Setor das duas rodas em Portugal adapta-se ao Covid-19

Falámos com diversos representantes de marcas em solo nacional para saber como é que a pandemia Covid-19 poderá afetar o mercado das duas rodas em Portugal. Com o volume de negócios a abrandar, as marcas prometem adaptar-se à nova realidade com medidas especiais. - EM ATUALIZAÇÃO

andardemoto.pt @ 24-3-2020 13:16:15

O impacto da pandemia Covid-19 no setor das duas rodas será grande, tal como acontece em muitas outras áreas da nossa vida. Já vimos como é que a nível europeu esta pandemia está a afetar o motociclismo, e agora também conseguimos fazer uma pequena análise do impacto a nível nacional.

Em Portugal, e depois do decretar de estado de emergência nacional pelo Presidente da República e dos decretos aprovados no Parlamento, que limitaram as nossas liberdades e obrigaram muitos negócios a fechar portas, o setor das duas rodas foi obrigado a adaptar-se às contingências do momento que vivemos.

As oficinas estão abrangidas pelo Decreto de Lei nos negócios que podem permanecer abertos mesmo durante este período de emergência nacional que está em vigor.

Nesse sentido, falámos com diversos representantes em Portugal de marcas de motos, e para perceber como é que o encerramento das fábricas e operações na Europa pode afetar o setor em Portugal.

Miguel Vasconcelos, da Officina Moto, importador da Aprilia e Moto Guzzi, diz que “Já há bastante tempo que nos apercebemos do potencial de gravidade desta situação. Penso ser fundamental estabelecer um equilíbrio entre a necessidade de “pagar salários” e acautelar a saúde dos funcionários da empresa e do público em geral. Dito isto, se a balança pende para algum lado, com certeza que é para a salvaguarda da saúde de todos, e tem sido essa a nossa grande preocupação e o nosso mote de trabalho. Lojas a funcionar apenas por marcação, ou seja, os clientes podem comprar motos, acessórios ou peças, desde que seja por marcação prévia, uma vez que as portas estão fechadas e apenas se contacta com os clientes marcados. Neste ponto, consideramos, em particular, que algumas pessoas têm moto como único meio de transporte, necessário e insubstituível, sem o qual teriam a vida muito dificultada”.

Miguel Vasconcelos garante que a Officina Moto irá sempre fazer uma avaliação de acordo com as medidas decretadas pelo Governo, e se necessário levar a cabo novas medidas.

Apesar de todos os problemas relacionados com o Covid-19, e tendo em conta que tanto as Aprilia como as Moto Guzzi são produzidas em Itália, país gravemente afetado pela pandemia, a Officina Moto não tem de momento indicação de que existam falhas no fornecimento “pois em Itália estão a trabalhar de forma remota, não temos, até à data, nenhum cancelamento, muito embora os transportes estejam mais demorados”.

Há no entanto outras situações que sofreram alterações, como explica Miguel Vasconcelos: “No contexto comercial, ao momento, esta pandemia teve como efeitos mais graves o cancelamento de todas as iniciativas preparadas pelas nossas marcas que implicavam atividades no exterior, como deslocações a Itália e em Portugal. Um trabalho desenvolvido pela empresa desde outubro do ano passado, que agora desaparece”.

A BMW Motorrad Portugal também adotou uma estratégia que visa minimizar o impacto da pandemia no negócio. A marca alemã garante que “Os serviços habituais de suporte online ou à distância continuam disponíveis, nomeadamente: marcações oficina online, showroom virtual e pedidos de interação com a Rede Concessionários, localizador viaturas usadas, serviços de deslocação a casa. As nossas equipas estão habilitadas e poderão disponibilizar vídeos online dos produtos ou realizar um contacto online de modo a providenciar todo o apoio”.

Para além disso, a BMW Motorrad Portugal reafirma que os clientes podem continuar a encontrar no website oficial da marca a informação atualizada de toda a rede de serviços disponíveis. Esta informação será atualizada todos os dias.


Quanto à Ducati, os dois concessionários da marca em Portugal, a Ducati Lisboa e Ducati Norte, anunciaram nas respetivas páginas de Facebook que têm as suas instalações encerradas por tempo indeterminado.

No entanto os clientes Ducati poderão continuar a contactar os concessionários da marca no sentido de obterem informações ou ajuda. Aqui ficam os contactos:

Ducati Lisboa
Geral – geral@ducatilisboa.com 
Departamento Comercial – 914 544 599 / 914 380 226
Ducati Service (assistência técnica) – 969 430 049 / 917 946 564

Ducati Norte
Área Comercial – josecosta@ducatinorte.pt / paulo.mesquita@ducatinorte.pt ou através dos telemóveis 917 516 222 / 914 532 288
Pós-venda – pecas@ducatinorte.pt ou 913 151 700

A Honda Portugal, através do responsável de comunicação e vendas, Carlos Cerqueira, confirmou que a marca japonesa não sofreu qualquer limitação na disponibilidade de produtos, mas “Estamos numa fase em que a prioridade é a defesa da segurança na saúde de todas as pessoas e profissionais ligados à nossa atividade de negócio, pelo que iremos adotar todas as medidas recomendadas pelas autoridades. A situação é imprevisível, mas haverá um período com recolhimento da população pelo que se espera ausência na procura de serviços”.

Em relação à Harley-Davidson, a informação que nos foi possível obter aponta para que enquanto o estado de emergência nacional estiver a vigorar em Portugal, os concessionários da marca vão permanecer fechados.

Quem também não regista qualquer problema em termos de disponibilidade de motos e material é a Kawasaki. Em Portugal a marca é representada pelo grupo Multimoto, e falámos com o diretor comercial Paulo Anjos para perceber se são esperadas falhas no fornecimento de motos e peças:

“Relativamente à Kawasaki, já recebemos praticamente todas unidades do nosso forecast para 2020, estando previsto até 4 de abril (já estão em alto mar) os restantes contentores provenientes do Japão e Tailândia. Temos neste momento em stock todos os modelos da gama de 2020, incluindo a Z H2 que foi o último modelo da gama 2020 a chegar a Portugal. Os “key models” da Kawasaki, Z400, Ninja 400, Z650, Ninja 650, Vulcan S, Versys 650, Z900, Z900 RS, Ninja 1000SX, Versys 1000 temos em stock todas as cores para entrega. Resumindo, não vamos ter qualquer impacto no que respeita a entrega de motos e peças/acessórios de origem (a Kawasaki Motor Europe está a funcionar normalmente), tendo apenas algumas falhas nas versões “Performance” ou “Tourer”, dado que estamos dependentes de empresas externas à Kawasaki”.


A Triumph Portugal confirmou que desde dia 16 de março não tem antendimento ao público nos seus concessionários de Lisboa e Porto.

Aqui fica o comunicado oficial da Triumph Portugal sobre esta situação

“Em virtude da emergência nacional relacionada com a pandemia Covid-19, os concessionários Triumph em Portugal implementaram um Plano de Contingência no mais rigoroso respeito pelas decisões das autoridades de Saúde do Estado Português. Nesse sentido, comunicamos que desde dia 16 de março, as nossas instalações encontram-se encerradas ao público. Lamentamos o incómodo causado, mas acreditamos que todos compreenderão a necessidade imperiosa da tomada de medidas para nos protegermos, bem como a todos que connosco contactam. Unidos, conscientes, previdentes e cumpridores ultrapassaremos este momento difícil. Apesar das limitações, estamos disponíveis para contacto através do mail info@triumphportugal.pt ou nas redes sociais da Triumph Portugal”.

Ficamos assim a perceber que o setor das duas rodas está a adaptar-se rapidamente às mudanças no seu funcionamento em virtude da pandemia Covid-19.

Em Portugal, de momento, não existem falhas na disponibilidade de peças de substituição, pelo menos nas marcas aqui referidas, e tudo aponta para que quando a situação nacional melhore, os motociclistas consigam deslocar-se aos concessionários das marcas e comprar os mais recentes modelos sem ter de esperar muito.


Também a Moteo Portugal, que no nosso país representa marcas como Suzuki, SYM e Peugeot Scooters, deu-nos conta da situação que atravessa a sua rede de concessionários nestes dias de emergência nacional.

De acordo com a Moteo Portugal, cerca de 70% dos seus concessionários continuam em funcionamento, embora com diversas restrições que decorrem das medidas decretadas pelo Governo, e inclusivamente já finalizaram o processo de venda de diversas motos nos últimos dias, com a entrega das motos aos respetivos proprietários.

Assim, os clientes que, por exemplo, necessitem de peças para as suas motos, deverão contactar os concessionários da Suzuki, SYM ou Peugeot Scooters no sentido de saber qual a melhor forma de resolver a sua situação. Apesar do contacto com o público estar limitado e dentro dos parâmetros definidos pelo Governo, a Moteo Portugal refere que atualmente não existem problemas ou limitações ao nível do fornecimento de peças de substituição.

Por sua vez, a Yamaha Motor Portugal afina pelo mesmo “diapasão” dos restantes representantes de marcas em território nacional.

De acordo com um e-mail que recebemos da Yamaha, “O funcionamento da YMP, bem como da sua rede de concessionários autorizados, encontra-se limitado pelas imposições decorrentes do estado de emergência pública que todo o país está a cumprir. Ainda assim, a maioria dos concessionários está a laborar, apenas no que diz respeito à manutenção / reparação, ou seja, a partir da oficina, de resto, tal como previsto no articulado relativo ao estado de emergência. Por esta via, garantimos a manutenção e reparação das motos e scooters dos nossos clientes, que, nesta fase complicada das nossas vidas, precisem de o fazer. Nos casos necessários, e dentro dos atuais limites legais em vigor, cada concessionário – querendo – estará igualmente em condições de assegurar a entrega de motos tal como já antes previsto com encomendas de clientes, em carteira”.

Já em relação à disponibilidade de peças e motos, a Yamaha Motor Portugal garante que “Por enquanto, e desde que as fronteiras não sejam fechadas ao trânsito de mercadorias, podemos assegurar a entrega de todos os nossos produtos. O encerramento de fábricas, mas acima de tudo, o encerramento de fábricas de fornecedores de componentes – espalhadas um pouco por todo o mundo – irá gerar uma natural quebra no fornecimento tal como estava previsto e planeado. Em todo o caso, estamos convictos que esse facto poderá criar algum constrangimento, não no imediato, mas mais próximo da entrada do verão, por força do ciclo logístico e tendo em conta especialmente todos os modelos oriundos de fábricas localizadas na Ásia. Ao contrário, no caso da única fábrica que temos na Europa, neste momento, já estamos a sentir os efeitos imediatos que decorrem do encerramento temporário da MBK em França”, tal como o Andar de Moto já tinha avançado aqui.

Já a Jetmar, que representa no nosso país as marcas KTM e Husqvarna, marcas que foram das primeiras a ver a sua produção limitada pela pandemia Covid-19 quando a Pierer Mobility AG decidiu parar a produção, confirma também que grande parte dos seus concessionários permanece em funcionamento mas à porta fechada,  existindo uma menor percentagem que optou por fechar a sua atividade.

Em relação às motos KTM e Husqvarna, e a todo o material de manutenção e peças, a Jetmar confirma que não regista qualquer problema, pois continua a existir a possibilidade de transporte e circulação de mercadorias, admitindo que “Tudo se mantém dentro do possível, não obstante os eventuais atrasos inerentes à situação. O futuro, como em todo o mundo, permanece uma incógnita. Sabemos sim que urge ultrapassar primeiro a crise viral e depois enfrentar a crise económica com as suas variadas vertentes”.

Ainda em relação às KTM e Husqvarna, falámos com a Caismotor que nos indicou as medidas tomadas após o estado de emergência nacional ter sido decretado.

A Caismotor anunciou quatro pontos que são aplicados nestes dias de pandemia Covid-19:

1 – Loja / Área Comercial por marcação através de email e telefone.

2 – Oficina - Horário: Segunda a sexta-feira: das 9h00 às 13h00 e das 14h30 às 17h30. Encerra ao fim-de-semana.

3 – Compras online continuam em funcionamento.

4 – Durante este período estão suspensos todos os “drive test” e as motos de cortesia, até indicação em contrário.

Para além disto, a Caismotor revela ainda que está a cumprir as indicações da Direção Geral de Saúde, ou seja, estão a dar preferência a contactos por e-mail ou telefone. Os clientes que necessitem de contactar a Caismotor poderão fazer através dos seguintes contactos:

Caismotor Cascais: vendas@caismotor.com; Sérgio Baleia – 912 559 655
Caismotor Lisboa: vendas.lisboa@caismotor.com; Pedro Barbosa – 914 816 302
Caismotor Benfica: vendas.benfica@caismotor.com; Carlos Lebre – 918 712 026

andardemoto.pt @ 24-3-2020 13:16:15


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews