Mercado das duas rodas na Europa mantém-se no negativo

A Associação Europeia de Fabricantes de Motos revela os números dos primeiros seis meses do ano na Europa. Nos cinco maiores mercados as vendas de motos continuam abaixo do período homólogo de 2019, mas os sinais de recuperação são positivos.

andardemoto.pt @ 4-8-2020 11:33:48

Com a Europa parada durante a maior parte dos primeiros seis meses de 2020, devido à pandemia do virus Covid-19, seria expectável que os números de vendas de motos no Velho Continente não fossem particularmente positivos.

E de facto, os números agora divulgados pela ACEM – Associação Europeia de Fabricantes de Motos, revelam que nos cinco maiores mercados de duas rodas a nível europeu (França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido) as vendas continuam bastante abaixo do que se verificou em igual período de 2019.

Nestes cinco mercados, que representam cerca de 80% do total de vendas de motos na Europa, foram registadas 413.200 motos entre os meses de janeiro e junho de 2020. Isto significa um volume de vendas 17% inferior ao registado na primeira metade de 2019.

Porém, e apesar da Europa se manter em terreno negativo, os sinais de recuperação do mercado de motociclos são evidentes e deixam os responsáveis da ACEM confiantes de que, com as medidas certas, os números de vendas poderão tornar-se positivos até final do ano.



Esta linha de pensamento da ACEM é apoiada pelos números: durante os primeiros quatro meses do ano, naquela que foi a pior fase da pandemia e que levou ao confinamento e paralização total da economia, os números de vendas de motos nos cinco maiores mercados europeus baixaram 32,7%. Nos dois meses seguintes, em que a economia voltou a “abrir”, o mercado recuperou de tal forma que a queda está agora nos 17%.

Para Antonio Perlot, secretário geral da ACEM, “As vendas de motos continuam consideravelmente abaixo de 2019, devido ao impacto das medidas de confinamento durante a primavera. A recuperação parcial do mercado revela que os consumidores consideram as motos como excelentes opções de mobilidade e de lazer, no contexto em que vivemos. De qualquer forma, a segunda metade do ano será crucial. Muitos concessionários continuam a ter um excesso de motos Euro4 que, caso não exista uma mudança na Europa, não vão conseguir vender no futuro. É por isso que a indústria das motos renova o pedido à UE para apoiar os fabricantes, concessionários e fornecedores, nestes tempos complicados, através de uma extensão do prazo para vender os modelos Euro4”.

andardemoto.pt @ 4-8-2020 11:33:48


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews