Obituário - Paulo Pinheiro

CEO do AIA faleceu

A notícia do falecimento de Paulo Pinheiro, criador e CEO do Autódromo Internacional do Algarve, caiu como uma bomba, causando consternação em todos que o conheciam e admiravam.

andardemoto.pt @ 11-7-2024 01:49:46 - Paulo Araújo

Homenagens e sentidas condolências ainda não pararam de chegar ao circuito, de que Paulo Pinheiro era agora presidente do conselho de administração, todas expressando pesar e surpresa.

Porque, pela sua dimensão profissional e humana, entusiasmo, empreendedorismo, capacidade de realização e ao mesmo tempo simplicidade, era daquelas pessoas que nunca deviam faltar…

Um apaixonado por motores e desporto motorizado, Paulo correu de moto nos anos 90, seguia a Formula 1 e, longe de fazer disso apenas um hobby para si, pensou em criar uma estrutura que beneficiasse todos: entusiastas, praticantes, e o “seu” Algarve.


Com o autor em 2008

Com o autor em 2008

Com isso em mente, pressionou a construtora onde era engenheiro a “escapar do betão”, como ele próprio contava. A decisão de construir e operar um Autódromo no Algarve, para alguns loucura, para outros utopia, foi tomada, como o próprio contou, com a sua habitual mistura de entusiasmo e humor, quando numa tentativa de o fazer desistir, sugeriram que telefonasse para Jerez a perguntar quanto custava marcar o circuito de velocidade.

Quando a pergunta veio do outro lado “Para que ano?”, intimando o nível de utilização do traçado, Paulo conseguiu a aprovação do seu objetivo e a Parkalgar passou a operar como uma sociedade promotora de uma infraestrutura… que ainda não existia. 

Impulsionando a presença de Miguel Praia no Mundial de SBK, Paulo Pinheiro viajou pelos circuitos no mundo a tomar notas, registando tudo o que queria incorporar e fazer melhor no seu circuito. Uma vez planeado, construído e inaugurado, o elogio universal de pilotos, equipas e promotores confirmou que acertara na mouche.


Com o famoso jornalista Alan Cathcart

Com o famoso jornalista Alan Cathcart

O traçado aprovado, com variantes contempladas, era empolgante, técnico, ao mesmo tempo desafiante e algo assustador. O tamanho do “paddock”, referencial, já com os Campeonatos internacionais em mente. Vastas áreas para espetadores, amplos acessos, parqueamento, uma torre VIP com acesso direto, instalações comerciais e de hotelaria. 

Parte do complexo, construído com avançados conceitos de reciclagem de águas residuais e sustentabilidade, incluía um kartódromo, pista de cross e uma zona de apartamentos de luxo.

Primeiro, veio o Mundial de SBK, que fez do traçado a sua casa em Portugal desde 2008. Seguiram-se Campeonatos de GTs, Turismos, protótipos, e, finalmente, a Formula 1. 

O caminho não foi fácil… até porque a dada altura havia "outro" Autódromo concorrente, financiado por dinheiros públicos.


Com Miguel Praia e Eugene Laverty

Com Miguel Praia e Eugene Laverty

Só vencer as invejas, os contratempos, a burocracia dos licenciamentos, poderia ter levado outros a desistir. Paulo Pinheiro nunca fraquejou, antes, rodeou-se de uma equipa que não arredou pé. A dada altura, mesmo antes da inauguração, ele e alguns colaboradores próximos tinham trabalhado continuamente no circuito durante 200 dias.

No campo desportivo, também a Parkalgar marcou presença. A equipa do circuito lutou pelo título mundial de Supersport com Josh Hayes e Eugene Laverty, que por pouco não o levou... e teve alguns dos melhores resultados dum piloto nacional com Miguel Praia.

Agora, aos 52 anos, uma doença súbita levou Paulo Pinheiro… só podemos dizer, descanse em paz, dar os mais sentidos pêsames à família e colegas, e tirar alguma satisfação do privilégio que foi conhecê-lo e de saber que os que privaram com ele nunca, nunca, o esquecerão!


andardemoto.pt @ 11-7-2024 01:49:46 - Paulo Araújo


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto