MotoGP – Suzuki e Alex Rins ficam juntos até final de 2022

Piloto espanhol oficializou o novo contrato com a Suzuki Racing e fica ligado à equipa de fábrica japonesa até final de 2022.

andardemoto.pt @ 20-4-2020 12:45:06


O Mundial de Velocidade pode estar parado enquanto durar a situação de emergência devido à pandemia Covid-19, mas há coisas que não podem parar. A negociação de novos contratos para pilotos é uma delas.

Embora as negociações fiquem um pouco mais complicadas, até porque equipas que estejam potencialmente interessadas num determinado piloto não o podem ver em ação atualmente, há pilotos que já têm o seu futuro praticamente definido pelas prestações conseguidas em temporadas anteriores e a sua ligação às equipas.

Um desses casos é Alex Rins, que, tal como o Andar de Moto já tinha confirmado quando se realizou a apresentação da equipa Ecstar Suzuki nos testes de Sepang, estava já comprometido com a sua atual equipa por mais duas temporadas.

LEIA TAMBÉM – EQUIPA ECSTAR SUZUKI APRESENTADA EM SEPANG




Desse momento, no início de fevereiro, passaram cerca de dois meses e meio, mas finalmente Alex Rins e a Suzuki Racing decidiram anunciar oficialmente a renovação de contrato do piloto espanhol, com a duração do novo contrato a estender-se até final de 2022.

Chegado à categoria rainha MotoGP em 2017 diretamente pelas mãos da Ecstar Suzuki, e Rins conseguiu assumir-se como um dos principais pilotos de MotoGP, e desde então subiu na estrutura da equipa para se tornar no principal piloto da fábrica de Hamamatsu.

Depois de uma primeira temporada de adaptação às potentes MotoGP, e onde teve de enfrentar uma grave lesão na primeira metade de 2017, eventualmente Alex Rins recuperou, e na segunda temporada aos comandos da GSX-RR assegurou o seu primeiro pódio em MotoGP, um terceiro lugar no Grande Prémio da Argentina.

LEIA TAMBÉM – APRESENTAÇÃO DA EQUIPA ECSTAR SUZUKI




Mas foi em 2019 que Alex Rins saltou para a ribalta em definitivo.

Apesar de notórias dificuldades durante as qualificações, o piloto de 24 anos foi obtendo resultados consistentes nas corridas. A sua primeira vitória aconteceu no Grande Prémio das Américas, e a segunda vitória foi assegurada de forma dramática e espetacular, sobre a linha de meta, no Grande Prémio do Reino Unido.

Já esta temporada de 2020 começou bem para Alex Rins.

Nos testes de pré-temporada em Sepang e Qatar, o espanhol mostrou um ritmo bastante interessante aos comandos da nova Suzuki GSX-RR, e promete ser um candidato às vitórias, e quem sabe ao título na categoria MotoGP.

LEIA TAMBÉM – VEJA AQUI A EVOLUÇÃO DA SUZUKI GSV-R E GSX-RR



Shinichi Sahara, diretor de projeto MotoGP da Suzuki Racing

“Esta renovação por mais dois anos com o Alex Rins deixa-nos, a mim e à Suzuki, muito orgulhosos porque representa um bloco na construção do nosso projeto de fazer crescer pilotos jovens e evoluir com eles. Com esta extensão, ficamos com um piloto talentoso, jovem, determinado e rápido como é o Alex por seis anos e isso é precisamente o que queríamos quando assinámos com ele pela primeira vez em 2017. Ele cresceu muito, e com ele também a sua equipa. Conseguimos pódios e vitórias, e sinto que o melhor ainda está para vir”.

Davide Brivio, diretor da equipa Ecstar Suzuki

“Estamos muito contentes por confirmar o Alex Rins como piloto de fábrica da Suzuki em MotoGP por mais duas temporadas. Com este acordo levamos a nossa relação para seis anos, e pensamos que esta estabilidade será positiva para todos nós. Devo dizer que este acordo apenas precisava de um carimbo, pois tanto a Suzuki como o Alex queriam continuar juntos, e o acordo base já foi conseguido há meses. Agora que tudo está finalmente acertado, podemos anunciar com orgulho”.

Alex Rins, piloto de MotoGP da Ecstar Suzuki

“O meu desejo era continuar com a Suzuki, e finalmente foi isso que fiz. Penso que o projeto tem o potencial de ser um vencedor, eu tenho o desejo de vencer, e portanto somos um par perfeito. É o local correto para mim, e estamos a trabalhar arduamente todos juntos para conseguir grandes resultados. Sempre acreditei na equipa e por essa razão foi muito fácil conseguir delinear o acordo muito cedo. Depois foi o tempo de finalizar o detalhes e seguir o processo interno. Agora temos de perceber o que vai acontecer em 2020, estamos prontos para competir ao nível máximo, como já o mostrámos nos testes de pré-temporada. Neste preciso momento o mundo está a enfrentar uma situação inesperada que afeta praticamente todos os os países e temos de ver como a situação evolve”.

andardemoto.pt @ 20-4-2020 12:45:06


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto