tipo de transtorno. Se optar por viseiras escuras, fique a saber que a circulação nocturna não é permitida!

Um capacete desportivo difere de um capacete turístico sobretudo por estar preparado para uma posição de condução diferente. As entradas de ar do sistema de ventilação podem não funcionar tão bem numa posição de condução mais elevada, e o inverso também é verdade.


Quando trocá-lo?

Limpe a viseira regularmente de ambos os lados. Use água, sabonete ou detergente suave, líquidos, e os dedos para eliminar gorduras e outros detritos. Depois passe por agua corrente e não o seque. Deixe apenas escorrer as gotas. Para remover mosquitos secos, aplique guardanapos de papel molhados sobre a viseira, e aguarde uns minutos para que saiam mais facilmente. Evita ter de os raspar e consequentemente correr o risco de riscar a viseira. Nunca utilize produtos abrasivos como pasta dentífrica ou massa de polir!

No caso dos forros interiores destacáveis, nunca os lave na máquina. Demolhe-os numa solução de detergente da roupa, enxague-os algumas vezes, e não os esprema. Deixe-os secar ao ar.

Uma vulgar queda ao chão, quando manuseado, não afecta minimamente o capacete (talvez apenas a estética se ficar riscado), já que o interior em EPS (vulgo esferovite) não é comprimido, mantendo as suas características de absorção de impacto.

Não pinte o seu capacete nem o enfeite com autocolantes. Os resíduos da cola podem deteriorar o material da calota. Pela mesma razão não o limpe com gasolina ou solvente, e não o guarde em cima do depósito de combustível da moto. Os vapores da gasolina afectam gravemente os materiais, nomeadamente a calota interior de EPS.
Não fure o seu capacete para acrescentar uma viseira ou para passar a fios de sistemas de som. Nunca utilize parafusos. Em caso de choque, estes transformam-se em verdadeiras lanças.
Substitua o seu capacete após qualquer acidente, mesmo que, aparentemente, ele não apresente qualquer deformação. Mesmo sem sofrer nenhum tipo de acidente com o capacete, deverá trocá-lo de 5 em 5 anos, uma vez que os materiais usados no seu fabrico irão perder a qualidade com o tempo. 

Como utilizá-lo?

O primeiro cuidado que deve ter é colocá-lo correctamente. A parte superior da viseira deve estar à altura das sobrancelhas. Esta posição protege-o de choques frontais e permite-lhe levantar a cabeça sem que a parte de trás do capacete bloqueie o seu pescoço.

Afivele sempre o capacete, mesmo para curtas distâncias. Um capacete não afivelado não serve para nada. Ao menor choque, ele sairá da cabeça e deixará de servir o seu propósito.

Não circule com a viseira aberta. Mesmo com óculos, poeiras e insectos podem colidir com os seus olhos!

Atenção! Se deparar com um motociclista que tenha sofrido um acidente, convém ser prudente e não deve tentar retirar-lhe o capacete. Limite-se a afrouxar a fita de segurança e a abrir a viseira durante a espera por socorro.


Tipos de capacetes

Existem vários tipos de capacete, de entre os quais se destacam os modelos Jet (normalmente mais adaptados a um uso mais citadino), os específicos de modalidades (como os de motocross), os modulares, que se parecem com integrais mas que permitem levantar a zona do queixo e a viseira, e finalmente os integrais, os mais vulgares. 

Para cada tipo de capacete existem homologações específicas, e no caso concreto dos modulares, estes podem ter 2 tipos de homologação (P = integral e J=jet). Aqueles que apenas possuem homologação "P", não podem, por lei, circular abertos, e há países europeus em que isso pode constituir contravenção sujeita a multa. 

Se estiver a pensar participar em provas desportivas, fique a saber que os sistemas de aperto rápido não são permitidos, pelo que deve optar pelos menos práticos sistemas de "duplo D", também conhecidos por argolas.

andardemoto.pt @ 8-10-2012 17:35:15