Final do 7.º Portugal de Lés-a-Lés Off-Road levou animação a Vila Real de Santo António

Enganou-se quem pensou que, depois da dureza nos dois primeiros dias, a terceira etapa do 7.º Portugal de Lés-a-Lés Off-Road eram ‘favas contadas’. A planície alentejana e a serra algarvia proporcionaram uma ligação muito exigente, entre Arronches e Vila Real de Santo António, ao longo de quase 400 quilómetros de pó, calor e asfalto em demasia. 

andardemoto.pt @ 5-10-2022 00:28:27

Dia intenso, com muito trabalho para a ‘equipa zero’, encarregue de antecipar na estrada e em tempo real os problemas que possam surgir à caravana. Logo nos primeiros quilómetros, pouco depois da passagem em Campo Maior, ainda com a fábrica da Delta fechada e sem hipótese para um sempre agradecido café matinal, Flávia Rolo e Vasco Rodrigues encontraram as primeiras contrariedades. Desde um portão fechado que impedia toda e qualquer passagem até às alterações ditadas pelas obras de construção da maior obra ferroviária em Portugal levada a cabo no último século. E se, no primeiro caso, foi rápida a resolução, com a chegada do encarregado da herdade, já a transposição da futura linha que ligará o porto de Sines com a fronteira em Espanha, obrigou a descobrir e assinalar um caminho alternativo.

Tudo muito rápido, sem tempo a perder, porque os primeiros participantes estavam a chegar a esta zona de plantação superintensiva de olival, cultura que vai ganhando terreno às searas e mudando, de forma paulatina, a paisagem alentejana. Sempre com a fronteira de Espanha por perto e com estradões rápidos, descansaram um pouco os condutores das grandes trails depois da ‘tareia’ dos dois primeiros dias. Até porque foram ajudados pelas muitas ligações em estrada, motivadas pela necessidade dos agricultores, proprietários das herdades, evitarem roubos de gado que se têm multiplicado nos últimos tempos e até, imagine-se, de azeitona e outras frutas.

Mas, sempre que o asfalto terminava, podia surgir um caminho com muita pedra, verdadeiramente massacrante e causados de um sem número de furos. Como aconteceu até ao Convento de Orada, onde o Oásis Honda ocupava o lugar onde D. Nuno Álvares Pereira, o Santo Condestável, rezou antes das batalhas contra os exércitos castelhanos. Um espaço onde, sem distinção de sexo, idade, raça, credo ou até da marca de moto, era prestada assistência a todos os que dela necessitavam. E enquanto os problemas mecânicos eram solucionados pelo Sebastião Guerra, o Gonçalo Hortega e a sua equipa tratavam de acompanhar fruta, água e barras energéticas, com o melhor café do Lés-a-Lés.


A escassez de água e as árvores que alegraram a criançada

Espaço de descanso e dois dedos de conversa, onde se encontraram Miguel Farrajota e António Oliveira. Grandes rivais no motocrosse como no enduro e nos raides, onde somam total de 35 títulos nacionais, são agora grandes amigos. Como não podia deixar de ser, enduristas de altíssimo nível que foram, elogiaram “os trilhos muito exigentes da primeira etapa, com subidas que não ficavam mal numa prova do Nacional de Enduro, e os caminhos bastante técnicos e fluídos do segundo dia”. E, em uníssono, reconheceram que “mesmo sabendo das dificuldades existentes no Alentejo, foi demasiado asfalto, sobretudo para motos enduristas”.  Vá lá que, pouco depois, ainda conseguiram usufruir de momentos de grande gozo de condução, em pleno Parque Natural do Vale do Guadiana.

Local que reforçou o drama da escassez de água já visível no Alqueva, onde os 3 ou 4 metros abaixo no nível máximo multiplicados pela área do maior lago artificial da Europa deixam bem clara a dimensão da seca que atravessamos. Pensamentos que acompanharam boa parte das centenas de participantes nesta maratona aventureira até Serpa, onde estava montado o Oásis da Federação de Motociclismo de Portugal, organizador do evento que atrai motociclistas de toda a Europa.

Como o alemão Marcel Driessen, Country Manager da Yamaha no mercado germânico que, depois de “muita diversão, alegria e também muito cansaço nos dois primeiros dias, sobretudo pela exigência para uma moto como a Yamaha Ténéré 700 World Raid” não escondeu “algum aborrecimento” na travessia alentejana. “Mas é a paisagem que manda e, depois de dois dias de dureza recompensada pelas paisagens fabulosas, com estas planícies era impossível grande sobe-e-desce”, rematou o estreante no Portugal de Lés-a-Lés Off-Road não sem antes enaltecer as últimas curvas da serra algarvia, “escorregadias e muito divertidas”.

Opinião partilhada por Márcia Monteiro, que esteve “sete vezes à partida da aventura ainda que nem sempre à chegada”. Desta feita chegou a Vila Real de Santo António, feliz, mas “bastante cansada, sobretudo depois da primeira etapa, entre Mirandela e Tábua, talvez a mais dura de todas as realizadas nestes sete anos”.

E as paisagens? “Sempre espetaculares, ainda que, aqui e ali, sejam notórias as marcas de incêndios e muitos eucaliptais”. Situação que a FMP quer ajudar a reverter com a campanha de sensibilização Reflorestar Portugal de Lés-a-Lés. Que, depois de Mirandela, Tábua e Arronches, entregou mais 100 ciprestes e outros tantos pinheiros-mansos aos petizes das escolas básicas Manuel Cabanas, de Santo António e de Monte Gordo. Além de outros exemplares destas espécies autóctones que foram carinhosamente plantadas pelas crianças com a cuidadosa ajuda do Sr. José, o jardineiro de serviço, acompanhado pelo vice-presidente da Câmara Municipal de V. R. St.º António, Ricardo Cipriano, e pela vereadora do pelouro da Educação Maria da Conceição Pires. Uma campanha que, tal como o Portugal de Lés-a-Lés Off-Road, promete voltar em grande, em 2023. 


andardemoto.pt @ 5-10-2022 00:28:27


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews