EICMA 2021 – Ducati Panigale V4 e Panigale V4 S

A superdesportiva de Borgo Panigale sofre a maior evolução desde que foi apresentada. Fique a conhecer os detalhes e preço das novas Ducati Panigale V4 e Panigale V4 S apresentadas durante os dias do Salão de Milão EICMA 2021.

andardemoto.pt @ 25-11-2021 19:55:27

Apesar do Salão de Milão EICMA 2021 ser a grande oportunidade dos maiores fabricantes de motos apresentarem as suas novidades ao grande público, a verdade é que as apresentações em formato digital continuam a ter um apelo enorme, facilitando a comunicação dos produtos e chegando a uma audiência maior. Nesse aspeto a Ducati tem sabido destacar-se com a série de episódios denominados “Ducati World Première”.

O quinto episódio da série foi inteiramente dedicado à renovação da superdesportiva Panigale V4 e Panigale V4 S. Som o lema “The Evolution of Speed” (A Evolução da Velocidade), a Ducati desvendou todos os detalhes e segredos que tornam as novas Panigale V4 e V4 S em propostas aliciantes para os condutores que procuram máxima adrenalina em pista!

Nestes modelos a Ducati e a sua equipa de desenvolvimento decidiu não deixar praticamente nada intocado para 2022. Isto significa que as novas Panigale V4 e V4 S contam com novidades no motor, na ciclística, na eletrónica e também na ergonomia. O objetivo? Facilitar a vida do condutor / piloto, tornando estas italianas mais fáceis de explorar.


Começamos pelo motor. As Panigale V4 e Panigale V4 S partilham a mesma unidade motriz, o conhecido Desmosedici Stradale. Nesta geração Euro5, o poderoso V4 de Borgo Panigale melhora as suas prestações graças a um conjunto de modificações que à primeira vista passariam despercebidas.

Com uma cilindrada de 1103 cc, o Desmosedici Stradale instalado nas novas Panigale V4 e V4 s conta com um sistema de lubrificação redesenhado, e que conta agora com uma bomba de óleo que reduz a perda de potência. As ponteiras de escape, que se mantêm debaixo do motor, contam com saídas de maior diâmetro, e assim reduzem a contrapressão da saída dos gases de escape, melhorando a performance do motor.

De acordo com a Ducati, as novas Panigale V4 e Panigale V4 S 2022 disponibilizam uma potência máxima de 215,5 cv às 13.000 rpm, valor ligeiramente superior em comparação com a geração anterior, enquanto o binário máximo de 123,6 Nm aparece às 9.500 rpm, sendo que 80% desse binário está disponível logo desde as 6.000 rpm.


Esta melhoria na performance do motor Desmosedici Stradale é depois acompanhada por uma caixa de velocidades que conta com relações mais longas.

A primeira velocidade foi alongada 11,6%, enquanto a segunda é mais longa 5,6%. Graças a esta nova caixa, é agora mais fácil atacar as curvas apertadas em primeira velocidade, desfrutando de um maior travão-motor e de melhor aceleração à saída das curvas. Para além disto, o pequeno salto em velocidade entre as duas primeiras relações permite ao Ducati Quickshift, agora com nova calibragem, trabalhar com mais eficácia, oferecendo rapidez, precisão e suavidade nas trocas de caixa. Por fim, a sexta velocidade é mais longa 1,8%, permitindo, em combinação com o aumento de potência do motor, uma velocidade máxima 5km/h superior à da Panigale V4 2021.

Ligado ao quadro tipo “Front Frame”, que utiliza o motor como elemento estrutural, encontramos na Panigale V4 S uma forquilha pressurizada Öhlins NPX 25/30, de controlo eletrónico. Esta forquilha esconde no interior das suas bainhas um sistema de amortecimento derivado da competição e que evita a cavitação do óleo, conferindo mais apoio na travagem, garantindo também melhor absorção dos ressaltos no asfalto.



A nova forquilha tem um curso de 125 mm (+5 mm em relação à que equipa a Panigale V4 2021), graças ao que, não só pode adotar regulações mais suaves (a rigidez das molas passou de 10 para 9,5 N / mm), melhorando a suavidade da resposta, mesmo em asfalto mais irregular e a aderência em condições críticas, como pode também oferecer aquele “feedback” extra que aumenta o tato nas secções de travagem mais exigentes.

A  nova forquilha trabalha em combinação com o amortecedor traseiro Öhlins TTX36 e o amortecedor de direção Öhlins, ambos com um sistema de comando ‘event based’. Este sistema oferece ao piloto a oportunidade de customizar a intervenção das suspensões de acordo com diferentes situações de pilotagem (travagem, curva, aceleração), bem como alterar os parâmetros operativos dos componentes de hardware de forma manual.

Já a versão base Panigale V4 troca as suspensões eletrónicas da marca sueca por uma combinação de forquilha Showa Big Piston Fork e amortecedor traseiro e de direção da Sachs. As jantes também adotam um desenho diferente, e em vez de serem em alumínio forjado como na Panigale V4 S, são de alumínio fundido e cinco braços.


Ainda nas modificações que afetam a ciclística, encontramos nas novas Ducati Panigale V4 e V4 S um monobraço oscilante cujo pivot está posicionado 4 mm mais acima em comparação com a geração anterior. Isto significa que a Ducati tenta com esta modificação evitar que a traseira baixe de forma pronunciada nos momentos de aceleração, o que se traduz em maior estabilidade.

Ao nível da eletrónica, e para além dos quatro habituais “Riding Mode” – Race A, Race B, Sport e Street – a Ducati desenvolveu uma nova lógica para os Power Modes que controlam a ferocidade do motor V4.

A partir de 2022 existem 4 configurações de motor: Full, High, Medium, Low. As configurações Full e Low são totalmente novas, enquanto as configurações High e Medium utilizam uma nova estratégia. O Power Mode Full é o mais desportivo alguma vez adotado por uma Panigale V4, e permite ao motor expressar todo o seu potencial com curvas de binário sem filtros eletrónicos, exceto na primeira velocidade.


Um novo sistema de gestão do mapa acelerador eletrónico foi desenvolvido para os Power Modes High e Medium, agora dedicado a cada uma das seis velocidades, o que garante ao condutor a possibilidade de ter sempre a aceleração ideal quando abre o acelerador. O Power Mode Low, por outro lado, foi concebido para tornar a condução em estrada ainda mais fácil, limitando a potência máxima da moto a 150 cv e disponibilizando uma resposta ao acelerador particularmente linear e progressiva.

Todas estas opções e as restantes ajudas eletrónicas habitualmente utilizadas em modelos deste segmento, estão visíveis e são ajustadas através do redesenhado painel de instrumentos. Em destaque no painel TFT a cores de grandes dimensões está o novo modo de visualização das informações denominado “Track Evo”, que apresenta um “layout” semelhante ao usado nas motos de competição da Ducati Corse em MotoGP ou Mundial Superbike. A este novo modo juntam-se o Road e Track.

Aerodinamicamente a Panigale V4 S apresenta como destaque as novas asas laterais, de perfil mais compacto. De acordo com a Ducati, apesar de mais esguias, o desenho de duplo perfil permite criar uma força descendente de até 37 kg quando a moto se desloca a 300 km/h.



Depois, e apesar das carenagens manterem um desenho muito parecido com o que já se conhece de outros anos, a Ducati criou aberturas na carenagem inferior, que ajudam a arrefecer o motor e assim permitem que o Desmosedici Stradale mantenha a sua performance de forma mais constante, mesmo nas sessões em pista mais longas em que a temperatura aumenta.

Para tornar as Panigale V4 e V4 S mais amigáveis em termos de conforto, o assento conta agora com um formato mais plano e um diferente revestimento, para melhor apoio do piloto em travagem e permitir um movimento mais fácil do corpo. Em comparação com a versão de 2021, o depósito tem um novo formato na secção traseira, garantindo ao piloto melhor suporte em travagem e permitindo-lhe rodar mais rápido e por mais tempo.

Graças a esta nova ergonomia, o piloto da Panigale V4 fica melhor integrado no conjunto e, desta forma, mais confortável na pilotagem de um modo geral.


Referir ainda que as Panigale V4 e Panigale V4 S estarão disponíveis na cor Ducati Red, com grafismos em preto e faixa vermelha nas jantes (só na versão S). O assento de dois tons também é equipamento de série na Panigale V4 S.

A Ducati preparou um extenso catálogo de acessórios oficiais para estes modelos. Por exemplo, o cliente poderá optar por um sistema de escape completo Akrapovic em titânio que fica com ponteiras sob o motor, ou então uma opção mais “racing” com ponteiras que se estendem pela traseira. Em ambos os casos notar-se-á uma redução do peso e um aumento substancial da potência.

As novas Ducati Panigale V4 e Panigale V4 S chegam aos concessionários da marca em Portugal já a partir de janeiro de 2022. Quanto a preços, a Ducati Portugal já nos confirmou que a versão base Panigale V4 custará 25.295€, enquanto a versão melhor equipada Panigale V4 S terá um PVP de 30.395€.

Galeria de foto Ducati Panigale V4 e Panigale V4 S

andardemoto.pt @ 25-11-2021 19:55:27


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews