Teste Suzuki V-Strom 650 XT - À prova de bala!

A trail de média cilindrada da casa de Hamamatsu é venerada por quem tem uma. Curiosos com tantos elogios, decidimos testar a Suzuki V-Strom 650 XT e perceber o que realmente vale.

andardemoto.pt @ 1-3-2021 23:13:34 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Suzuki V-STROM 650 XT | Moto | Turismo enduro

Já com mais de quinze anos de existência, a Suzuki V-Strom 650 é mais um caso de sucesso da marca japonesa no segmento das trail de média cilindrada. Foi em 2004 que os motociclistas puderam adquirir a original DL650 mais conhecida como V-Strom 650, e desde esse primeiro momento as vendas deste modelo superaram as expectativas.

No auge do mercado das duas rodas em meados da primeira década do século XXI, a V-Strom 650 era mais popular do que a sua irmã mais velha V-Strom 1000. Aliás, os concessionários Suzuki, de acordo com os registos da casa de Hamamatsu, vendiam o dobro das V-Strom 650 em comparação com a variante de 1000 cc.

E existe uma explicação para isso! A Suzuki V-Strom 650 sempre se posicionou como uma trail fácil, intuitiva, e alicerçada num robusto motor bicilíndrico em V que sempre se pautou pela linearidade, economia e fiabilidade. Isso, aliado a uma ciclística que permitia uma condução descontraída e ao mesmo tempo muito adaptada aos pisos de asfalto, permitiu à V-Strom 650 conquistar uma vasta legião de fãs que sempre exaltaram a polivalência da trail japonesa.


As atualizações que foram aparecendo ao ritmo das novas normas antipoluição – Euro3 em 2007 e Euro4 em 2017 – permitiram à Suzuki apurar a raça, melhorar alguns pontos menos positivos, e garantir que a V-Strom 650 se mantém relevante num segmento extremamente concorrido e onde encontramos propostas sólidas vindas de diversos fabricantes.

Chegamos então a 2021, e está na altura de percebermos o que leva tantos milhares de motociclistas a venerar a V-Strom 650.

A primeira coisa que temos aqui de esclarecer é que a moto utilizada neste teste é a variante XT. Esta variante foi adicionada à gama V-Strom em 2017, respondendo assim aos pedidos dos motociclistas mais aventureiros que procuravam uma trail mais adaptada aos pisos de terra. Por isso, a Suzuki utiliza na V-Strom 650 XT alguns elementos específicos como as jantes “tubeless” de raios da D.I.D. cobertas por pneus Bridgestone Battlax Adventure A40, proteção de cárter e também as proteções de mãos.


E agora está na hora de o levar a conduzir a Suzuki V-Strom 650 XT.

O primeiro contacto com a trail japonesa é bastante agradável. Enquanto os nossos olhos passam pelas linhas desportivas e até pouco convencionais para o segmento em que se insere, descobrimos um conjunto com acabamentos dentro do expectável para uma moto abaixo dos 10.000€.

As carenagens bem encaixadas e sem folgas exageradas entre cada painel, cobertas pela pintura Champion Yellow, criam uma aparência desportiva e chamativa, onde apenas destoam alguns fios à vista e que saem dos comutadores.

A perna passa facilmente por cima do assento que se posiciona 830 mm do solo, e desde há alguns anos que o desenho do assento permite ao condutor encaixar melhor no conjunto, com uma secção frontal mais “escavada”, para permitir que os braços do condutor cheguem ao guiador facilmente sem ficar em esforço.



Esta característica será benéfica para condutores de baixa estatura, mas para aqueles que tenham uma estatura mais elevada, a posição dos poisa-pés ficará ligeiramente acima do ideal. Isso resulta numa posição de condução em que as pernas ficam mais fletidas, dando a sensação de moto acanhada, quando na realidade a V-Strom 650 XT é uma moto de dimensões bem proporcionadas.

Para aqueles que pretendem explorar esta moto fora de estrada, e por isso têm de adotar uma posição de condução de pé, o guiador ficará um pouco mais baixo do que o desejável.

Mas fora estes detalhes de ergonomia, tudo o resto na Suzuki V-Strom 650 XT é à prova de bala.

O motor bicilíndrico em V com 645 cc mostra-se sempre pronto a responder aos nossos desejos e impulsos mais agressivos no acelerador. É verdade que a V-Strom 650 XT não apresenta argumentos tecnológicos tão evoluídos como algumas trail mais apetrechadas. Mas com 71 cv às 8.800 rpm e um binário de 62 Nm às 6.300 rpm, não é necessário qualquer modo de condução para tornar este motor diferente.

Com uma capacidade de resposta assinalável nos baixos regimes, apresentando o nível exato de vibrações para sentirmos que estamos a conduzir uma moto equipada com um V-Twin, a V-Strom 650 XT deixa-se levar conforme queremos e como queremos.

Com o “redline” às 10.000 rpm, não existe qualquer necessidade de levar as rotações para esse extremo.


Será entre as 5000 e as 8.500 rpm que esta unidade motriz melhor se exprime, aliada a uma caixa de velocidades que, privada do já obrigatório “quickshift”, se revela precisa. Aliás, se há algo que a Suzuki sabe fazer, e faz muito bem, são as caixas de velocidades. O seletor tem um curso curto e cada relação engrena na perfeição sem qualquer esforço ou tato metálico.

A base deste motor de dois cilindros em V é já bastante antiga. Mas a Suzuki soube modernizar esta unidade motriz, dar-lhe aquela dose de adrenalina de que ele precisa para medir forças com propostas mais potentes, e ao mesmo tempo toda a mecânica tem-se revelado à prova de bala e de uma fiabilidade acima da média.

Outro ponto muito positivo nesta V-Strom 650 XT é o consumo. Nomeadamente o consumo de combustível. Com um depósito capaz de guardar no seu interior 20 litros deste líquido cada vez mais precioso, e um consumo médio que neste teste rondou os 4,5 litros, a autonomia teórica desta trail será superior a 400 km! Um número que não deixa de ser impressionante, mas que duvido que o condutor consiga atingir de uma só vez, pois o assento, que nas primeiras duas horas é confortável, começará a revelar a sua dureza e o condutor sentirá então algum incómodo aos comandos da V-Strom 650 XT.

Felizmente a proteção aerodinâmica merece nota muito positiva. As carenagens criam uma “bolha” que protege o condutor do vento, inclusivamente na zona dos ombros. E isso leva-nos a querer conduzir a V-Strom 650 XT mais depressa.


Nesses momentos de condução mais viva, esta Suzuki revela-se sólida e muito equilibrada. A forquilha dianteira, sem afinação, apresenta um comportamento “rijinho”, mais adaptado aos pisos de asfalto do que aos de terra. Impactos maiores em sucessão não são absorvidos com facilidade, mas em contrapartida em pisos de asfalto a leitura do piso é muito melhor, permitindo definir trajetórias mais agressivas.

Mesmo com passageiro o comportamento não se modifica. Basta alterar um pouco a pré-carga da mola traseira para adaptar ao peso adicional na traseira, e rapidamente estamos a raspar os poisa-pés no asfalto sem qualquer complacência para com o metal, trocando de direção de curva em curva de forma natural, aproveitando ao máximo a aderência dos pneus Bridgestone A40 que se mostram como um complemento ideal para maximizar as capacidades dinâmicas deste conjunto da Suzuki.

Recorda-se de eu ter referido que os poisa-pés são ligeiramente mais elevados do que o habitual nas trail? Pois bem, em curva essa opção torna-se numa mais-valia. Podemos inclinar e percorrer toda a curva com confiança pois a distância livre ao solo é imensa, o que permite manter-nos focados na curva à frente em vez de estarmos preocupados com a possível instabilidade do conjunto. E mesmo quando é necessário algum ajuste, a direção mostra-se precisa e prevísivel.



Sem um pacote eletrónico que inclui diversas ajudas à condução, a Suzuki V-Strom 650 XT apenas conta com um controlo de tração.

É possível definir dois níveis de intervenção do sistema ou desligar por completo. A verdade é que a linearidade do motor V-Twin é de tal ordem que a maior parte do tempo que passei aos comandos desta trail optei por desligar o controlo de tração. Apenas quando enfrentei pisos molhados devido à chuva liguei o nível 1, sendo que achei o nível 2 demasiado interventivo.

Numa moto em que o equilíbrio é a nota predominante, o mesmo se passa com os travões. A potência de travagem proveniente das pinças Tokico de quatro pistões não é exemplar, mas é suficiente para parar os 216 kg de peso a cheio desta trail japonesa.

A travagem é progressiva e doseável, ainda que o ABS revele uma pequena tendência em funcionar assim que a roda traseira alivia ao mesmo tempo que a frente afunda nas travagens mais fortes.

Ainda assim o conjunto mantém-se estável, sólido, plantado no asfalto e mesmo os menos experientes irão sentir-se confortáveis e confiantes para explorar esta moto em ritmos mais intensos.

Veredicto Suzuki V-Strom 650 XT


Diria que é quase impossível não sentir prazer aos comandos da Suzuki V-Strom 650 XT. É uma moto extremamente fácil de explorar, mesmo por condutores menos experientes. A certeza do seu comportamento, o equilíbrio do conjunto e uma ciclística que inspira confiança são os seus pontos fortes.

Já o motor V-Twin a 90 graus encontra-se num ponto de evolução ótimo, mesmo tendo em conta as normas ambientais mais restritivas. A potência e binário sempre disponíveis, mesmo nos regimes mais elevados, são fator decisivo na condução dinâmica, e seja em percursos abertos como numa autoestrada ou em estradas mais retorcidas, o bicilíndrico japonês nunca desilude.

Pela sua polivalência e pela dinâmica equilibrada, a Suzuki V-Strom 650 XT mostrou ao longo dos dias em que esteve na minha posse o porquê de ser uma moto tão venerada por tantos motociclistas. Talvez o preço pudesse estar mais ajustado tendo em conta que não tem os argumentos tecnológicos de algumas rivais. Mas pela solidez que demonstra, diria que a V-Strom 650 XT é uma daquelas motos que nunca desilude e é capaz de resistir a uma “guerra nuclear” sem deixar de trabalhar conforme a Suzuki a desenhou.

Neste teste utilizámos os seguintes equipamentos de proteção


Capacete – Schuberth E1
Intercomunicador – Cardo Scala Rider Packtalk Bold
Blusão – Macna Mountain Night Eye
Calças – REV’IT! Orlando H2O
Luvas - Ixon RS Slick HP
Botas – Gaerne G-Stelvio

Galeria de fotos Suzuki V-Strom 650 XT

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Suzuki V-STROM 650 XT | Moto | Turismo enduro

andardemoto.pt @ 1-3-2021 23:13:34 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives