EICMA 2019 – MV Agusta Rush 1000

O que acontece quando se dá uma injeção de esteróides à Brutale 1000 RR? Nasce a Rush 1000! Fique a conhecer todos os detalhes desta estrondosa novidade da MV Agusta para 2020 e que foi revelada no Salão de Milão EICMA.

andardemoto.pt @ 14-11-2019 09:00:00

As naked de altas prestações desportivas estão a ganhar uma preponderância nunca antes vista no mundo das duas rodas. Quase todos os grandes fabricantes têm na sua gama um modelo deste tipo, e se o design destas powernaked está cada vez mais agressivo, então o mesmo se pode dizer das suas prestações.

Um dos mais recentes exemplos do que estamos a falar é a nova Rush 1000.

Esta moto é mais do que um exercício de estilo da MV Agusta. É a demonstração do que a casa de Varese consegue fazer em termos de criar uma naked capaz de passar os 300 km/h.

A base da Rush 1000 é a nova Brutale 1000 RR. O motor é por isso o mesmo tetracilíndrico em linha com 998 cc. Para extraír nada menos do que 208 cv às 13000 rpm, ou 212 cv às 13600 rpm caso a moto esteja equipada com o kit de escape “racing” e respetiva centralina, a MV Agusta criou um motor com câmaras de combustão e válvulas radiais derivadas da Fórmula 1.

De referir que o sistema de escape não homologado e que permite desbloquear os 212 cv de potência da Rush 1000, tem a assinatura da SC Project, e é fabricado em titânio moldado à mão!

A tecnologia do mundo da competição não termina aqui. As bielas são em titânio, elementos derivados do que se usa habitualmente nos motores protótipos de MotoGP, são mais leves e resistentes, o que ajuda a reduzir a inércia. Também de MotoGP, e também uma opção tradicional da MV Agusta, o motor da Rush 1000 recebe corrente de distribuição central, o que permite eliminar o “torcer” das árvores de cames nos regimes de rotação mais elevados.


O sistema integrado de ingnição e injeção MVICS controla 8 injetores – os 4 superiores são Magneti Marelli e os 4 inferiores são Mikuni – que garantem maior fluxo de passagem de combustível. A centralina Eldor EM2.0 recebe as informações do acelerador eletrónico Mikuni, e ajusta os diversos parâmetros das ajudas eletrónicas à condução.

A MV Agusta Rush 1000 conta com quatro modos de condução – Sport, Race, Rain, e Custom (personalizável) -, sendo que cada um dos modos afeta parâmetros como o controlo de tração de 8 níveis de intervenção, o controlo anti-cavalinho, o ABS com função em curva e sistema que previne o levantar da roda traseira em travagem, enquanto o a caixa de velocidades EAS2.1 está mais suave e permite reduzir e subir de caixa sem usar a embraiagem.

Esta moto especial e que se baseia nas motos de “drag”, adotando elementos específicos como é o caso da jante traseira em alumínio forjado com cobertura em fibra de carbono, o mesmo material que é depois usado em outros componentes como a parte traseira da ótica frontal em Full LED proveniente da RVS #1 ou a tampa da traseira, conta com uma ciclística que inclui o que de melhor se pode ter numa moto de estrada.

Ao nível das suspensões da Rush 1000 encontramos o bem conhecido e eficaz sistema Öhlins Smart EC, com forquilha NiX e amortecedor TTX. A afinação das suspensões é feita eletrónicamente e o seu controlo também, sendo que podemos optar pelos modos automáticos ou então manuais.

Na travagem a MV Agusta não deixou nada ao acaso. Às pinças monobloco Brembo Stylema de quatro pistões a marca italiana junta discos de 320 mm à frente, enquanto no eixo traseiro está instalada uma pinça Brembo PS13 a morder um disco de 220 mm.

Obviamente que a MV Agusta tinha de permitir ao proprietário e condutor ajustar todos os parâmetros eletrónicos através do telemóvel, e por isso a Rush 1000 disponibiliza ligação ao smartphone por Bluetooth. Através da aplicação MV Ride podemos ainda visualizar as indicações GPS no painel de instrumentos da moto, uma unidade TFT a cores e de 5 polegadas.

A MV Agusta revela que a produção da Rush 1000 começa em breve, sendo que, e apesar de não haver confirmação de preços por parte da marca de Varese, será expectável que a Rush 1000 se situe a meio caminho entre a nova Brutale 1000 RR e a exótica Brutale 1000 Serie Oro.

A Rush 1000 junta-se assim às restantes novidades MV Agusta como a Superveloce 800, à gama Rosso, ou ainda às Brutale 800 RR SCS e Dragster 800 RR SCS.


Galeria MV Agusta Rush 1000

andardemoto.pt @ 14-11-2019 09:00:00


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews