Dakar 2018: Etapa 3 - Sunderland mostrou estofo de vencedor!

Britânico da KTM dominou os acontecimentos na terceira etapa do Rali Dakar e está de regresso à liderança.

andardemoto.pt @ 8-1-2018 18:23:05

Sam Sunderland atacou nas dunas e venceu o dia!

Sam Sunderland atacou nas dunas e venceu o dia!

Terceiro dia do Rali Dakar 2018, e segunda vitória em etapas para Sam Sunderland, que aos comandos da sua KTM da Red Bull KTM Factory Team, mostrou o porquê de ser o detentor do título do Dakar.

O britânico garantiu a vitória de forma relativamente tranquila depois de percorrer os 296 kms de especial cronometrada mais rápido que todos os outros, e o tempo conquistado aos principais adversários permite que Sunderland esteja de novo no topo da classificação Geral das motos. Ainda assim, o piloto da KTM garante que nem tudo foi fácil na ligação entre Pisco e San Juan de Marcona:

“Foi bom. No primeiro ‘loop’ senti-me realmente forte, mas depois o segundo ‘loop’ tinha locais um pouco complicados. Falhei uma descida nas dunas e tive uma queda, que foi um pouco assustadora. Mas hoje tentei dar tudo, esse era o meu plano. Cometi alguns erros, e foi deveras difícil andar sempre a entrar e sair das marcas de ontem que deixámos no terreno. Foi mesmo muito confuso, e foi necessário estar sempre atento ao percurso e ao road-book. Mas foi um dia bom. A moto esteve bem e estamos a salvo por mais um dia”, comentou o piloto após a terceira etapa.

Kevin Benavides é agora o melhor piloto Honda em 2º na Geral

Kevin Benavides é agora o melhor piloto Honda em 2º na Geral

No segundo lugar do dia ficou o argentino Kevin Benavides, Monster Energy Honda Team, que aproveitou da melhor forma o facto do seu “chefe de fila” Joan Barreda ter passado por muitas dificuldades (ler mais à frente), e chegou ao fim do dia como o melhor piloto da marca nipónica. Benavides chegou ao final da especial cronometrada com pouco mais de 3 minutos de atraso para Sunderland, enquanto outra KTM oficial, a do australiano Toby Price, foi a terceira mais rápida de hoje com 3m28s de diferença para Sam Sunderland.

Quem teve um dia para esquecer foi o espanhol voador Joan Barreda, que arrancou para a etapa de hoje como líder, mas devido a um erro de navegação, já no final da etapa e que o obrigou a voltar atrás cerca de bem mais de 30 kms para encontrar o “waypoint” que faltava, não foi além do 30º melhor tempo da etapa, a 27m49s de Sam Sunderland. Barreda perde não só a liderança, mas pior que isso, deixa os adversários escapar na classificação Geral, e o próprio piloto da Honda admite que mesmo não cometendo mais erros, será muito difícil recuperar a diferença até ao final do Rali Dakar:

“Foi um pouco confuso abrir a pista com as linhas de ontem. Finalmente, falhei um ‘waypoint’ e tive de andar para trás 15 kms. E depois outros 30 kms mais. Perdi muito tempo, mas por vezes é assim quando abrimos a pista. É perigoso e hoje cometi um grande erro, e não posso cometer mais erros. Veremos, mas com certeza não será fácil recuperar este tempo. É muito tempo, mas o Dakar é longo”, disse Joan Barreda na chegada a San Juan de Marcona.
Barreda, com o dia menos positivo, desce de primeiro na Geral para 15º, a 22m45s de distância para o novo líder, Sam Sunderland.


Pablo Quintanilla e a Husqvarna em grande estilo a voar para a foto

Pablo Quintanilla e a Husqvarna em grande estilo a voar para a foto

Na Geral das motos o segundo posto é ocupado actualmente por Kevin Benavides, a 4m38s. Já o chileno Pablo Quintanilla, em Husqvarna, e sem dar muitos nas vistas ao longo destas três primeiras etapas do Dakar, vai mantendo o contacto com o topo da classificação. Quintanilla segue em 3º, a cinco minutos de diferença de Sam Sunderland.

Quem também teve um dia para esquecer foi a equipa Yamaha. Adrien Van Beveren perdeu mais de 13 minutos para Sam Sunderland, e desceu para 7º na Geral, a 10m37s do novo líder. Xavier de Soultrait fez um pouco melhor, perdeu cerca de 12 minutos e está em 11º na Geral, sendo que o melhor das Yamaha de hoje, o argentino Franco Caimi, perdeu 11 minutos na etapa e está agora em 10º na Geral das motos.

Quanto ao português Fausto Mota, KTM, o piloto continua em prova e vai levando de forma solitária as cores da bandeira portuguesa com o objectivo de chegar ao final deste Rali Dakar 2018.

Na terceira etapa Fausto Mota terminou em 73º, perdendo mais de 1h30m para Sam Sunderland, tendo sofrido uma penalização de 1 hora. Na Geral, o piloto português segue em 65º lugar.

A quarta etapa realiza-se amanhã 9 de Janeiro.

Com partida e chegada em San Juan de Marcona, na praia, e depois de um sprint que proporcionará momentos verdadeiramente espectaculares, os pilotos das motos irão enfrentar novamente muitas dunas, pois o dia será composto por aquela que é a secção de areia de maior distância do Dakar, com mais de 100 kms de extensão!

No total serão percorridos 114 kms em ligação, com a especial cronometrada a ter uma extensão de 330 kms. Dunas para todos os gostos e feitios serão o principal adversário, obrigando a muita atenção para evitar quedas graves mas, principalmente, para que os pilotos não se desviem do percurso. No final do dia a dificuldade será encontrar o desfiladeiro que levará os pilotos até ao final, e ao merecido descanso.

O português Fausto Mota mantém-se em prova e sem problemas de maior na sua KTM

O português Fausto Mota mantém-se em prova e sem problemas de maior na sua KTM


Veja o vídeo de resumo da etapa 3 do Dakar 2018

andardemoto.pt @ 8-1-2018 18:23:05


Clique aqui para ver mais sobre: Rali Dakar 2018