Aprilia desenvolve sistema anti-compressão da forquilha

Descobertas patentes que a marca italiana registou de um sistema de evita o afundar em demasia da frente da moto em travagem. Nos anos 80 do século passado diversas marcas usaram sistemas “anti-dive”, e agora parece que a Aprilia encontrou uma forma de reavivar essa tecnologia.

andardemoto.pt @ 20-3-2020 15:09:13

Numa altura em que muitos de nós estamos confinados aos limites da nossa casa – ou garagem para cuidar da nossa moto -, a verdade é que temos mais tempo para “navegar” pela internet e descobrir alguns dos segredos que os fabricantes estão a desenvolver, possivelmente para uma aplicação em motos de produção.

É o caso da Aprilia.

A casa de Noale deixou escapar um conjunto de esquemas incluídos numa patente de um sistema que limita o afundar da dianteira da moto sob travagem.

Se é um leitor mais atento e com idade suficiente, saberá que um sistema deste tipo não é novidade! Na verdade diversos fabricantes testaram e desenvolveram esta tecnologia nos anos 80 do século passado.

A Kawasaki apresentou o AVDS – Automatic Variable Damping System, a Suzuki apresentou o ANDF – Anti Nose Dive Forks, enquanto a Honda escolheu o TRAC – Torque Reactive Anti-dive Control.


Estes sistemas foram apenas alguns dos que foram desenvolvidos na altura, e apesar dos nomes diferentes, todos tinham como objetivo evitar que a forquilha comprimisse em demasia quando o condutor apertava a manete do travão dianteiro.

Ao alterar a compressão no momento da travagem, estes sistemas de facto evitavam que a frente afundasse, mas ao mesmo tempo criavam uma série de outros problemas, principalmente tornando a suspensão dianteira demasiado rija, o que por sua vez causava uma tolerância demasiado curta para a suspensão frontal absorver os ressaltos nas zonas de travagem.

Este tipo de sistemas foi então abandonado... mas cerca de 40 anos depois está de volta!


As forquilhas usadas nas motos atuais são extremamente evoluídas, e a Aprilia pretende aproveitar o que de melhor elas têm para oferecer, adicionando os benefícios do seu sistema “anti-dive”. Em vez de recorrer ao hidráulico e assim alterar as afinações de compressão, recorre à física para controlar o afundamento da dianteira.

O sistema da casa de Noale dá uso a um suporte de pinça de travão que pode rodar alguns graus em relação ao eixo da roda. Para além disso o sistema inclui também uma vareta (componente #73 nos esquemas) ligada a um suporte fixo à base da bainha (componente #68 nos esquemas). Este suporte movimenta-se de acordo com a compressão da bainha.

O mecanismo funciona de forma relativamente simples.

A partir do momento em que o condutor aplica força na manete dos travões dianteiros, a frente começa a baixar, e nesse momento a pinça de travão tenta rodar na mesma direção do movimento da roda. A força criada no suporte da vareta ligada à bainha é contrário ao da força de compressão.

O suporte da vareta roda de acordo com a compressão da forquilha e tem uma reentrância com uma curvatura específica onde está um rolamento que se movimenta (componente #82,84 nos esquemas).

Na posição mais baixa do rolamento (ver Figura 1), a força anti-compressão está no seu máximo. Ao longo do curso da forquilha o rolamento vai-se movimentando para o topo da reentrância (ver Figuras 6 e 8). Quando atinge o topo, a força anti-compressão está no seu mínimo.

Isto permite à Aprilia controlar de forma diferenciada a força anti-compressão ao longo do curso da roda enquanto a forquilha comprime.

Conforme a compressão da forquilha acontece e o pneu vai atingindo o limite da aderência, o efeito anti-compressão vai desaparecendo, com a suspensão a poder absorver os ressaltos dando ao condutor as sensações habituais e necessárias para controlar a moto.

O sistema “anti-dive” ou anti-afundamento da Aprilia consegue assim responder à necessidade de evitar o baixar da frente no momento inicial da travagem, que acontece em linha reta e com a moto direita.

E o melhor é que a Aprilia pode até modificar a percentagem da força anti-compressão conforme as necessidades, algo que seria extremamente benéfico num contexto de competição. Bastará instalar um suporte de vareta com uma curvatura diferente, e assim a força aplicada na bainha será menor ou maior conforme o piloto deseje ou o circuito assim obrigue.

andardemoto.pt @ 20-3-2020 15:09:13


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews