EICMA 2019 – Suzuki V-Strom 1050 e V-Strom 1050 XT

A casa de Hamamatsu renovou por completo a sua sport-adventure de grande porte. Em 2020 a V-Strom ganha mais de tudo, com a Suzuki a acreditar que criou uma verdadeira “faz tudo” pronta para partir para a aventura. Fique a conhecer em detalhe as novas V-Strom 1050 e respetiva versão XT.

andardemoto.pt @ 6-11-2019 12:09:36

Conseguir criar uma moto que faz de tudo, e faz bem, não é uma tarefa fácil. Mas a Suzuki acredita que com a versão 2020 da sport-adventure V-Strom 1050 atingiu esse objetivo. A mudança de nome para 1050 é apenas uma das muitas novidades da maior das V-Strom, uma moto que apareceu em inícios dos anos 2000 e transformou-se num estandarte da Suzuki num segmento extremamente concorrido.

O motor bicilíndrico mantém a sua configuração em V a 90º. Com 1037 cc, esta unidade motriz é basicamente uma evolução do que já conhecíamos, e que tão boas provas tem dado ao longo do tempo. A potência sobe para os 107 cv mas que aparecem na sua totalidade 500 rpm acima do que acontecia na anterior V-Strom 1000, enquanto o binário desce para os 100 Nm que aparecem 2000 rpm acima, ou seja, às 6000 rpm.

A Suzuki anunciar que, claro, o motor V2 é compatível com as normas Euro5, e apesar de ser mais eficaz em termos de potência, a V-Strom 1050 mantém o consumo anunciado nos 4,9 litros aos 100 km.

Ao nível dos componentes internos o motor conta com árvores de cames com novo perfil, que alteram a abertura das válvulas e a sua sobreposição. Com esta modificação a Suzuki garante que o motor tem uma resposta mais forte em altas, ao mesmo tempo que a eficiência de combustão é melhorada, o que permite manter os consumos nos mesmos valores de anteriormente.

A refrigeração do motor foi também alvo de importantes modificações. Assim, a V-Strom 1050 conta com um radiador mais potente ao nível do arrefecimento, enquanto o radiador de óleo, agora localizado na zona do filtro de óleo para manter o motor o mais compacto possível, garante melhor lubrificação dos componentes internos do motor mais potente.

A V-Strom 1050 conta com seletor de modos de condução (A, B, ou C), que alteram não apenas a forma como o acelerador eletrónico, também ele renovado e mais leve, reage aos nossos desejos. Estes modos de condução interagem automaticamente com o sistema de controlo de tração, adaptando esta ajuda à condução conforme o modo de condução selecionado.

Temos três modos de controlo de tração à disposição, que podem ser ajustados através dos controlos no punho esquerdo, e que alteram a rapidez e nível de intervenção do controlo de tração, sendo modo 1 mais permissivo para condução desportiva, enquanto o modo 3 é ideal para pisos escorregadios. A Suzuki permite ainda que o condutor desligue o controlo de tração.

Para quem conduzir a V-Strom 1050 frequentemente a baixas velocidades, a boa notícia é que o sistema de ajuda em baixas rotações (Low RPM) está de volta. Com este sistema a eletrónica automaticamente aumenta o regime do motor sempre que estamos a conduzir a baixas velocidades, o que facilita nos momentos de arranque ou condução em cidade no meio do trânsito.

Para além disso temos ainda o Suzuki Easy Start em que apenas com um breve toque no botão de arranque o motor V2 ganha vida e não necessitamos de pressionar o botão até os cilindros começarem a mover-se para cima e para baixo, e o Suzuki Assist Clutch System (SACS) garante que a embraiagem é leve de acionar e ao mesmo tempo tem a função deslizante para garantir reduções de caixa mais suaves.

Para suportar o motor e todas as exigências de uma condução que muitas vezes pode ser fora de estrada, a Suzuki continua a apostar no seu quadro dupla trave com dimensões compactas para facilitar chegar com os pés ao solo. Além disso, a geometria deste chassis garante estabilidade em linha reta, uma entrada em curva suave, rigidez para suportar o peso de passageiro e malas, e permite à V-Strom 1050 oferecer uma tração superior.

O amortecimento dos impactos na V-Strom 1050 fica a cargo de suspensões fornecidas pela Kayaba, uma forquilha com bainhas de 43 mm e que permite ajuste de pré-carga, compressão e extensão, enquanto na traseira o monoamortecedor fixo a uma biela inferior permite ajustar a pré-carga através de um manípulo que evita uso de ferramentas, e ainda podemos afinar a extensão.

As jantes da V-Strom 1050 são de alumínio fundido e de 10 braços, e estão agora cobertas por pneus Bridgestone Battlax Adventure A41.


Para garantir que o condutor tem um controlo mais efetivo da direção e do comportamento da moto, a Suzuki instala um novo guiador, de alumínio, que no caso da V-Strom 1050 é 368 gramas mais leve do que a versão anterior. Ainda ao nível dos controlos desta sport-adventure japonesa, destacam-se os novos poisa-pés, mais largos e mais aderentes para uma condução fora de estrada com confiança de que as botas não vão escorregar para fora dos poisa-pés.

O painel de instrumentos totalmente LCD garante que o condutor recebe muito mais informação sobre o estado da V-Strom do que até agora. A Suzuki criou um posicionamento totalmente novo das informações no painel: por exemplo, os modos de condução SDMS, controlo de tração, e nível de intervenção do ABS estão posicionados ao centro do painel e abaixo do conta-rotações, enquanto a velocidade aparece em grande no canto superior direito.

Do lado esquerdo do painel de instrumentos encontramos agora uma tomada USB, perfeita para carregar pequenos aparelhos eletrónicos como um telemóvel.

A ótica frontal é totalmente nova, uma unidade retangular com iluminação LED. Encaixa perfeitamente entre o ecrã frontal elevado e o novo “bico” frontal inspirado na icónica DR Big, e no caso da versão XT a Suzuki instala intermitentes em LED.

E por falar em design, a Suzuki V-Strom 1050 aparece com uma imagem totalmente renovada. Como referimos, a inspiração para esta novidade de 2020 foi a DR Big. Claro que o “bico” frontal é o destaque, mas na realidade a Suzuki teve atenção em diversos detalhes para garantir que a V-Strom se destaca na estrada.

Por exemplo, as tampas do motor, as cabeças dos cilindros e a bomba de água são pintadas de bronze, o que confere um contraste interessante em relação aos restantes componentes pintados de preto.

A nova V-Strom 1050 estará disponível nas cores Glass Sparkle Black, Glass Sparkle Black e Brilliant White, Glass Sparkle Black e Solid Iron Grey.

Suzuki V-Strom 1050 XT

Para além da versão base, a Suzuki V-Strom conta com uma variante XT, melhor equipada e com particularidas bastante interessantes quando comparada com a normal V-Strom 1050. Embora muito componentes e do que dissemos acima se aplique à XT, temos de ter em conta que esta é a opção “premium”. E isso inclui inúmeras melhorias!

Tudo começa com o novo sistema de controlo de velocidade de cruzeiro. Pode ser utilizado quando a V-Strom 1050 XT circula a velocidades entre os 50 e os 160 km/h, e torna-se numa ajuda indispensável para os motociclistas que gostam de percorrer longas distâncias sem se cansar.

Nesta XT a Suzuki instala uma nova unidade de medição de inércia (IMU). Agora, em vez de medir em 5 eixos, a IMU mede num total de 6 eixos, sendo por isso uma IMU bastante mais avançada na forma como analiza o comportamento dinâmico da moto.

Para arrancar em inclinações pronunciadas, a V-Strom 1050 XT conta com sistema “hill-hold”. Quando estiver ligado, e através das informações recolhidas pela IMU, o sistema aciona o travão traseiro durante um máximo de 30 segundos, garantindo que podemos arrancar sem qualquer problema. Este sistema pode ser desligado através de um botão no punho esquerdo.

Mas não é só a subir que a eletrónica ajuda. Também nas descidas a IMU fornece informação ao sistema de controlo de descida, que por sua vez ajusta a pressão no sistema de travagem para manter a moto equilibrada, prevenindo que a roda traseira levante do solo.

Ainda ao nível das ajudas eletrónicas à condução, de referir que a V-Strom 1050 XT conta com um inovador sistema de travagem que aprende e adapta-se.

A unidade de ABS consegue perceber quando a moto está mais ou menos carregada (por exemplo com passageiro e malas). A distância de travagem aumenta quando a moto estiver mais carregada quando aplicamos a mesma pressão nos travões de quando a moto não está tão carregada. O contrário também acontece.

O sistema de ABS vai aprendendo e adaptando a potência de travagem conforme a carga da moto, e com isso o condutor vai poder sentir, de acordo com a Suzuki, uma potência de travagem sempre semelhante quaisquer que sejam as condições.


O assento é totalmente novo, com novo desenho para maior conforto e novo forro mais aderente, e de duas peças separadas para dividir o espaço do condutor e do passageiro. Pode ser ajustado em altura utilizando as peças incluídas com o assento, e assim o condutor pode sentar-se até 20 mm mais alto do que os 850 mm de altura do assento na sua posição mais baixa. No caso da versão base da V-Strom 1050 o assento de série tem 855 mm de altura, mas a Suzuki disponibiliza como opcionais um assento mais alto e outro mais baixo.

As jantes da nova V-Strom 1050 XT são agora fornecidas pela DID, e ao contrário das de alumínio fundido da versão base, neste caso são de raios. Também equipadas com pneus Bridgestone Battlax Adventure A41.

O guiador foi também alvo de modificações e está 292 gramas mais leve, e recebe proteções de mãos de novo desenho mais aerodinâmico.

E por falar em proteções, a XT conta com uma cobertura inferior do motor em alumínio com acabamento acetinado, para além de barras em ambos os lados do motor, o que não apenas evitará danos em caso de queda como também melhora o aspecto aventureiro da V-Strom 1050 XT.

Se o design de todo o conjunto é novo, faz todo o sentido que o ecrã frontal também o seja. Por isso a Suzuki redesenhou este componente, e agora permite que seja ajustado em altura até um máximo de 50 mm usando apenas uma mão e o sistema de “quick release”. No caso da versão base o ecrã frontal também é ajustável, mas só através de ferramentas (na moto) e em 3 posições prédefinidas.

Em termos de diferenças para a versão base, uma última nota para a utilização de luz de travão transparente e de espelhos retrovisores mais desportivos.

A nova Suzuki V-Strom 1050 XT estará disponível nas cores Champion Yellow Nº2, Pearl Brilliant White e Glass Blaze Orange (uma cor “heritage” especial a lembrar a DR Big), ou em Glass Sparkle Black.

Galeria Suzuki V-Strom 1050 e V-Strom 1050 XT