Mundial MotoGP 2023 - Retrospetiva em números

Ano charneira

A era dourada da atual MotoGP continuou em 2023, com 15 pilotos - 68,2% da grelha a tempo inteiro – a pisarem o pódio em pelo menos um dos Grandes Prémios, igualando o recorde que fora estabelecido em 2020 e 2021.

andardemoto.pt @ 9-12-2023 13:46:00 - Paulo Araújo

Foi uma época dramática, com muitos pilotos afetados por lesões, a começar (e acabar!) pelo nosso Miguel Oliveira, mais Marc Márquez, Enea Bastianini, Pol Espargaró, Alex Rins, Joan Mir, mas também Fabio Quartararo, Alex Márquez, Johann Zarco, Fabio DiGiannantonio, Francesco Bagnaia, Luca Marini, Jorge Martin, Raul Fernández, Augusto Fernández e Takaaki Nakagami.
Este número de 16 pilotos perfaz praticamente toda a grelha magoada a dada altura ou outra e aponta o dedo ao formato muito duro atual do Campeonato, que já foi alvo de críticas.

Apesar disso, todos os fabricantes estiveram no pódio num Grande Prémio em 2023 e três deles ganharam corridas. A KTM não venceu um Grande Prémio, mas ganhou dois Tissot Sprints.

A Ducati Prima Pramac conquistou o Campeonato de Equipas de MotoGP, tornando-se a primeira equipa independente a conquistar a coroa na era do MotoGP. Jorge Martin (Prima Pramac Racing) também venceu a luta pelo título de melhor piloto de Equipa Independente além do vice-campeonato.


Houve 10 vitórias para Equipas Independentes em 2023: quatro para Martin, três para Marco Bezzecchi e uma para Alex Rins, Johann Zarco e Fabio Di Giannantonio.

Antes de 2023, só tinha havido dois eventos na era do MotoGP em que as equipas independentes monopolizaram o pódio num GP: Qatar 2004 e Portugal 2020. Esta época, aconteceu duas vezes: Argentina com Bezzecchi a bater Zarco e Alex Márquez, e França com Bezzecchi, desta vez à frente de Martin e Zarco.

A vitória de Bagnaia em Valência foi a 17ª da Ducati em 2023, o que constitui um novo recorde para o maior número de vitórias numa única época da categoria rainha pelo mesmo fabricante.

Com Bagnaia e Zarco também no pódio, a Ducati está agora numa série de 46 corridas de Grande Prémio consecutivas com pelo menos um piloto no pódio.

O vice-campeão de MotoGP de 2023, Martin, é o piloto com mais vitórias no Sprint esta época, com nove, à frente de Bagnaia (4), Brad Binder (acima) e Alex Márquez com duas cada, e Bezzecchi e Aleix Espargaró com uma cada.

Martin é o único piloto que marcou pontos em todos os Sprint (19 Sprints), incluindo 14 pódios.



GP de Portugal: A. Espargaró fez a sua 218ª partida na categoria rainha para se colocar em quarto lugar na lista de todos os tempos. Igualou as lendas do MotoGP Dani Pedrosa e Nicky Hayden e, desde então, está à frente de ambos - apesar de Pedrosa ter somado mais dois com wildcards em Jerez e Misano.

GP da Argentina: Bezzecchi conquistou a sua primeira vitória na categoria rainha. Nessa altura, havia oito pilotos que ainda não tinham vencido um GP da categoria rainha.

GP das Américas: Rins (acima) tornou-se o oitavo piloto a vencer com duas fábricas diferentes na era do MotoGP, juntamente com Jack Miller, Andrea Dovizioso, Casey Stoner, Jorge Lorenzo, Viñales, Max Biaggi e Valentino Rossi.

GP de Espanha: Bagnaia igualou Max Biaggi em quarto na lista de italianos com mais vitórias na categoria rainha.

GP de França: Le Mans bateu o recorde de assistência de sempre do MotoGP com 278.805 espetadores.


GP de Itália: Bagnaia tornou-se no primeiro piloto a fazer o "Grand Slam" (Faezr a pole, volta mais rápida, liderar todas as voltas e vencer a corrida) desde que ele próprio o fez no ano passado no GP de Espanha.GP da Alemanha: O público de 233.196 pessoas em todo o evento foi o maior de sempre no Sachsenring e fez do GP da Alemanha o evento desportivo com maior assistência na Alemanha.

TT Holandês: Bagnaia conseguiu a sua 15ª vitória de MotoGP em Assen e igualou Andrea Dovizioso em terceiro na lista de italianos com mais vitórias na categoria rainha.

GP da Grã-Bretanha: Aleix Espargaró tornou-se o nono vencedor diferente nas últimas nove corridas de MotoGP realizadas em Silverstone, depois de Lorenzo (2013), Márquez (2014), Rossi (2015), Viñales (2016), Dovizioso (2017), Rins (2019), Quartararo (2021) e Bagnaia (2022).



Em Moto3, David Alonso conquistou a sua primeira vitória tornando-se o primeiro piloto colombiano a vencer em corridas de Grande Prémio. A Colômbia tornou-se a 13ª nacionalidade diferente a vencer na classe (a 30ª em corridas de GP).

GP da Áustria: Bagnaia venceu a corrida de GP para se tornar o terceiro piloto italiano com mais sucesso na categoria rainha. Este foi também o 50º pódio da sua carreira em Grandes Prémios. E fez um duplo Grand Slam - o super Slam? - com a pole, a volta mais rápida na corrida de Sprint e GP, e ganhou ambas as corridas.

GP da Catalunha: A. Espargaró conquistou a sua terceira vitória de MotoGP juntamente com o GP da Argentina de 2022 e o GP da Grã-Bretanha de 2023. Esta foi a terceira vitória da Aprilia na categoria rainha.

GP de San Marino: O wildcard da KTM e lenda do MotoGP Dani Pedrosa fez história, terminando em 4º para o melhor resultado de um wildcard numa corrida seca em toda a era do MotoGP. Michele Pirro foi quarto em Valência em 2018, mas com chuva.

GP da Índia: Bezzecchi conquistou o seu primeiro "Grand Slam". Bagnaia é o único outro piloto que o fez em 2023, duas vezes: Itália e Áustria.

GP do Japão: Marc Márquez terminou em terceiro e ultrapassou a lenda Angel Nieto, para o quinto lugar na lista de pilotos.



andardemoto.pt @ 9-12-2023 13:46:00 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP