MotoGP, 2022, Le Mans - Bomba na MotoGP

Equipas a fazer batota com pressões de pneus

Foi revelado hoje mesmo pelo jornalista britânico Mat Oxley que existe um acordo que dura há algum tempo entre a MSMA, a Associação dos fabricantes, e a Michelin, que tem permitido a algumas equipas utilizar pressões ilegalmente baixas nos seus slicks.

andardemoto.pt @ 10-5-2022 15:50:15 - Paulo Araújo

O mínimo permitido para um pneu da frente é 1,9 bar, mas utilizar ligeiramente menos, até 1,7 bar, embora ilegal pelas regras da MotoGP, daria vantagens em aderência e inserção em curva, pois ao estar mais mole o pneu achata mais , dando uma superfície de contacto maior, e também se evita o sobre-aquecimento na fase final da corrida.

Aparentemente, segundo factos agora divulgados a Oxley por um dos técnicos da Michelin, Bagnaia terá vencido o recente Grande Prémio de Espanha com pressão abaixo do legal no seu pneu dianteiro durante toda a corrida.



Adicionalmente, várias outras motos, como a Ducati de Jorge Martin e também a Yamaha de Dovizioso e a Suzuki de Rins, terão competido com a pressão do pneu dianteiro abaixo do permitido, mas só em parte da corrida, porque depois o aquecimento do pneu resulta no aumento de pressão para dentro dos parâmetros normais.

Note-se que a vasta maioria da grelha estava dentro dos parâmetros legais, mas o mais grave é que este procedimento tem estado em vigor entre a Michelin e a MSMA, há algum tempo, com o acordo de não sancionar ou divulgar para fora esta ilegalidade.



Só que algumas equipas tem estado a fazer pressão para as regras voltarem a ser respeitadas e por isso alguém tomou agora a decisão de revelar, através de Mat Oxley, esta batota, que, claro prejudica os pilotos que estão dentro da lei e é ilustrada no diagrama que reproduzimos abaixo.

Também é improvável que os próprios pilotos estivessem cientes do facto, que decerto seria um preocupação adicional em pista, recaindo a responsabilidade apenas sobre as equipas. A seguir com atenção!

andardemoto.pt @ 10-5-2022 15:50:15 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP