Fábio Figueiredo

Fábio Figueiredo

À procura de um caminho alternativo

OPINIÃO

De Tallinn, Estónia, até ao Cazaquistão - 8ª parte: Estava onde queria.

Estava onde queria. Depois de uma semana na estrada estava preparado.Acordei com um mercado à volta da mota: batatas, cebolas e uma V-Strom. Quero uma dessas, por favor!

Os locais, sempre bem dispostos, perguntaram-me se era polaco, talvez devido ao autocolante com a letra P no guarda lamas. "Nyet, ya portigaliets", que terá algum erro, "Portugal! Ooooh! Mongólia?" Responderia honestamente "não sei, talvez. Por agora Mangystau", desta vez em inglês. O encolher de ombros ajudando na comunicação.

andardemoto.pt @ 7-10-2019 17:21:00 - Fábio Figueiredo


O pequeno almoço mais uma vez transformar-se-ia em almoço, num dos restaurantes ao longo da A-28, a estrada recta e plana que distava em certos pontos umas escassas centenas de metros do rio que limitava o nosso continente.
As estradas cazaques, que imaginava em mau estado estavam em condições medianas no seu pior e boas ou excelentes na sua maioria.
A noite caía sem que eu me decidisse num lugar para acampar, os 500 quilómetros tinham sido, mais uma vez, demasiado optimistas e em pouco tempo já era tarde de mais. 40 quilómetros não seria assim tão mau, pensei. Em estradas destas até dava gosto!


Pouco tempo depois começaram as obras: aquele asfalto velho ranhurado para aderir ao novo piso, que mais parece carris. "Boa", pensei, "nada melhor que estradas destas sem iluminação nem aviso". O destino gosta de nos pregar partidas e nesta altura o piso piorou, adicionando gravilha grossa à mistura, a 20 quilómetros da cidade. Parecia que estava numa estrada de terra batida. À noite. Num país estranho.
Consegui chegar. Uma cidade grande, em dois continentes, cortada pelo rio Ural. Hoje dormiria na Ásia. Precisava desta pequena vitória. A travessia em si foi banal, o rio tinha uns cem metros de largura por onde passei.
O jantar seria na Europa, para poder completar a minha primeira viagem intercontinental de táxi no dia em que fiz a minha primeira viagem do mesmo género de mota.
Não tive oportunidade de provar o caviar, iguaria local. Talvez noutra altura.

andardemoto.pt @ 7-10-2019 17:21:00 - Fábio Figueiredo


Clique aqui para ver mais sobre: Opiniões