Moto2 – Dunlop desenvolve novo pneu frontal mais largo

A categoria intermédia do Mundial de Velocidade conta desde a corrida do Grande Prémio do Qatar com um novo pneu dianteiro desenvolvido pela Dunlop. Nova construção e novo composto, com o objetivo de melhorar os tempos por volta.

andardemoto.pt @ 6-3-2020 13:39:45

Se há alguma coisa que imediatamente “salta à vista” na categoria Moto2 do Mundial de Velocidade é a extrema competitividade em pista, com diversos pilotos a estarem invariavelmente envolvidos na luta pelas melhores posições, tanto nas qualificações como depois nas corridas.

Para 2020, e tendo como objetivo não só melhorar o espetáculo mas também baixar ainda mais os tempos por volta, os pilotos de Moto2 terão de se habituar a pilotar as suas motos equipadas com um novo pneu dianteiro criado pela Dunlop.

A fornecedora única de pneus para as Moto2 já tinha apresentado um pneu maior em 2019. Mas na temporada passada esse pneu maior era apenas o traseiro. Para este ano, e desenvolvido para trabalhar em conjunto com esse pneu traseiro, a Dunlop apresenta um novo pneu dianteiro de maiores dimensões.

O novo pneu Dunlop para as motos tem a medida de 125/75R17, mais largo, e que substitui o anterior 120/75R17.


Com este novo pneu dianteiro a Dunlop garante que os pilotos de Moto2 poderão sentir maior apoio no momento de travagem, podendo travar ainda mais tarde, e nas curvas em que atingem maiores inclinações vão sentir maior aderência, permitindo assim aumentar a velocidade de passagem em curva, e por outro lado permitir aos pilotos encontrar novos pontos de ultrapassagem em corrida, o que beneficiará o espetáculo para os fãs.

As reações a este novo pneu da Dunlop têm sido bastante positivas, e a marca francesa decidiu por introduzir esta novidade esta temporada depois de um extenso programa de testes e desenvolvimento realizado pelos pilotos Xavier Simeon e Nico Terol.

Para além do pneu dianteiro mais largo, a Dunlop também aproveita a ocasião para apresentar novos compostos.

A partir da primeira prova em solo europeu, os pilotos terão três compostos à escolha entre Macio, Médio e Duro. No entanto, no GP do Qatar, a Dunlop conta com um composto especial denominado Super Macio, que estará disponível para uso no circuito de Losail, tal como o composto Médio.

Esta foi a forma que a Dunlop encontrou para ultrapassar as exigências do circuito qatari. Com mais de 5300 metros de extensão, 10 curvas para a direita e outras 6 para a esquerda, Losail e as suas corridas noturnas colocam desafios extraordinários aos pneus. Nos recentes testes de Moto2 ali realizados, a Dunlop registou temperaturas ambiente de 38 graus de máxima e 18 graus de mínima. Os compostos terão por isso de conseguir responder da mesma forma tendo em conta esta amplitude de temperaturas.


Uma das curvas mais exigentes no Qatar é a longa curva que liga as curvas 10 a 11. É encarada como uma curva única, o que significa que os pilotos trabalham sobre o lado esquerdo do pneu durante mais de meio quilómetro, com temperaturas máximas superiores a 120º C, num circuito em que a maioria das curvas são para a direita. A Dunlop trabalhou no desenho do pneu para reter o calor durante toda a volta, por forma a que os pilotos possam enfrentar este desafio com confiança.

A construção da carcaça do pneu dianteiro Dunlop para as Moto2 foi também modificada para este ano. A marca revela que o pneu conta com tecnologia Jointless Belt (JBL). Esta nova construção elimina o “crescimento” do pneu em aceleração e alta velocidade, o que por sua vez aumenta a estabilidade da moto.

Para além do novo pneu dianteiro, a Dunlop confirma ainda que continua a trabalhar de forma exaustiva no desenvolvimento do pneu traseiro.

A Dunlop está a desenvolver um novo pneu traseiro Super Macio para os GP da Áustria e do Japão, mas é possível que o apresente ainda antes. Em Losail, os pilotos das Moto2 terão a opção de escolher entre uma especificação Média e Média-Dura.

Se nas Moto2 encontramos grandes novidades em termos de pneus disponíveis, nas mais pequenas Moto3 a Dunlop irá manter a mesma estratégia usada em 2019: pneus em compostos Macio e Duro.

Para a temporada de Moto3, a Dunlop continuará a fornecer especificações macias e duras dos pneus dianteiros e traseiros aos 32 pilotos que competirão nas 20 corridas de 2020. As claras diferenças entre ambos os compostos dos pneus obrigam as equipas a tomar decisões estratégicas, o que condimenta ainda mais um dos campeonatos mais disputados dos desportos motorizados.

Gary Purdy, Engenheiro Líder de Apoio em Pista da Dunlop, descreve a atribuição de pneus em Moto3: "Para 2020, decidimos prosseguir com a atribuição de pneus macios e duros, no seguimento de uma resposta extremamente positiva por parte dos pilotos e das equipas em 2019. A atribuição de pneus macios e duros proporcionou mais variação e ultrapassagens ao longo de uma temporada muito competitiva".

andardemoto.pt @ 6-3-2020 13:39:45


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto