ACEM pede à União Europeia ajuda para a indústria das duas rodas

A crise causada pela pandemia Covid-19 levou a Associação Europeia de Fabricantes de Motos a pedir ajuda à União Europeia. Em causa estão milhares de empregos e de motos Euro 4 que permanecem em stock nos concessionários.

andardemoto.pt @ 27-5-2020 10:40:31

O mercado das duas rodas na Europa sofreu danos significativos em resultado da pandemia Covid-19. Por exemplo, o mercado português, de acordo com os números mais recentes divulgados pela ACAP, sofreu uma quebra de mais de 77% de novas matriculações em abril!

Mas Portugal está longe de ser o único país afetado pela crise. De facto, a ACEM – Associação Europeia de Fabricantes de Motos, revela agora que os dados europeus são igualmente graves.

Com os concessionários fechados ou com a sua atividade muito restringida, e com as economias dos países europeus paradas durante muito tempo, os números de vendas de motos baixaram drásticamente e a situação a nível europeu é bastante preocupante.

Leia também – Adiamento das normas Euro 5 está em discussão para salvar a indústria das duas rodas




Nos cinco maiores mercados da Europa (França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido), as vendas de motociclos baixaram quase 40% em março em relação ao período homólogo de 2019. O mês seguinte, abril, foi ainda pior, e a queda combinada nas vendas atingiu os 74,9%, sendo que em alguns países atingiu os 96%!

As vendas de novos ciclomotores não sofreram uma quebra tão acentuada. Ainda assim, em março caíram cerca de 37%, sendo que em abril a queda foi maior, chegando a superar os 55%.

Estes números levaram a ACEM a reagir.

Tendo em conta que as vendas de novas motos acontecem de forma mais concentrada durante a primavera, precisamente na altura em que os mercados “fecharam” por causa do Covid-19, a ACEM avisa que há muitos concessionários sob uma enorme pressão.

Leia também – Mercado nacional cai mais de 77% em abril



Os concessionários têm em stock centenas de milhares de modelos Euro 4, que de acordo com a legislação europeia, deixarão de poder ser comercializados a partir de 1 de janeiro de 2021. Altura em que a norma Euro 5 será obrigatória.

A ACEM aplaude as medidas de apoio que os Estados Membros têm anunciado, mas pede à Comissão Europeia que extenda o prazo limite para comercialização das motos Euro 4. O objetivo é permitir que os concessionários possam ter mais algum tempo – de preferência mais 12 meses – para escoar o stock, evitando assim que os concessionários sofram ainda mais prejuízos ficando com motos que não podem ser vendidas.

Antonio Perlot, secretário geral da ACEM, afirma que “Com o recomeço progressivo da atividade, os dados dos próximos três meses vão dar uma imagem mais clara do impacto final do Covid-19. De qualquer forma, está claro que 2020 será um ano muito difícil para o setor. A ACEM e os seus membros estão a trabalhar em conjunto com a União Europeia e administrações nacionais para econtrar solução para as centenas de milhar de motos Euro 4 em stock. Isto vai obrigar a rever a legislação relevante para assegurar que os concessionário europeus possam recuperar da crise Covid-19 o mais rápido possível”.

Em Portugal, e no sentido de promover as motos como meio de deslocação ideal, particularmente neste momento em que é necessário mais cuidado com a saúde, a Comissão de Motociclismo da ACAP acaba de lançar uma campanha.

O regresso à normalidade pode e deve mesmo acontecer em duas rodas.

A campanha “Vai de Moto” tem por objetivo mostrar os benefícios de andar de moto nas suas deslocações diárias e não só. Uma campanha que vai durar até final de julho, e que poderá ajudar na recuperação das vendas de motos em Portugal.

Leia também – Campanha “Vai de Moto” e ANDAR DE MOTO em tempo de Covid-19

andardemoto.pt @ 27-5-2020 10:40:31


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews