Albert Arenas e Enea Bastianini sagram-se campeões de Moto3 e Moto2

O Grande Prémio de Portugal de 2020 foi o cenário para a decisão dos títulos de Moto3 e Moto2 do Mundial de Velocidade. Albert Arenas e Enea Bastianini asseguraram os títulos nas respetivas categorias e juntam-se a Joan Mir na galeria de campeões desta temporada.

andardemoto.pt @ 23-11-2020 21:45:36

Embora as nossas atenções se tenham centrado na prestação de Miguel Oliveira na categoria rainha MotoGP, uma prestação perfeita que terminou com uma vitória arrasadora na corrida do passado domingo, a verdade é que o Grande Prémio de Portugal que serviu de ronda de encerramento da temporada 2020 do Mundial de Velocidade foi também o cenário para as grandes decisões nas categorias Moto3 e Moto2.

Se Joan Mir já tinha fechado as contas do título de MotoGP no Grande Prémio da Comunidade Valenciana, as contas das categorias Moto3 e Moto2 deixavam tudo em aberto para a corrida portuguesa. E foi de calculadora na mão que assistimos ao coroar dos novos campeões!

Em Moto3, Raul Fernandez arrancou da “pole position” e manteve a liderança nos primeiros momentos da corrida no Autódromo Internacional do Algarve. Albert Arenas não largou a sombra de Ai Ogura, o seu maior rival na luta pelo título, rodando em quarto atrás do piloto japonês.


Com Raul Fernandez e a sua KTM da equipa Ajo intocáveis e a fugirem rumo a uma vitória tranquila, o título esteve ao rubro durante toda a prova.

Enquanto isso, Arenas e Ogura estavam envolvidos num grupo que lutava pela segunda posição. Mas as escaramuças dentro deste grupo permitiram que outro grupo, no qual estava outro candidato ao título, Tony Arbolino, se aproximasse e assim a confusão estava lançada para as últimas voltas.

Arbolino não teve qualquer problema em adiantar-se a Arenas, com o espanhol a saber que essa ultrapassagem não tinha grandes implicações na luta pelo título. Mas Ogura estava logo atrás do espanhol. Albert Arenas, na última volta, chegou a rodar em 12º.



Ai Ogura necessitava então de terminar em 6º, e para isso tinha de ultrapassar dois pilotos. Pese embora um enorme esforço do japonês, acabou mesmo por terminar em 8º, e com Albert Arenas em 12º o título ficou mesmo nas mãos do espanhol. Pior que isso, Ogura viu Tony Arbolino terminar o GP de Portugal em 5º, e assim conseguiu passar Ogura na batalha pelo vice-campeonato.

Na classificação final do Mundial Moto3, Albert Arenas termina em primeiro e com o título assegurado com uma pontuação total de 174 pontos, mais quatro pontos que Tony Arbolino que fecha o ano em igualdade pontual com Ai Ogura, mas fruto das suas classificações consegue ser segundo relegando o japonês para terceiro.


Já nas Moto2 a luta foi igualmente intensa.

A luta pelo título da categoria intermédia estava centrada em Enea Bastianini, Luca Marini e ainda Sam Lowes. No entanto o britânico competiu no Autódromo Internacional do Algarve inferiorizado a nível físico – depois da corrida confessou que tinha dois ossos fraturados na mão direita – e por isso as suas hipóteses de ser campeão estavam muito reduzidas antes da corrida portuguesa começar.

Com Remy Gardner a arrancar muito bem da “pole position”, Luca Marini e Sam Lowes posicionaram-se nas posições seguintes, enquanto Enea Bastianini correu de calculadora na mão a controlar os rivais diretos, embora numa fase inicial tivesse sentido bastantes dificuldades para se manter nas primeiras posições.



Sem nunca perder a vantagem pontual que lhe permitia sagrar-se campeão de Moto2 antes da mudança para MotoGP em 2021, Bastianini manteve-se na expectativa. Lá na frente Gardner, Marini e Lowes, surpreendentemente pouco afetado pela lesão, estavam num ritmo à parte e com uma boa vantagem para os perseguidores.

Marini conseguiu eventualmente passar Remy Gardner e colocar-se a apenas quatro pontos do título. O irmão de Valentino Rossi, que também estará em MotoGP na próxima temporada, não teve no entanto argumentos para uma parte final de corrida muito forte por parte de Remy Gardner, que com voltas impressionantes nos momentos finais assegurou a vitória, tornando-se no primeiro australiano a vencer na categoria intermédia desde 2014, e sendo o 26º piloto diferente a vencer numa temporada do Mundial de Velocidade (todas as categorias) o que é um novo recorde.


Luca Marini deu tudo para passar Gardner mas não teve argumentos e ficou-se pela segunda posição na corrida portuguesa, a mesma com que terminou o campeonato. Também Sam Lowes foi forçado a abrandar o ritmo nas últimas voltas, e assim terminou a corrida na terceira posição, o que também lhe deu a terceira posição no campeonato.

Quanto a Enea Bastianini, que defendeu com “unhas e dentes” o seu quinto lugar na corrida portuguesa, este resultado permitiu-lhe conquistar o ambicionado título de Moto2 antes da mudança para as MotoGP.

Na classificação final do Mundial Moto2, Enea Bastianini é o primeiro classificado com um total de 205 pontos, mais 9 pontos do que Luca Marini e ainda Sam Lowes, empatados em pontos mas com os resultados do italiano a conferirem vantagem e assim a servirem de fator de desempate.

andardemoto.pt @ 23-11-2020 21:45:36

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: MotoGP