Triumph Speed Triple 1200 RS – Hinckley entra no jogo da potência!

A nova Triumph Speed Triple 1200 RS aparece em 2021 como uma autêntica revolução na gama britânica. Fique a conhecer os detalhes técnicos, veja as fotos, descubra o preço e disponibilidade da Speed Triple 1200 RS que permite que a marca de Hinckley entre finalmente no jogo da potência!

andardemoto.pt @ 26-1-2021 12:00:00

Podemos dizer que a Triumph Motorcycles finalmente decidiu entrar no jogo da potência! A nova Speed Triple 1200 RS é tudo aquilo que poderíamos esperar de uma powernaked de nova geração. Potência, estilo, ciclística otimizada para agilidade e muita eletrónica são alguns dos argumentos da nova coqueluche da casa de Hinckley.

Foi através de um evento digital exclusivo para a imprensa especializada que a equipa da Triumph dedicada ao projeto apresentou em estreia mundial todos os detalhes e características técnicas da nova Speed Triple 1200 RS.

O nome Speed Triple começou a conquistar as preferências dos motociclistas quando a Triumph lançou a primeira geração em 1994. Nesse momento os outros fabricantes de motos ainda não tinham percebido a mais-valia de criar uma naked desportiva de raiz, e a Triumph percebeu que nesse “espaço” estava a sua oportunidade de brilhar.


Em vez de partir de uma superdesportiva e remover as carenagens, a Triumph desenhou uma naked desportiva, de elevadas performances, a partir de uma folha em branco. E isso deu à Speed Triple capacidades dinâmicas bastante específicas.

Ao longo dos últimos 27 anos a Speed Triple foi recebendo maiores ou menos atualizações. A Triumph anuncia que existem três gerações com comportamentos distintos, mas se contarmos com diferentes atualizações a naked britânica já vai com 10 gerações. Em todas elas os motociclistas parecem ter apreciado as capacidades dinâmicas. De tal forma que neste período de tempo foram vendidas mais de 100.000 Speed Triple!

Porém, a abordagem da Triumph sempre foi um pouco mais conservadora se compararmos com a concorrência. Atualmente a Speed Triple 1050, embora seja uma excelente moto, perde a vários níveis para rivais melhor apetrechadas. Nomeadamente ao nível da potência.


E foi precisamente para corresponder aos desejos dos seus clientes e do mercado, que nasceu a nova Speed Triple 1200 RS, a moto que permite à Triumph, finalmente, entrar no jogo da potência, de igual para igual com a maior parte das rivais do segmento powernaked.

Tudo começa pelo design. As linhas musculadas e compactas da Speed Triple 1200 RS não deixam dúvida de que esta naked está pronta para dominar a estrada ou a pista. Linhas agressivas que lhe conferem uma presença dominante, a nova Speed Triple 1200 RS destaca-se pela sua iluminação totalmente LED.

Na dianteira as duas óticas estão mais afiladas, com a assinatura luminosa proporcionada pelas luzes diurnas a ajudar a manter a imagem agressiva deste modelo. Na traseira destaca-se o novo desenho da luz de travão, enquanto os intermitentes contam agora com tecnologia de Auto cancelamento.


Mas numa naked de elevadas prestações o maior foco da nossa atenção é o seu motor. E no caso da nova Triumph Speed Triple 1200 RS, o tricilíndrico britânico atinge o seu expoente máximo!

Totalmente redesenhada, esta unidade motriz Euro5 não partilha praticamente nenhum componente com a anterior geração. A arquitetura de três cilindros em linha mantém-se. Mas a cilindrada aumenta para os 1160 cc. Este aumento de capacidade permite ao tricilíndrico apresentar na ficha técnica números assinaláveis e que o colocam entre os mais potentes do segmento.

A potência máxima sobe dos anteriores 150 cv para os 180 cv. Este valor é atingido às 10.750 rpm. O binário máximo também cresce, atinge os 125 Nm às 9.000 rpm. Tudo isto num motor que sobe de rotações de forma mais contundente graças à inércia interna reduzida em 12%, e que apresenta um “redline” às 11.150 rpm, ou seja, 650 rpm acima do que o anterior motor 1050 conseguia.


Estes números permitem sonhar com uma superdesportiva equipada com este motor, ou uma versão ainda mais potente. A Triumph recusa essa possibilidade dizendo durante a apresentação digital que “Só estamos aqui para falar da Speed Triple!”. Porém ficou no ar a ideia de que uma superdesportiva 1200 cc com mais de 180 cv, possivelmente uma Daytona 1200, não será um cenário assim tão descabido.

Apesar de maior em cilindrada o motor não ganha em dimensões. Os engenheiros da Triumph conseguiram reduzir as dimensões externas do motor, sendo agora mais compacto, favorecendo a dinâmica da moto, e o peso reduziu em 7 kg, o que contribuiu para que a nova Speed Triple 1200 RS seja a mais leve de sempre marcando 198 kg de peso a cheio.

Este valor garante que a nova geração desta powernaked de Hinckley melhora em 25% a relação peso/potência em comparação com a geração que substitui, mas mais impressionante ainda é o facto de praticamente duplicar a relação peso/potência em comparação com a Speed Triple de 1994.


A Triumph em todos os seus modelos faz questão de destacar a sonoridade da admissão e nota de escape. E no caso da Speed Triple 1200 RS isso não é exceção.

A admissão permite que o ar entre na caixa de ar a uma pressão maior, garantindo que os 180 cv escondidos no interior do motor tricilíndrico têm oxigénio suficiente para respirar e assim entregarem a sua força de uma forma linear, desde os baixos regimes, até ao “redline”. Na saída de gases de escape destaca-se o novo desenho dos coletores que terminam agora numa ponteira de fixação lateral.

A opção por um sistema deste tipo permitiu à Triumph redefinir o centro de gravidade da moto, otimizando assim a dinâmica, algo que é também complementado pela ciclística totalmente renovada.

Dá uso a uma nova válvula de escape que permitiu à Triumph modular a entrega de potência disponível. A este nível convém destacar que a marca britânica não inclui na lista de acessórios um sistema de escape alternativo ao de série.

De acordo com a marca “Não encontrámos forma de melhorar a performance com uma ponteira diferente e cumprir com as normas de homologação. Por isso decidimos por não incluir uma opção diferente ao nível do escape”. Se já estava a imaginar adquirir uma ponteira diferente através do catálogo de acessórios oficiais, neste caso não o vai poder fazer.



Durante a apresentação digital a que tivemos a oportunidade de assistir, a Triumph fez sempre questão de ligar a nova Speed Triple 1200 RS ao seu projeto de competição em Moto2. Talvez a melhor forma de percebermos essa ligação seja o “quickshift” bidirecional, que faz parte da lista de equipamento de série.

Com uma caixa de seis velocidades também ela redesenhada e mais compacta, foi através dos conhecimentos obtidos em Moto2 que os engenheiros britânicos recriaram o “quickshift”.

Denominado de Triumph Shift Assist, este sistema conta com um novo sensor de posição variável. Com isso os parâmetros de controlo das trocas de caixa permitem que o condutor sinta maior suavidade na troca de caixa, perdendo o mínimo tempo possível a cortar ignição e garantindo maior estabilidade.


E por falar em estabilidade, a Speed Triple 1200 RS apresenta uma ciclística totalmente renovada.

O quadro dupla trave em alumínio é complementado na traseira por um subquadro, também em alumínio. Conforme referimos, a Speed Triple 1200 RS pesa 198 kg a cheio. E em grande parte este valor é conseguido graças ao novo quadro 17% mais leve do que a anterior geração, e que pela sua geometria coloca mais peso na roda dianteira.

A ergonomia foi desenhada para permitir ao condutor que se sinta mais “dentro” do conjunto e numa posição mais dominante.

Aos comandos da nova naked de Hinckley o condutor vai sentir maior liberdade para se movimentar de um lado para o outro, graças ao assento a 830 mm de altura ser mais estreito na zona de união com o depósito de combustível, também ele redesenhado para permitir que as pernas de fixem melhor e garantindo assim menor esforço físico, particularmente em condução mais desportiva.


O guiador cresce 13 mm em largura, o que reduz o esforço nos impulsos que o condutor tem de realizar para trocar de inclinação. Com uma centralização de massas mais para a frente e em baixo no conjunto, a Speed Triple 1200 RS deverá apresentar uma condução neutra, mas ao mesmo tempo ágil e assertiva.

A pensar nos motociclistas que vão explorar a sua Speed Triple 1200 RS em pista, a Triumph reposicionou os poisa-pés do condutor. Estão agora mais para dentro no conjunto, maximizando assim a distância livre ao solo, um detalhe importante para atingir inclinações pronunciadas.


E também a pensar numa condução em pista, os restantes componentes da ciclística não deixam dúvidas de que esta será a melhor Speed Triple de sempre.

No departamento das suspensões a Triumph recorreu à Öhlins. Os especialistas suecos têm no seu portfólio suspensões eletrónicas semi-ativas. Porém a Triumph optou por suspensões convencionais.

Perguntámos durante a apresentação o porquê de não optarem pelas suspensões Smart EC 2.0, mais avançadas tecnologicamente. A resposta foi que “Durante os questionários que fizemos aos clientes, a maioria mostrou que quer suspensões totalmente ajustáveis, mas não pretende suspensões eletrónicas. Além disso temos de ter em conta que iria aumentar o preço e também o peso do conjunto”.


Tendo então em conta os desejos dos clientes, a nova Speed Triple 1200 RS vem equipada com forquilha Öhlins NIX30, totalmente regulável. Na traseira encontramos fixo ao esbelto monobraço oscilante um monoamortecedor também da marca sueca, o conhecido e muito eficiente TTX36, igualmente regulável em todos os parâmetros.

A Triumph refere que a afinação base das suspensões tem em conta o menor peso do conjunto, a nova geometria do chassis, e pretende maximizar uma condução ágil e reativa. De qualquer forma, sendo totalmente ajustáveis, não haverá qualquer dificuldade por parte do proprietário em afinar estas suspensões ao seu gosto.


Ao nível da travagem a escolha recaiu sobre a Brembo.

Pinças monobloco Stylema de quatro pistões mordem discos de 320 mm de diâmetro. O ABS com função em curva garante eficácia máxima nas travagens mais fortes, enquanto a bomba radial Brembo MCS permite ao condutor ajustar o a progressividade e o tato do travão dianteiro.

As novas jantes de 17 polegadas estão agora cobertas por pneus Metzeler Racetec RR, a opção mais desportiva da Metzeler para uso em estrada. Com um grande e robusto braço oscilante, em combinação com estes pneus, a nova Speed Triple 1200 RS tem uma aceleração bastante mais forte:

- 1 segundo mais rápida a atingir os 160 km/h
- 1,9 segundos mais rápida a atingir os 190 km/h



Neste particular, pensando numa maior agilidade e tendo em conta estarmos perante uma opção “premium” num segmento onde fabricantes rivais não olham a meios para chamar a atenção dos motociclistas, o seu Andar de Moto questionou a Triumph durante a apresentação digital sobre o porquê das jantes não serem forjadas. Algo que algumas das rivais têm.

A resposta que nos foi dada é de que “As jantes fundidas são o equilíbrio entre performance e custos. Não achamos que fosse necessário usar jantes forjadas”.

Até se poderia dar o caso da Triumph estar a esconder o jogo e preparar uma versão mais especial para a Speed Triple 1200. No entanto “Só estamos a pensar na RS. Não haverá versões R ou S. Não existe essa necessidade. Neste segmento os números de vendas não são suficientes para criar outras versões para além da RS”, referiu Stuart Wood, principal engenheiro do projeto.


E se as características técnicas do motor e ciclística são impressionantes, o mesmo podemos dizer em relação ao pacote tecnológico.

A nova Triumph Speed Triple 1200 RS conta com todas as opções que podemos necessitar enquanto exploramos toda a sua potência e capacidades dinâmicas. A primeira grande novidade neste departamento vai para o novo painel de instrumentos.

O ecrã TFT de 5 polegadas a cores conta com uma construção inovadora que reduz a possibilidade de reflexos indesejados. Com isso a leitura das informações é mais fácil, mesmo em condições de luminosidade extrema.

Todo o interface é controlado por um novo conjunto de botões no punho esquerdo. Aliás, todos os comandos são agora retro iluminados para facilitar o seu uso em condução noturna.


No ecrã encontra-se em maior destaque a velocidade instantânea, a relação de caixa engrenada no momento, e ainda as rotações do motor. No entanto o ecrã fornece depois uma conjunto muito diversificado de outras informações, com o condutor a poder selecionar dois temas de visualização.

O pacote eletrónico da Speed Triple 1200 RS inclui:

- 5 modos de condução: Rain, Road, Sport, Track e Rider. Este último totalmente personalizável. A potência disponibilizada é de 100 cv em modo Rain. Selecionar um dos diferentes modos de condução afeta a sensibilidade do acelerador, o efeito de travão motor, a forma como a potência e binário são disponibilizados, qual o nível de intervenção do controlo de tração e também os parâmetros do ABS.

- Controlo de tração de acordo com a inclinação:
Graças à unidade de medição de inércia de 6 eixos, o novo controlo de tração permite controlar a derrapagem e deslizar lateral do pneu traseiro. Oferece quatro modos de funcionamento com o mesmo nome dos modos de condução. E pode ser desligado.

- Anti Wheelie:
Este sistema está interligado aos modos de controlo de tração. A nova parametrização do sistema garante uma intervenção mais suave, permitindo um ligeiro levantar da roda dianteira em aceleração, maximizando a aceleração.

- ABS com função em curva:
Através da nova centralina Continental MIB-EVO, o novo ABS dá uso a função de travagem combinada, distribuindo a força de travagem pelos dois eixos para manter a estabilidade do conjunto. A intervenção do ABS em modo Track é muito reduzida e foi especialmente calibrada para uso em pista. Existe ainda o modo Road, mais intrusivo.


Para terminar, queremos destacar ainda que a Triumph Speed Triple 1200 RS conta com ignição “keyless”, sistema também aplicado para abertura do tampão do depósito de combustível, a bateria é de lítio para poupar 60% de peso, a tampa do assento do passageiro faz parte da lista de equipamento de série, e para além disso a marca britânica desenvolveu todo um conjunto de acessórios específicos para a Speed Triple 1200 RS. Ao todo são mais de 35 acessórios!

A conectividade é garantida pelo sistema My Triumph. A ligação por Bluetooth permite conectar o telemóvel à moto, usufruir de indicações GPS, curva a curva, no painel de instrumentos, controlar as chamadas telefónicas ou ainda controlar as câmaras de ação GoPro. O sistema foi desenvolvido em parceria com a Google e a GoPro.

Quanto a preço, a Triumph Portugal já confirmou que o PVP da nova Speed Triple 1200 RS é de 18.250€, e que estará disponível nos concessionários nacionais a partir de final de março ou início de abril.

As opções de cor disponíveis são duas: Sapphire Black ou Matt Silver Ice.

Ficha técnica completa da Triumph Speed Triple 1200 RS


- Motor: Tricilíndrico 1160 cc, refrigeração por líquido, DOHC
- Diâmetro x Curso: 90 x 60,8 mm
- Taxa de Compressão: 13.2:1
- Potência máxima: 180 cv @ 10.750 rpm
- Binário máximo: 125 Nm @ 9.000 rpm
- Alimentação: Injeção sequencial multiponto
- Sistema de escape: Em aço inox, desenho 3 para 1, com ponteira lateral
- Embraiagem: Multidisco em banho de óleo, com função “assist & slip”
- Caixa: 6 velocidades
- Quadro: Dupla trave em alumínio, com subquadro traseiro aparafusado
- Braço oscilante: Monobraço, em alumínio
- Jantes: Fundidas, em alumínio
- Pneus: Metzeler Racetec RR K3
- Suspensão dianteira: Forquilha Öhlins NIX30, bainhas invertidas de 43 mm, totalmente ajustável, com 120 mm de curso
- Suspensão traseira: Monoamortecedor Öhlins TTX36, totalmente ajustável, com 120 mm de curso
- Travão dianteiro: Pinças Brembo Stylema, monobloco, de quatro pistões. Discos de 320 mm. ABS com função em curva
- Travão traseiro: Pinça Brembo de dois pistões. Disco de 220 mm. ABS com função em curva
- Comprimento: 2090 mm
- Largura: 792 mm
- Distância entre eixos: 1445 mm
- Altura do assento: 830 mm
- Peso a cheio: 198 kg
- Capacidade do depósito de combustível: 15,5 litros

Galeria de fotos Triumph Speed Triple 1200 RS

andardemoto.pt @ 26-1-2021 12:00:00


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews