Teste Vespa GTS 300 hpe - Desfrutar a Cidade

É verdade que scooters há muitas! Mas o encanto da Vespa GTS é único: mobilidade com muita segurança e um alto estilo!

andardemoto.pt @ 15-9-2019 15:32:33 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Vespa GTS 300 HPE | Scooter | Gama 250cc

Alta mobilidade a par com um estilo inquestionável é apanágio da Vespa. Sobretudo as Vespa “topo de gama” como esta renovada GTS300. A confirmá-lo estão as 430.000 unidades que já foram vendidas por todo o mundo, desde 2003, pelo que a “Big Body” (a versão grande da Vespa) é inegavelmente um sucesso de vendas.

Por isso a Piaggio não hesitou em investir na sua renovação para 2019, providenciando-lhe um novo motor que carrega a responsabilidade de ser o mais potente que alguma vez equipou uma Vespa de fábrica. É que há outras Vespas mais potentes, como a que, por exemplo, pode ver se clicar aqui, mas não têm os motores originais.

Efectivamente o motor monocilíndrico refrigerado por líquido foi completamente revisto, sendo já compatível com a normativa Euro 5. Enverga agora a sigla HPE (High Power Engine), e na prática disponibiliza um pouco mais de 23cv, com 26Nm de binário (um incremento de 12 e 18% respectivamente, em relação à versão anterior), sendo o último repartido mais generosamente pela faixa de rotação mais baixa, o que torna a Vespa GTS 300 hpe numa verdadeira delícia para “navegar”, sobretudo na cidade, no meio do trânsito, por mais caótico que ele seja.

Uma admissão, com entradas de ar redesenhadas e uma alimentação dotada de um injector multi-jet de alta pressão, controlada por uma unidade Magneti Marelli MIUG4 ECU, garante consumos (fornecidos pela marca e conformes com a normativa WMTC) de 3,2 litros/100km, além de um arranque praticamente instantâneo, uma resposta pronta ao acelerador, uma suavidade de funcionamento impressionante e a um ruído de funcionamento agradável e extremamente baixo.

Mas talvez a mais-valia deste novo motor seja o aumento da sua fiabilidade, que agora permite intervalos de manutenção alargados para os 10.000km.

Para o efeito também contribui a nova correia de transmissão, mais robusta, fabricada em materiais que minimizam a fricção e o ruído.

O quadro, ou melhor, o monocoque, e os demais componentes da carenagem, à semelhança de todos os que têm sido produzidos pela Piaggio desde 1946, é integralmente fabricado em aço e garante uma elevada estabilidade e resistência ao conjunto. Efectivamente o aspecto geral é bastante sólido, com bons acabamentos e isento de ruídos parasitas
.


A ciclistica conta com jantes de 12 polegadas, e com travões de disco em ambos os eixos, e a segurança sobe para patamares mais elevados, pois além do obrigatório ABS, a nova Vespa GTS 300 hpe conta também com um sistema de controlo de tracção (ASR) desligável, extremamente útil em pisos de calçada, ou ao passar sobre a sinalização horizontal e sobre os carris de eléctrico, sobretudo em dias de chuva.

Na prática a Vespa GTS 300 hpe é extremamente agradável de conduzir. Mostra-se leve, ágil e rápida, sem ser nervosa, nem intimidante. A resposta ao acelerador é suave e progressiva para ajudar nas manobras, mas sempre pronta. A travagem também não lhe fica atrás, revelando-se mais do que suficiente para uma utilização normal, mesmo a ritmos mais empenhados, mostrando uma mordida progressiva e alguma capacidade de dosagem.

A suspensão tem um excelente comportamento, sendo bastante confortável em pisos mais degradados, mesmo com passageiro. Em curva, proporciona também uma estabilidade elevada que confere muita confiança. 

A posição de condução é tipicamente Vespa, bem elevada, de costas direitas e um guiador baixo. Os espelhos retrovisores estão bem colocados, e não mostram vibrações. O assento é estreito, favorecendo as estaturas menores com os seus 790mm de altura, mas mostra-se confortável para ambos os ocupantes.

O passageiro conta com um espaço amplo, pegas para as mãos e uns poisa-pés escamoteáveis que garantem uma boa postura. No entanto, em manobra, os pés do passageiro interferem com as pernas do condutor.

A protecção aerodinâmica pode e deve ser aumentada com recurso a um pequeno ecrã pára brisas, caso se queira aproveitar a apetência estradista deste “Vespone”, apesar da diminuta capacidade do seu depósito de combustível, cujos 7 litros de capacidade limitam a autonomia prática a bastante menos de 200km.

Em termos de bagagem a limitação também é grande, com o espaço debaixo do assento a servir para talvez guardar dois capacetes Jet, de dimensões reduzidas (os capacetes mais volumosos não entram nem um de cada vez), e um porta bagagens no painel frontal que apenas permite guardar a carteira, o telefone e pouco mais. No entanto, tem fechadura e uma tomada USB para carga. Para compensar, o gancho de suporte colocado no painel frontal e o amplo espaço para as pernas permite transportar sacos ou mochilas bastante volumosos sem afectar a condução.

Esteticamente, e fazendo fé nos comentários a que pude assistir ao longo dos dias em que andei a testá-la e aos que ouvi durante a sessão de fotos a que a Márcia acedeu em colaborar, esta é provavelmente uma das mais bem conseguidas Vespas de sempre.

A Iluminação por LED, onde se destaca o novo desenho do farolim traseiro, e a nova “gravata” frontal a lembrar a da nova Vespa Primavera, são factores que apesar de parecerem insignificantes, chamam ainda mais a atenção sobre o conjunto, de linhas limpas, que fica particularmente favorecido nesta côr “Relax Green”.


A Vespa GTS 300 hpe que aqui lhe trago é a versão base, a partir da qual a oferta se reparte por mais quatro modelos: a versão Touring, com ecrã pára-brisas e suporte de bagagem na traseira, a versão Super, que evoca modelos míticos da marca, como a Vespa 180 SS de 1965  ou a T5 “Pole Position” de 1985, e que se destaca pelas suas jantes pintadas de negro, e a versão SuperSport, que além das jantes em negro ainda apresenta duas opções de cor mate e gráficos de estilo desportivo.

O topo de gama é a Vespa GTS SuperTech que está equipada com um painel de instrumentos integralmente digital, com um painel TFT, a cor integral, de 4,3 polegadas, que serve também de interface ao sistema de conectividade Vespa MIA, que permite a ligação a um smartphone.

No total são 13 cores diferentes e uma alargada gama de acessórios oficiais que estão disponíveis na rede de concessionários Piaggio em Portugal (clique aqui para ver qual está mais perto de si).

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Vespa GTS 300 HPE | Scooter | Gama 250cc

andardemoto.pt @ 15-9-2019 15:32:33 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Luis Duarte