Teste Super Soco TC MAX - Simplicidade Sustentável

Reduzida ao essencial, como uma cafe racer do passado, a Super Soco TC MAX é a evolução tecnológica de um conceito que ainda hoje é venerado por muitos motociclistas.

andardemoto.pt @ 13-4-2021 08:33:00 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Luis Duarte

A Vmoto Soco tem vindo a desenvolver a Super Soco ao longo dos últimos anos. Com uma forte aposta na qualidade, a marca de Xangai distingue-se por linhas leves, neo-clássicas, e uma forte aposta na simplicidade e funcionalidade.

Por isso, a Super Soco TC MAX que me foi disponibilizada para teste, revelou-se uma agradável surpresa. Outras motos elétricas que já tive oportunidade de testar, ambicionavam competir com motos de média ou até mesmo de alta cilindrada, pecando todas por peso bastante elevado e autonomias bastante reduzidas que dificilmente permitiam sair para longe dos centros urbanos.

No entanto, onde os veículos elétricos fazem falta é precisamente nas cidades, onde a cavalagem e a autonomia não são fatores importantes. 

Sabendo isso, e com os conhecimentos do seu imenso mercado interno, onde os veículos elétricos já são algo comum, a Vmoto aposta em soluções de mobilidade que primam por uma grande simplicidade e um grande prazer de condução.

Como tal esta Super Soco TC, MAX, equivalente a uma moto convencional de 125cc, revela-se extremamente prazenteira mal começamos a rolar.

A ligeireza sentida desde que nos sentamos nela parece inclusivamente aumentar com a velocidade, sendo extremamente rápida nos arranques, conseguindo alcançar facilmente os 90 quilómetros por hora, ao mesmo tempo que mostra uma grande agilidade e proporciona uma enorme confiança a curvar. 

A suspensão é bastante confortável, mas não compromete o comportamento em curva, mesmo quando se começa a aumentar o ritmo de condução.

A travagem potente, apesar de pouco doseável, e de efeito combinado, contribui para aumentar a confiança, sobretudo aos menos experientes.

Em termos de autonomia a Super Soco TC MAX é realmente uma recordista. Graças à sua bateria de 72V e 45Ah, conseguem-se facilmente autonomias superiores a 100 quilómetros sem grandes preocupações de contenção.

Até porque o motor convida, em cada rodar de punho, a que se desfrute da boa aceleração, do seu discreto mas viciante silvar (sim, os motores elétricos também podem ter sonoridade) e da rapidez da resposta proporcionada pelo binário de 180Nm. 


O carregamento da bateria removível, que pesa 22 quilos, é feito a partir de uma vulgar tomada de 220V e uma carga completa demorará cerca de oito horas com o carregador de série, podendo optar-se por adquirir um carregador de maior capacidade que reduz o tempo de carga para 5 horas.

O seu preço não é uma pechincha. Com uma etiqueta de 5.316 euros, situa-se ao nível do das 125cc de caixa mais caras do mercado, como as Yamaha R125 ou MT-125, a Aprilia RS 125 ou a KTM 125 Duke, mas compensa em termos de sensações e proporciona uma mudança radical na mentalidade e no estilo de vida de cada um.

Por outro lado, o custo de utilização, com cada carga de bateria a rondar 1 euro, e a não existência de grandes manutenções, como as revisões e as mudanças de óleo, amortizam o investimento.

Isto para não falar na qualidade de construção e no elevado nível dos acabamentos que se traduz na ausência de ruídos, vibrações e chocalheiras, e que confere a grande sensação de solidez que a Super Soco TC MAX transmite.


Peças de alumínio por todo o lado, como o braço oscilante, o descanso lateral e os suportes dos poisa-pés, forquilha telescópica invertida, amortecedor regulável, tubos dos travões reforçados a malha de aço, discos de 240mm de diâmetro, iluminação por LED com luz diurna de alto brilho e jantes de 17 polegadas (raiadas neste modelo específico), são alguns dos componentes que merecem destaque relativamente à qualidade de construção.

Como se pretende de um transporte urbano de alta mobilidade, a simplicidade e a praticidade são os principais requisitos. E nisso a Vmoto Soco é de uma eficácia invejável. A começar pelo comando remoto para ligar ou imobilizar a moto, passando pelo painel de instrumentos minimalista e pela ausência de comandos nos pés, já que o travão da roda traseira é, à semelhança das scooters, activado pela manete esquerda.

Não há espaços de arrumação, excepção feita ao carregador da bateria que tem um compartimento dedicado debaixo da tampa do que seria, numa moto convencional, o depósito de combustível. 


Em andamento pode optar-se por 3 modos de condução, selecionáveis num único botão instalado ao alcance do polegar direito, que se podem mudar em andamento sem ser necessário desacelerar, e que permitem gerir a autonomia e tentar optimizar a eficiência energética.

No modo menos ecológico a Super Soco TC MAX revela todo o seu potencial que, para andar em áreas metropolitanas é mais do que suficiente. Mesmo em pequenos troços de auto-estrada, a velocidade máxima a rondar os 100km/h permite manter ritmos que acompanhem o trânsito sem dificuldade.

No entanto, será em locais de tráfego mais intenso que a Super Soco TC MAX vai brilhar. A grande agilidade, graças a uma boa brecagem e à leveza e precisão da direção, aliada a uma boa posição de condução, permite manobrar com extrema facilidade.

O assento, a apenas 770mm do chão, permite colocar ambos os pés bem assentes no chão, mesmo aos motociclistas de mais baixa estatura.



O design é de inspiração retro e, para celebrar o tema, a direção é trancada como nas motos de antigamente, com uma fechadura mecânica de accionamento manual, por chave convencional, colocada por debaixo da mesa inferior da direção.

Apesar de pessoalmente achar que uma scooter é o tipo veículo mais indicado para uma mobilidade urbana intensiva, tenho de admitir que, para certo tipo de utilizações, a Super Soco TC MAX pode ser uma companheira muito interessante, além de ser uma peça de design bastante bem conseguida, que por tudo isso vai alegrar bastante o dia-a-dia do seu proprietário..


andardemoto.pt @ 13-4-2021 08:33:00 - Texto: Rogério Carmo | Fotos: Luis Duarte


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives