Aprilia RSV4 e RSV4 Factory – A rainha da potência e aerodinâmica

A marca italiana finalmente divulgou mais fotos oficiais das duas versões da sua superdesportiva, e já temos os preços confirmados para Portugal destas novidades de Noale. As novas Aprilia RSV4 e RSV4 Factory apostam numa aerodinâmica mais apurada. Mas esse não é o único truque delas!

andardemoto.pt @ 30-3-2021 09:48:33

Desde 2009 que a RSV4 posicionou a Aprilia no topo do segmento das superdesportivas. Mais de uma década passou desde que a primeira geração da desportiva com motor V4 a 65 graus chegou à estrada (e às pistas!), e nesta mais recente geração Euro 5 a Aprilia aplica tudo o que aprendeu no MotoGP à sua RSV4.

Constantemente refinada e evoluída ao longo dos últimos dez anos, a RSV4 manteve-se bastante atual, e apesar da sua base ser já “velha”, em termos de superdesportivas, a verdade é que esta Aprilia sempre conseguiu dar luta às rivais mais atuais e melhor apetrechadas.

Mas 2021 marca o início de uma nova geração da RSV4. Motor potente e de acordo com as normas Euro 5, de maior cilindrada, uma aerodinâmica mais apurada que garante uma série de benefícios tanto em estrada como em pista, e uma eletrónica ainda mais eficiente graças à utilização de uma nova centralina da Magneti Marelli.

Estes são apenas alguns dos destaques das novas Aprilia RSV4 e RSV4 Factory que abordamos de seguida.


A primeira coisa que deverá ter em conta em relação a esta geração Euro 5, é que ao contrário do que aconteceu em 2019 e 2020, a Aprilia deixa de utilizar motores de cilindrada diferente para a versão base e para a mais bem equipada Factory. Anteriormente a RSV4 RR (denominação que desaparece) usava o motor V4 de 1000 cc e 201 cv, enquanto a RSV4 1100 Factory usava o motor 1078 cc de 217 cv.

A partir de agora tanto a RSV4 como a RSV4 Factory dão uso a uma variante evoluída do motor V4 que vimos anteriormente na RSV4 1100 Factory (em 2019 e 2020).

O novo motor ganha em binário passando a anunciar 125 Nm às 10.500 rpm. Uma melhoria em comparação com os anteriores 122 Nm às 11.000 rpm. Mais binário de pico a uma rotação inferior significa que toda a restante curva de binário foi trabalhada nos baixos e médios regimes. Se em pista essa alteração será notada à saída das curvas mais lentas, em estrada o condutor das RSV4 e RSV4 Factory sentirá ainda mais prazer de condução, conseguindo explorar mais facilmente o potencial deste motor V4.


Com uma arquitetura bastante compacta e que por isso permite centralizar as massas de uma forma perfeita, tendo em conta os objetivos dos engenheiros da Aprilia, o motor beneficia de um conjunto de novos elementos: cambota, cárter redesenhado para se adaptar ao maior curso dos pistões que passa a ser de 53,3 mm (o diâmetro mantém-se nos 81 mm), o que por sua vez aumenta a cilindrada dos 1078 para 1099 cc.

Apesar de cumprir com as normas Euro 5, e para isso não podemos esquecer a utilização de um novo sistema de escape, mais leve, mas que mantém a sonoridade rouca e viciante do V4 com genes de MotoGP, o motor da RSV4 e RSV4 Factory mantém a potência máxima nos 217 cv às 13.000 rpm. Ou seja, os engenheiros Aprilia conseguiram manter a potência da sua superbike no topo do segmento, usando para isso materiais exóticos como magnésio.

Este motor consegue “empurrar” as RSV4 e RSV4 Factory para lá da barreira dos 300 km/h. A Aprilia refere apenas que “fazem mais do que 305 km/h reais”.

Mas para atingir esta velocidade, a Aprilia foi obrigada a recorrer ao seu departamento de competição Aprilia Racing. Com a experiência conseguida através da participação no MotoGP, a equipa da Aprilia Racing criou um pacote aerodinâmico muito mais eficiente e melhor integrado no conjunto, em comparação com a geração anterior da RSV4.


A RSV4 foi a primeira superdesportiva a adotar as famosas asas aerodinâmicas. Estas “winglets” ficaram disponíveis ao público numa edição limitada da RSV4 para o mercado Norte-Americano, em 2018, e a partir de 2019 a Aprilia adotou a sua utilização de uma forma generalizada na RSV4 1100 Factory.

No entanto, as asas, apesar de fornecerem uma ajuda significativa em termos de estabilidade e força descendente, não pareciam bem integradas num conjunto cuja estética se manteve apelativa pese embora seja usada desde 2009.

Para esta nova geração a Aprilia aproveitou o design da também novidade RS 660. No caso da RSV4, as formas das carenagens ganham volume, e as asas são agora integradas no frontal e laterais que formam uma construção de duas camadas.

Esta superfície de duas dimensões foi desenvolvida em incontáveis horas no túnel de vento e avançados programas de computador e cálculos CFD, com a Aprilia a garantir uma melhoria significativa no coeficiente de resistência aerodinâmica, que se traduz em maior estabilidade a alta velocidade, mas também em maior proteção do condutor, ao nível dos ombros e cabeça, que beneficia de uma melhoria no fluxo de ar na ordem dos 11%.


Mais do que isso, o novo desenho das carenagens garante que a pressão no interior da caixa de ar aumenta em 7%. E como bem sabemos, isso significa que a performance do motor V4 é também melhorada por causa disso.

A linguagem de design da nova Aprilia RSV4 adota o mesmo estilo da RS 660, incluindo a bem vincada assinatura luminosa conferida pelas luzes diurnas em LED. Estes mesmos elementos funcionam também como intermitentes, e no caso de travagem de emergência acendem-se de forma a avisar outros condutores do perigo. As óticas dianteiras da RSV4 mantêm a sua estrutura tripla, mas são agora “Full LED”, e a superdesportiva italiana tem ainda na lista de equipamento de série iluminação em curva.

Tudo isto está assente num quadro dupla trave em alumínio. Desde a sua criação, esta estrutura da Aprilia sempre foi reconhecida como sendo uma das melhores da sua classe. Tem agora a companhia de um braço oscilante totalmente redesenhado, fabricado em alumínio de apenas três secções fundidas (anteiormente de sete secções). Com um desenho semelhante ao das motos de competição, o braço oscilante das novas RSV4 e RSV4 Factory oferece uma rigidez transversal superior em 30%, melhorando a tração.



Também não podemos esquecer que esta nova construção do braço oscilante permitiu à Aprilia poupar 600 gramas de peso, sendo que mais algumas gramas de poupança foram conseguidas graças à utilização de uma bateria de lítio.

A Aprilia RSV4 e RSV4 Factory continua a ser a única superdesportiva disponível ao público que permite o ajuste completo da sua geometria: é possível alterar o ângulo da coluna de direção, posição do motor em relação à quadro, posição do pivot do braço oscilante, e também a altura da traseira. Basicamente a Aprilia dá ao comum motociclista as ferramentas que habitualmente só encontramos nas motos de competição mais exóticas!

Uma nota importante ao nível dos ajustes possíveis, é o facto da Aprilia ter acedido aos desejos do seu departamento de competição. Neste caso ao nível do ajuste do eixo da roda traseira. A Aprilia RSV4 e RSV4 Factory oferece uma maior amplitude de ajuste.


Para uma centralização de massas ainda melhor o depósito de combustível foi redesenhado, oferece maior apoio para as pernas, e faz com que a maior parte do combustível fique agora armazenado debaixo do assento do condutor.

Por falar em assento do condutor, para além de mais largo e “confortável” – dentro dos parâmetros de uma superdesportiva –, o assento está mais baixo em 9 mm, permitindo ao condutor usufruir de uma posição de condução mais descontraída mas de total controlo sobre o conjunto.

De referir ainda que os poisa-pés adotam um novo desenho, garantem mais aderência à sola da bota, e foram reposicionados estando 10 mm mais baixos. No entanto esta mudança não altera a excelente capacidade da RSV4 atingir ângulos de inclinação pronunciados, sendo que a Aprilia revela que o ângulo máximo da superdesportiva aumentou em 1,5 graus tanto à direita como à esquerda.


Ao nível da ciclística, e sendo certo que a versão base RSV4 utiliza suspensões Sachs totalmente ajustáveis, de funcionamento mecânico convencional, e os mesmos travões Brembo Stylema da versão mais bem equipada, o grande destaque vai para o equipamento usado na RSV4 Factory.

A Aprilia não se poupou a esforços. A RSV4 Factory conta com jantes de alumínio, forjadas, mais leves e resistentes. Garantem uma agilidade superior, um desenho exclusivo, e uma inércia bastante reduzida quando comparadas com as normais jantes por fundição.

Para garantir que o condutor da RSV4 Factory explora as capacidades dinâmicas da superdesportiva de Noale sem problema, a Aprilia voltou a contar com a ajuda dos especialistas da Öhlins.


Equipas de engenheiros italianos e suecos juntaram-se e testaram várias configurações e parametrizações exclusivas para o sistema de suspensões Öhlins Smart EC 2.0. No final criaram um sistema específico para a RSV4 Factory, com três modos semi-ativos (A1 para pista e pneus slick, A2 para pista e pneus com rasgos e piso irregular, A3 para estrada) e três modos manuais (M1 a M3) que possibilitam o ajuste da compressão e extensão tal e qual acontece nas suspensões mecânicas convencionais.

Na RSV4 Factory o condutor poderá utilizar as definições pré-definidas pela fábrica, mas se pretender a Aprilia e a Öhlins permitem o ajuste personalizado de cada modo de funcionamento das suspensões.

Esse ajuste tem por base o conceito OBTi – Objective Based Tuning Interface.


Através do novo painel de instrumentos TFT a cores e de 5 polegadas (maior dimensão) o condutor pode ajustar as suspensões de acordo com uma série de situações pré-definidas pela Öhlins e pela Aprilia. Com grafismos fáceis de entender, as suspensões podem ser ajustadas rapidamente para fornecer maior apoio em travagem, maior rigidez em aceleração, maior velocidade em curva, etc.

De referir que no caso da Aprilia RSV4 Factory o amortecedor de direção Öhlins tem também controlo eletrónico, que pode ser ajustado.

E por falar em ajuste de parâmetros eletrónicos, a Aprilia RSV4 e RSV4 Factory de 2021 estreia uma nova centralina. A ECU com assinatura da Magneti Marelli é a 11MP, e tem uma capacidade de processamento quatro vezes superior à centralina anterior! Isto permitiu aos engenheiros da Aprilia definirem uma parametrização muito mais detalhada das várias ajudas eletrónicas incluídas na nova geração do bem conhecido aPRC – Aprilia Performance Ride Control.



O novo aPRC disponível nas Aprilia RSV4 e RSV4 Factory, com funcionamento otimizado para a nova geração RSV4, inclui as seguintes opções:

- ATC (Aprilia Traction Control): ajustável em 8 níveis e desligado
- AWC (Aprilia Wheelie Control): ajustável em 5 níveis e desligado
- AEM (Aprilia Engine Map): três mapas de potência diferentes
- AEB (Aprilia Engine Brake): três mapas de funcionamento diferentes de controlo do efeito travão motor, sendo que cada mapa é sensível à inclinação
- ALC (Aprilia Launch Control): para uso específico em pista, três modos de funcionamento para arranques perfeitos
- AQS (Aprilia Quick Shift): trocas de caixa sem usar a embraiagem. Funciona tanto para subir como para descer de relações de caixa, e também permite reduções mesmo com o acelerador aberto
- APL (Aprilia Pit Limiter): permite definir um limite de velocidade para uso no “pit lane” do circuito
- ACC (Aprilia Cruise Control): o condutor define a velocidade pretendida e o sistema automaticamente mantém a moto a circular a essa velocidade
- ABS “cornering” e Aprilia Rear Lift Mitigation: três mapas diferentes de ABS que incluem diferentes efeitos de mitigação do levantar da traseira em travagem.


Para além de tudo isto, o conduto da Aprilia RSV4 ou RSV4 Factory tem ainda um total de seis modos de condução:

- Street: para condução normal em estrada
- Sport: para condução mais dinâmica em estrada
- User: para condução em estrada com parâmetros customizados do aPRC
- Race: para condução em pista, aproveitando ao máximo as capacidades da RSV4
- Track 1 e Track 2: modos para condução em pista e que são totalmente personalizáveis

De referir que todos os ajustes do aPRC são agora efetuados por um novo conjunto de quatro botões no punho esquerdo em vez do por vezes impreciso joystick da geração anterior, enquanto no punho direito encontramos o botão que rapidamente permite trocar de modo de condução.


Por fim temos as cores e versões.

A versão base Aprilia RSV4 apenas estará disponível na opção Dark Losail (preto e cinzento), enquanto a variante mais exótica RSV4 Factory estará disponível na opção Lava Red, que utiliza cores históricas da marca em tributo à RS 250 réplica de Loris Reggiani de 1994, ou a opção Aprilia Black que mistura o preto com alguns elementos em vermelho.

Quanto a preços a Officina Moto, importador da Aprilia em Portugal, confirmou ao Andar de Moto que a RSV4 tem um PVP de 19.500€, enquanto a RSV4 Factory tem um PVP de 24.999€. A estes valores acrescem 625,84€ de despesas de legalização.

Galeria Aprilia RSV4 e RSV4 Factory

andardemoto.pt @ 30-3-2021 09:48:33


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews