Cagiva regressa sob a forma de motos eléctricas

Numa recente entrevista, Timur Sardarov, o novo presidente da MV Agusta, garante que a marca vai regressar ao mercado ainda em 2020, com veículos eléctricos urbanos.

andardemoto.pt @ 10-2-2020 18:55:07

A mítica marca italiana que, entre outras façanhas no mundo das motos, venceu a edição de 1990 do Rally Dakar, com a Cagiva Elefant 900, vai regressar aos mercados. Quem o afirma é Timur Sardarov, o novo presidente da MV Agusta, que detém os direitos da Cagiva, marca nascida para o motociclismo em 1978, pela mão do grande visionário das motos Claudio Castiglioni, em Varese.

A Cagiva chegou a ser sede de um império, reunindo no seu seio nomes como Pierre Terblanche, Miguel Angel Galluzzi e Massimo Tamburini, e englobado marcas tão famosas como a Ducati e a Moto Morini (em 1985) a Husqvarna (em 1987) e a MV Agusta (em 1991).


A última Cagiva a sair da linha de produção remonta a 2012. Entretanto a marca tem estado hibernada, enquanto a MV Agusta esteve ocupada a sarar as feridas causadas por uma série de contratempos, e apenas agora, depois da casa arrumada com recurso a um financiamento privado da família Sardarov, é que a Cagiva pode eventualmente voltar ao mercado.  Mas desta feita, a famosa marca italiana vai regressar sob a forma de motos eléctricas. 

Já em 2018 Giovanni Castiglioni, que então geria os desígnios da marca criada por seu pai, tinha admitido que a Cagiva poderia ressurgir sob a forma de motos eléctricas. Mas foi agora que Timur Sardarov, recentemente nomeado CEO da MV Agusta, anunciou os desígnios da marca:

“Dentro dos próximos 12 meses vão sair das linhas de produção as primeiras Cagiva eléctricas. Mas não esperem motos de elevado desempenho, pois vamos focar a produção em modelos urbanos, com potências a rondar os 4Kw (5,3cv), que façam a ponte entre as bicicletas e as motos de alta potência.” declarou Sardarov numa recente entrevista.


Ainda não são conhecidos nenhuns planos nem imagens das novas Cagivas, mas o que é certo é que a MV Agusta celebrou recentemente um acordo com a chinesa Loncin, que através da sua marca de luxo Voge acaba de apresentar ao mundo (na EICMA 2019) uma moto eléctrica, a ER 10 cujas características encaixam na perfeição com a descrição das futuras Cagivas, já que se trata de um motociclo equivalente a 125 e a 250cc pensado sobretudo para as deslocações em cidade.

Bate tudo certo, resta-nos esperar para ver se a Cagiva consegue novamente tirar da cartola uma moto que, apesar da baixa potência, consegue envergonhar muitas motos maiores, como foi o caso da mítica Cagiva Mito.

Em 1994 a Cagiva Mito foi redesenhada por Massimo Tamburini, demonstrando uma forte inspiração nas linhas das Ducati 916. O seu motor a dois tempos, com 125cc, debitava 34 cavalos de potência, o que, aliado a um peso de apenas 129 quilos, permitia velocidades máximas a rondar os 170km/h.

Em 1994 a Cagiva Mito foi redesenhada por Massimo Tamburini, demonstrando uma forte inspiração nas linhas das Ducati 916. O seu motor a dois tempos, com 125cc, debitava 34 cavalos de potência, o que, aliado a um peso de apenas 129 quilos, permitia velocidades máximas a rondar os 170km/h.

andardemoto.pt @ 10-2-2020 18:55:07


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews