Fábio Figueiredo

Fábio Figueiredo

À procura de um caminho alternativo

OPINIÃO

De Tallinn, Estónia, até ao Cazaquistão - 3ª parte: Até Tver, na margem do rio Volga

Depois de um primeiro dia excessivamente ambicioso, decidi baixar a meta de hoje para poder descansar e dar uma pequena caminhada na cidade de Tver, a Sul de Veliky Novgorod. Até lá percorreria 400km, maioritariamente de autoestrada, que estimava conseguir cumprir em pouco tempo.Mal parti, começou uma chuva que me iria acompanhar o resto do dia, variando entre o chuvisco e o aguaceiro. Sei que a mota não encolhe à chuva, mas há muito que prescindi de andar de mota quando isso significa que não vou desfrutar de o fazer e à chuva, no estrangeiro enquadra-se nessa situação.A auto-estrada M-11 é uma das mais importantes na Rússia, ao ligar Moscovo a São Petersburgo, as duas maiores cidades do país. Antes do meio dia, descobri que as minhas botas estanques já não o eram e o resto do trajecto ia ser difícil. Precisava de uma estação de serviço para descansar e secar os pés. Este pequeno prazer iria fazer uma enorme diferença…

andardemoto.pt @ 7-10-2019 17:21:00 - Fábio Figueiredo


Auto-estrada M11 - Nada durante kms

Auto-estrada M11 - Nada durante kms


Com o depósito a cerca de um quarto, decidi não parar na primeira bomba de gasolina, que consistia em dois contentores: um para gasolina, outro para gasóleo. Mais nada. Nem café, nem a estação de serviço a que estamos habituados em qualquer auto-estrada. Não faz mal, pensei, quão longe poderá estar a próxima bomba? Mal saí, obtive a resposta: Muito longe, a 75km. O troço que deveria ser feito a velocidade de auto-estrada foi feito a pisar ovos e esses 75km pareceram muitos mais. Finalmente, já bem dentro da reserva, encontrei outra bomba igual. Já não podia ser esquisito.

Infelizmente não se pode atestar nestas bombas: escolhe-se uma quantidade e paga-se. Se for a mais, fica-se sem o dinheiro, se for a menos… Tem de se abastecer novamente. Com o preço da gasolina a menos de 70 cêntimos, não fiz cerimónia. Ajudado por outro utente (os menus são exclusivamente em russo), colocaria 20 litros. Não foi suficiente para atestar. Tinha estado a vapores nos últimos quilómetros.

Continuei caminho. Duzentos e cinquenta quilómetros em auto-estrada parece não ser muito, mas quando se está a marinar em botas frias e molhadas… Já custou menos fazer o dobro da distância.

Tver, na margem do rio Volga

Tver, na margem do rio Volga


Cheguei a Tver, na margem do rio Volga, o maior da Europa e que iria voltar a ver no decorrer da viagem. Estava esgotado, mas cheguei antes das 19, quando a chuva finalmente parou, o que me permitiu ir dar uma caminhada pela cidade. Lamento não ter tido mais tempo para a visitar, mas deu para espairecer. Já tinha passado por algumas pequenas igrejas de cúpulas douradas pelo caminho, que a chuva me impediu de fotografar ou filmar, mas aqui vi palácios majestosos nas margens do rio.

Valeu a pena!

andardemoto.pt @ 7-10-2019 17:21:00 - Fábio Figueiredo