MotoGP – Dovizioso confirma que a Ducati está a usar um sistema “holeshot”

Pela primeira vez alguém dentro da Ducati Corse fala sobre o misterioso mecanismo instalado nas Desmosedici GP19 da Mission Winnow Ducati. Andrea Dovizioso mostra-se satisfeito por poder contar com o “holeshot”.

andardemoto.pt @ 18-4-2019 15:23:19

Muito se tem falado sobre o polémico “spoiler” inferior que a Ducati Corse criou para utilizar nas suas Desmosedici GP19 em MotoGP esta temporada, e a decisão do Tribunal de Apelo da FIM parece ter acabado com a polémica. Mas, a verdade é que a Ducati aparece nesta temporada de MotoGP com um outro componente misterioso que, de acordo com o piloto Andrea Dovizioso, lhes está a dar vantagem sobre os rivais.

Estamos a falar do que se chama de sistema “holeshot”.

A primeira vez que vimos as Ducati com este sistema foi durante os testes de pré-temporada de MotoGP em Sepang, e desde o primeiro momento que os fãs e imprensa criaram as mais variadas teorias sobre o que seria a peça colocada na mesa de direção das Desmosedici GP19 da equipa Mission Winnow Ducati.

Um vídeo captado durante esses mesmos testes deixava perceber que, no momento de arranque, as Ducati conseguem alterar a suspensão traseira e com isso arrancar de forma mais eficaz.

Mas da parte da Ducati Corse ninguém confirmou o que realmente se trata, até que Andrea Dovizioso, quando questionado sobre a sua prestação no passado GP das Américas, onde partiu de 13º na grelha de partida e terminou em 4º muito perto de subir ao pódio, finalmente falou abertamente sobre o que agora sabemos ser mesmo um sistema “holeshot”.

Dovizioso diz que “o holeshot da Ducati ajuda. Faz com que arrancar seja mais fácil. Estou muito contente com ele”.


Mas o que faz ao certo o sistema “holeshot” da Ducati Corse em MotoGP?

Ao acionar o sistema no momento do arranque, os pilotos da Ducati fazem com que o amortecedor traseiro se comprima. No momento do arranque, a moto italiana, mesmo sob a força de todo o binário produzido pelo motor V4, mantém-se estável pois a traseira não baixa porque o amortecedor já está comprimido, e a energia produzida pelo motor não é desperdiçada. O resultado é que as Ducati oficiais arrancam de forma mais eficiente, e no Circuito das Américas este foi um dos fatores que permitiu a Andrea Dovizioso fazer uma recuperação que o levou a quase subir ao pódio.

As regras de MotoGP impedem, claramente, a utilização de qualquer mecanismo eletrónico que atue sobre as suspensões das motos. Gigi Dall’Igna, tal como em tantas outras situações ao longo dos anos, conseguiu então encontrar uma solução para ultrapassar este problema e cumprir com as regras e transplantar o mecanismo de “holeshot” usado em motocross para os protótipos de MotoGP, e fê-lo com sucesso, tendo em conta as palavras de Dovizioso.


Mike Leitner, diretor da KTM, em declarações ao website alemão Speedweek, afirma que o que a Ducati e Gigi Dall’Igna fizeram não é uma novidade, a KTM já o tinha testado em 2010, mas a marca austríaca desistiu da ideia porque o “holeshot” atuava sobre a forquilha, e os pilotos não podiam controlar a moto nos momentos imediatamente a seguir ao arranque, e isso seria perigoso em caso de terem de se desviar de um piloto mais lento que estivesse à sua frente.

A solução encontrada por Gigi Dall’Igna foi aplicar a teoria do “holeshot” ao amortecedor traseiro, e assim os pilotos Ducati conseguem controlar a Desmosedici GP19 sem qualquer problema.

O utilizador TheSighBored gravou um vídeo durante os testes de pré-temporada em Sepang. Aos 8m40s podemos ver Andrea Dovizioso a praticar um arranque, e nesse momento é claramente notório que a traseira da Ducati está consideravelmente mais baixa devido à compressão do amortecedor, e que assim que o piloto toca nos travões, o mecanismo “holeshot” é desativado e a traseira volta à sua alura normal, sendo notório um salto da traseira quando a mola se extende.

Para além da KTM em 2010, também o fabricante de suspensões Showa já tentou implementar o “holeshot” nas motos de velocidade. Em 2004 a Showa realizou vários testes com motos do Campeonato Britânico Superbike (BSB). Os pilotos que testaram o mecanismo ficaram entusiasmados com os benefícios, mas a Showa desistiu da ideia afirmando que era muito complicado implementar o “holeshot” neste tipo de motos, provavelmente devido à situação relatada por Mike Leitner, pois a Showa testou um “holeshot” que, tal como no motocross, atuava sobre a forquilha.

Vídeo de TheSighBored onde se vê o sistema "holeshot" da Ducati a ser testado por Andrea Dovizioso

andardemoto.pt @ 18-4-2019 15:23:19