Honda X-ADV – Mais versátil e mais potente

A “scooter-moto” da Honda renova-se de forma mais profunda para 2021. Um motor mais potente, mais tecnologia e um design bastante redesenhado são argumentos fortes da nova X-ADV. Fique a conhecer esta novidade e os seus detalhes aqui.

andardemoto.pt @ 13-11-2020 10:32:26

Estreou-se em 2016 e desde então conquistou os corações de milhares de motociclistas pela sua polivalência, facilidade de condução e o “look” robusto que só as motos trail conseguem ter. Mas a X-ADV não é uma trail. É uma scooter de grandes dimensões e capacidades dinâmicas que lhe permitem enfrentar uma enorme variedade de cenários.

Tal como acontece com a CB1000R – clique aqui para conhecer a nova geração de 2021 – a X-ADV é mais uma demonstração de como a Honda sabe e consegue criar propostas de duas rodas que misturam conceitos que, muitas vezes, pensamos que não se podem misturar.

Esta “scooter-moto” do maior fabricante mundial tornou-se no que podemos comparar aos SUV do mundo automóvel. Uma moto que faz de tudo um pouco. Inclusivamente participar em competições  e com boas prestações, como foi o caso da vitória no Rali de Gibraltar em 2019.


Para 2021 a Honda optou por dar à X-ADV uma renovação mais profunda, e o resultado é o reforço dos argumentos que já a tornavam numa proposta tão relevante.

O motor continua a ser o bicilíndrico de 749 cc. Cumpre, claro, com as novas normas Euro5. Está agora 1,4 kg mais leve do que antes. Graças a uma alteração muito equilibrada de 5% na duração da distribuição (que difere entre os dois cilindros) e a adição do sistema “Throttle by Wire”, bem como melhorias introduzidas ao nível do escape, o motor debita mais potência e tem uma rotação máxima mais elevada e que dura mais tempo, agora com redline às 7.000 rpm, 600 rpm mais do que anteriormente.

Juntamente com o aumento de potência, o binário do motor acima das 5.000 rpm também foi aumentado. O pico de potência subiu agora 3 kW, para 43,1 kW às 6.750 rpm, com pico de binário de 69 Nm a aparecer às 4.750 rpm.

Juntamente com o aumento das performances encontramos também uma caixa de relações mais curtas na primeira, segunda e terceira velocidades, o que melhora os arranques e as acelerações em cada velocidade. A X-ADV chega aos 30 km/h em apenas 1,7 segundos, aos 60 km/h foram gastos 3,2 segundos e percorridos 50 metros, com o motor pleno de binário a apenas 2.500 rpm.



Para equilibrar a resposta do motor a velocidades mais elevadas e compensar as três relações mais curtas, a Honda optou por alongar ligeiramente as três relações seguintes (4ª, 5ª e 6ª) para que a X-ADV possa circular em estradas mais abertas sem que o motor se sinta em esforço.

O que não apenas se revela benéfico para a economia de combustível, com a Honda a anunciar um consumo médio de 3,59 litros em modo WMTC, como o condutor usufrui de uma condução mais descontraída.

A utilização de um sistema de acelerador eletrónico permite depois definir diferentes parâmetros de funcionamento do motor bicilíndrico, em particular as diversas ajudas eletrónicas à condução.

À disposição do condutor estão quatro modos de condução prédefinidos:

- O modo Standard é um ponto intermédio e equilibrado entre a entrega de potência do motor, o efeito de travão-motor e a intervenção do sistema HSTC (controlo de tração), com ABS de nível alto.

- O modo Sport oferece uma entrega de potência e um efeito de travão-motor mais agressivos, com baixa intervenção do sistema HSTC e ABS também de nível alto.

- O modo Rain baixa a potência do motor e também o efeito de travão-motor, enquanto os sistemas HSTC e ABS têm intervenção elevada.

- O modo Gravel usa maior potência do motor e menor efeito de travagem, com baixa intervenção do sistema HSTC e do ABS. Como o nome indica, é o modo mais indicado para quem utilizar a X-ADV fora de estrada.

Para além deste modos prédefinidos, a Honda permite que o condutor selecione o modo User. Este modo de condução é totalmente personalizável.


Convém também não esquecer que a embraiagem DCT é um dos pontos em destaque neste modelo. Para além da inovação e exclusividade deste componente, o sistema de dupla embraiagem da X-ADV permite ao condutor selecionar modos Automático ou Manual. E, para além disso, pode ainda selecionar um de cinco níveis diferentes para as trocas de caixa: desde o mais suave nível 1 ao mais agressivo nível 4, terminando no modo G para uso “off-road”.

A suportar todo o conjunto está um quadro em tubos de aço, tipo diamante. Foi redesenhado e os engenheiros da Honda optaram por utilizar tubos de espessura variável, o que não só permitiu redefinir parte do comportamento dinâmico da X-ADV, mas também reduzir um pouco o peso do conjunto que atinge agora os 236 kg a cheio, menos 3 kg do que a geração anterior.

Para o novo ano, e apesar de não perder a sua identidade e estilo futurista, a nova X-ADV recebe uma importante renovação de imagem por parte dos designers da Honda.

A silhueta permanece deliberadamente vertical, mas cada painel do corpo foi redesenhado para criar uma intenção mais afilada e forte. A comparação lado a lado com o modelo anterior mostra claramente o quanto o novo estilo está agora mais apurado e mais agressivo.

Os faróis duplos de LED foram remodelados e possuem luzes diurnas de condução (DRL). Estas também se ajustam automaticamente à intensidade da luz ambiente e fornecem sempre uma luz brilhante e altamente visível. Todas as luzes são de LED.



Debaixo do assento redesenhado e posicionado a 820 mm de altura do solo encontramos um espaço ligeiramente maior para transporte de objetos. Para a ter 21 litros de volume, o que permite guardar facilmente um capacete integral, existindo agora neste espaço uma ficha USB em vez da tomada de 12V da versão anterior.

Em termos de ergonomia, o travão de estacionamento foi mudado da parte inferior direita da carenagem para o punho direito do guiador, libertando assim espaço para um porta-luvas de fácil acesso.

Para enfrentar os terrenos mais difíceis, a forquilha invertida com bainhas de 41 mm tipo cartucho oferece afinação da précarga da mola e do amortecimento em extensão. O amortecedor traseiro também permite afinar a précarga da mola e é uma unidade monotubular com divisão de pressão, trabalhando sobre o braço oscilante em alumínio – fabricado em alumínio maquinado, secção oca e formato em U – por ação de um sistema Pro-Link.

E para os motociclistas adeptos de tecnologia, a Honda instala nesta unidade o sistema HSVC – Honda Smartphone Voice Control, que permite que o condutor utilize algumas funções do seu smartphone sem retirar as mãos do guiador.

A X-ADV de 2021 vai estar disponível nos esquemas cromáticos seguintes:

Vermelho Grand Prix
Preto Graphite
Prata Metalizado Mate Beta
Cinzento Pérola Mud

andardemoto.pt @ 13-11-2020 10:32:26

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews