Honda CB1000R e CB1000R Black Edition – Uma powernaked refinada

Construtor japonês revitalizou a sua powernaked de estilo “retro”. As novas Honda CB1000R e a versão Black Edition são muito mais do que uma simples mudança para versão Euro5. Fique a conhecer os detalhes da proposta de maior cilindrada da gama Neo Sports Café.

andardemoto.pt @ 12-11-2020 20:57:18

Num mundo onde as atenções de muitos fabricantes se centram ou em motos naked de alta performance, as chamadas “powernaked”, ou em modelos de estilo “retro” que relembram os tempos de glória do motociclismo no século passado, a Honda optou por tentar misturar estas duas formas de pensar o mundo das duas rodas e criou a CB1000R.

Quando em 2018 a marca japonesa decidiu lançar no mercado a gama Neo Sports Café, composta então pela CB125R – clique aqui para conhecer a nova geração de 2021, a CB300R, CB650R e ainda pela maior e mais poderosa CB1000R, o objetivo foi precisamente unir os dois estilos de motos. E os clientes gostaram desta abordagem.

Agora, passados pouco mais de dois anos, a CB1000R renova-se com a chegada das normas Euro5, reforçando os argumentos que a tornam numa proposta tão interessante.


O design não é uma revolução mas sim uma evolução do conceito Neo Sports Café. De uma forma geral a CB1000R apresenta um design mais agressivo, com detalhes especialmente trabalhados para esta versão 2021. Como exemplos disso temos o redesenhado subquadro em alumínio com acabamento prateado em vez de preto, as proteções do radiador em alumínio polido, as tampas da da caixa de ar e ainda a grande ótica dianteira que passa agora a estar mais inserida no conjunto.

Com uma postura que deixa o condutor em posição dominante sobre o depósito saliente, a CB1000R conta com muitos elementos em preto. O motor ou as jantes em alumínio fundido, de novo design, estão agora melhor “encaixados” no conjunto, criando uma imagem “premium”.

E, para aqueles que gostam de traseiras compactas, a Honda redesenhou o suporte de matrícula para ficar mais pequeno do que na versão anterior.



O “look” refrescado para 2021 não retira o destaque de outros elementos. O painel de instrumentos TFT de 5 polegadas é a cores. A forma como as informações são apresentadas é personalizável em quatro modos de visualização prédefinidos. E para os motociclistas adeptos de tecnologia, a Honda instala nesta unidade o sistema HSVC – Honda Smartphone Voice Control, que permite que o condutor utilize algumas funções do seu smartphone sem retirar as mãos do guiador.

E por falar em smartphone, e porque este tipo de aparelhos gasta bastante bateria, a Honda escondeu debaixo do assento uma valiosa ficha USB para carregamento.

Não podemos também de deixar de referir que a nova Honda CB1000R conta com intermitentes com função de Sinal de Paragem de Emergência. Quando o condutor necessita de travar com mais força, o sistema deteta a desaceleração e automaticamente aciona os intermitentes para avisar os condutores de outros veículos do possível perigo. Além disso os intermitentes passam a contar com função cancelamento automático.


Quanto ao motor, a Honda mantém a mesma unidade motriz. Quatro cilindros em linha capazes de desenvolver uma potência ligeiramente acima dos 145 cv às 10.500 rpm, enquanto o binário mantém-se nos 104 Nm às 8.250 rpm. Em relação a este último ponto, a nova CB1000R destaca-se pela utilização de novos parâmetros da injeção PGM-Fi, que permitiu à Honda trabalhar a entrega de binário para uma resposta mais contundente entre as 6.000 rpm e as 8.000 rpm.

Para conseguir a homologação Euro5, os sensores de escape O2 lambda foram substituídos por sensores de fluxo de ar pobre (LAF – Lean Air Flow) colocados nos coletores de escape, para permitir uma medição muito mais precisa dos gases queimados. O motor tem um consumo de 5,84 l/100 km.

A eletrónica mantém-se também ela inalterada. A CB1000R oferece ao condutor a possibilidade de ajustar em três níveis diferentes a potência do motor, o efeito travão-motor, e ainda o sistema de controlo de tração HSTC.

Paralelamente, a Honda permite explorar a nova CB1000R utilizando um de três modos de condução prédefinidos – Rain, Standard e Sport – que ajustam automaticamente as ajudas eletrónicas de acordo com o modo selecionado. Se o condutor preferir pode selecionar o modo de condução User. Neste modo a Honda permite que os diferentes parâmetros eletrónicos sejam ajustados de acordo com a preferência ou necessidades de condução.



Para 2021 a Honda CB1000R estará disponível nas seguintes variações de cor:

Vermelho Candy Chromosphere
Preto Metalizado Mate Ballistic
Prata Metalizado Mate Beta

Honda CB1000R Black Edition


Para os clientes que procuram algo mais, a Honda criou uma versão Black Edition da CB1000R.

Com um visual personalizado e feito à mão, a versão Black Edition começa na mesma linha de fabrico da CB1000R normal. Depois, esta versão praticamente toda preta entra em território estético assumidamente mais caraterístico, com utilização de alguns acessórios extra selecionados.

Sem contar alguns pormenores em alumínio maquinado – nos raios das jantes, no monobraço oscilante, nas tampas do motor e nos apoios do guiador – tudo o que se vê é preto: o farol cónico, o para-brisas, as bainhas da forquilha, os resguardos do radiador, as tampas da caixa do filtro do ar (com acabamento anodizado), o escape e o silenciador. O depósito e a bacquet do banco do passageiro são em Preto Graphite.

De série, a CB1000R Black Edition vem equipada com um sistema quickshifter de mudanças rápidas. O logótipo CB maquinado confere-lhe um toque extra de exclusividade.

andardemoto.pt @ 12-11-2020 20:57:18

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews