Mega Manifestação de Motos - Por melhores condições e menos impostos

Motociclistas de todo o país, rumaram a Lisboa em protesto!

andardemoto.pt @ 4-2-2019 20:40:41 - Fotos: ToZé Canaveira

Foi no passado dia 3 de Fevereiro de 2019, que os motociclistas portugueses saíram para a rua em manifestação. Portugal e os seus governantes parecem continuar sem interesse em querer resolver a questão da mobilidade. Quando é um dado adquirido e comprovado que as motos (e os demais veículos de duas rodas) são uma solução prática e eficaz, (e talvez a única viável) para solucionar o problema da (falta de) mobilidade, reduzindo a poluição, libertando espaço de estacionamento e causando muito menos desgaste nas infraestruturas viárias, sejam urbanas ou não.

No entanto as motos são frequentemente negligenciadas e desacreditadas. Por um lado os lobies e pelo outro o governo, que não consegue ter uma rede viária com pisos que se possam considerar, pelo menos, razoáveis, que não olha para o ensino da condução nem das regras de trânsito, que não faz campanhas de consciencialização para as boas práticas de comportamento no trânsito, que tem as forças de segurança mais ocupadas em tarefas burocráticas do que em patrulhamento, e que cobra mais impostos do que aqueles que seriam necessários se o seu desempenho em zelar pelos interesses públicos fosse, também ele e no mínimo, razoável.


Por isso ontem os motociclistas saíram à rua em manifestação. Vieram até Lisboa, do Porto e do Algarve, em coluna pela A1 e pela A2, e de todo o país, fosse porque caminho fosse, para se juntarem, cerca de 5.000, à volta do obelisco da Praça dos Restauradores.

Aí, os representantes do GAM reiteraram as intenções deste protesto. O deputado Miguel Tiago e o ex-deputado Rodrigo Ribeiro, duas personalidades incontornáveis do mundo das motos, não quiseram deixar de estar presentes e dar o seu apoio a esta causa que só não parece justa a quem estiver realmente com más intenções.

Os motociclistas querem a entrada em vigor de uma classe 5 de portagens, específica para os motociclos, com um preço equivalente a 50% do da classe 1, já que uma moto causa muito menos desgaste nas vias do que os automóveis, e por outro lado circula em muito maior segurança em auto-estrada do que pelas fortemente degradadas estradas nacionais.

Exigem também a revisão do IUC, que taxa motos com 20 anos como se fossem motos novas, sendo que muitas dessas motos pagam mais imposto do que muitos automóveis, que ocupam mais espaço e degradam muito mais as infraestruturas.

As imagens acima ilustram bem como foi!

andardemoto.pt @ 4-2-2019 20:40:41 - Fotos: ToZé Canaveira