MotoGP, 2022 - O Mundial em Retrospetiva, 3

De Le Mans a Assen

Os 110.000 fãs que encheram o clássico circuito de Sarthe celebraram um GP de França verdadeiramente inesquecível, que há dias foi nomeado o Melhor Grande Prémio de 2022. Os três grandes lutaram lado a lado, mas Bastianini venceu, com uma rara queda de Oliveira.

andardemoto.pt @ 8-12-2022 12:55:00 - Paulo Araújo

França e Itália em contraste

Com a chuva sempre a ter uma palavra a dizer, na corrida, Bastianini veio de trás calmo e confiante para vencer após passar Bagnaia quando este cometeu um erro, deixando Miller segundo e Aleix Espargaró na Aprilia terceiro.

Ambas as Suzuki caíram num fim-de-semana para esquecer. Oliveira ficou fora depois de ter caído na curva 3 e foi Binder que herdou o seu 8º posto. Espargaró ainda ultrapassou Quartararo, mas Bastianini foi de novo o vencedor!  

No Mugello,  Bagnaia veio de trás para vencer em grande forma o Grande Prémio de Itália resistindo à carga tardia de Quartararo e Espargaró, enquanto Miguel Oliveira acabou num excelente nono.

Luca Marini começou por liderar, substituído logo a seguir por Marco Bezzecchi. Os dois rookies da VR46 abriram um pequeno intervalo com Miguel Oliveira a dar um bom salto para 12º também.

Fábio DiGiannantonio passou Quartararo para terceiro com uma luta a desenvolver-se atrás entre Bagnaia, Aleix Espargaró, Zarco, Binder e Marc Márquez. Fábio Quartararo carregou,  ascendendo a segundo com Bagnaia já quarto também e Oliveira era já 11º, indo colar-se a Marc Márquez enquanto Pol Espargaró caía da corrida, desfazendo a RCV na Arrabiata.

Entretanto, Bagnaia utilizava a temível velocidade da Desmosedici para fazer a volta mais rápida e ir para segundo de uma assentada. Quartararo carregava para segundo juntando os primeiros cinco num só grupo, com Zarco a 1,2 segundos distância em sexto.

Martin batia o recorde absoluto de velocidade com 363 quilómetros hora, quase ao mesmo tempo que Enea Bastianini caía e com isto Oliveira era oitavo.

A oito voltas do final, era Bagnaia, Quartararo e Bezzecchi, com Aleix Espargaró quarto, enquanto um pouco atrás Nakagami, a melhor Honda, vinha passar Oliveira, que era de novo nono e assim acabou. À frente as coisas aqueciam, com Quartararo a colar-se a Bagnaia e Aleix Espargaró  terceiro à bandeira. 


Catalunha - Voo de Quartararo, erro de Espargaró

O Grande Prémio de MotoGP da Catalunha teve um começo dramático, com Nakagami a cair na Curva 1 e a arrastar Bagnaia e Rins, (acima) enquanto Miguel Oliveira saltava para 12º.
Quartararo liderava e nunca mais foi visto, deixando a luta pelo pódio entre Espargaró e as Ducati Prima Pramac de Martin e Zarco.
Espargaró acaba por passar para terceiro de novo e a sete voltas do final as escolhas de pneus vão mostrar-se críticas...

Atrás, Alex Márquez fecha o top 10 com Miller a seguir e nas últimas quatro voltas, Quartararo tem quase 6 segundos de vantagem no comando da corrida...

Aleix Espargaró engana-se à boca da meta na penúltima volta, pensando que era a última e foi passado pelo grupo da frente, baixando para quinto...

Quartararo vence com uma vantagem de quase 6,5 segundos sobre Martin e Zarco.  


Alemanha – Quartararo distancia-se

Quartararo jogou na perfeição para estender a sua liderança no campeonato ao vencer sobre Zarco e Miller, que completaram o pódio e Bagnaia perdeu numerosos pontos ao cair.
Quartararo arrancou à frente de Bagnaia mantendo a liderança com Aleix Espargaró em terceiro, seguido de Zarco, e Miguel Oliveira não ganhava nem perdia, permanecendo na 14ª posição nas voltas iniciais.

Logo a seguir Zarco chegaria mesmo a terceiro, mas Bagnaia deitava fora a corrida ao cair logo na terceira volta, seguido em curta ordem por Joan Mir, dois protagonistas fora logo nas primeiras voltas a trazer as bandeiras amarelas enquanto Jack Miller aproveitava para cumprir uma penalização.

Quartararo consolidou a liderança de 1,2 segundos sobre Zarco, enquanto mais atrás Viñales era já quarto e Oliveira chegava a 12º.

A meio da corrida a vantagem de Quartararo era já de 1,9 segundos e a carga de Marini para oitavo mantinha Binder e Oliveira atrás, quando a Aprilia de Viñales está em problemas e o piloto foi passado rapidamente por Binder e Oliveira, que eram agora oitavo e nono. 
  
Zarco e Espargaró estavam isolados nos lugares do pódio, com Miller  agora quarto e Oliveira tinha que se a haver com as Ducati Gresini, ensanduichado entre DiGiannantonio e Bastianini. A três voltas do fim, após repetidas tentativas, Miller consegue passar Aleix para terceiro e com Quartararo a vencer, a carga final de Luca Marini e Giannantonio mantem Oliveira em nono.    

Holanda - Bagnaia vira as cartas

Desta, Bagnaia jogou na perfeição vencendo de bandeira a bandeira e Bezzecchi estreou-se no pódio, enquanto Aleix Espargaró protagonizou uma recuperação espantosa para se juntar a Viñales à beira do pódio em 4º.

Pecco fez o melhor da sua saída da pole para liderar o GP da Holanda seguido de perto por Quartararo e Aleix  Espargaró, enquanto Miguel Oliveira perdia dois lugares quando colidiu com a Suzuki de Mir parada.

Quartararo tenta entrar por dentro da Aprilia caindo e levando Aleix com ele, com ambos a regressar à pista muito atrasados.

Pouco depois, com Bezzecchi a chegar a segundo, Morbidelli caia também e Miller cumpre uma penalidade de volta longa mas recupera e a duas voltas do fim, vem pressionar Viñales para o último degrau do pódio sem sucesso.

A última volta confirma a vitória de bandeira a bandeira de Bagnaia, seguido de Bezzecchi e Viñales e Aleix passa dois na chicane Jaap Timmer para ficar em 4º enquanto Oliveira é mais uma vez nono.

andardemoto.pt @ 8-12-2022 12:55:00 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP