Serviço motosharing da Acciona abandona Lisboa

Depois de pouco mais de um ano a operar na capital portuguesa e de ter investido na frota de scooters elétricas no início de 2020, a empresa espanhola Acciona decidiu fechar o serviço de motosharing e abandona a cidade de Lisboa.

andardemoto.pt @ 5-8-2020 12:33:52

É com alguma surpresa que recebemos a confirmação de que a Acciona, empresa espanhola que em 2019 entrou no mercado do motosharing na capital portuguesa, decidiu agora encerrar a sua atividade neste setor e assim abandona a cidade de Lisboa.

Os clientes inscritos na plataforma da Acciona já foram informados de que a partir de 7 de agosto a empresa de motosharing deixará de operar em Lisboa.

De acordo com a empresa espanhola, a decisão de encerrar a sua atividade é justificada em face do momento social que atravessamos devido à pandemia.

A Acciona tem vindo a monitorizar o nível de rentabilidade e qualidade dos serviços disponibilizados aos utilizadores lisboetas, e chegou agora à conclusão que, em face do nível de impacto positivo que pretendem atingir, não faz mais sentido continuar a operar em Lisboa.



Este serviço de motosharing utiliza uma aplicação de smartphone para disponibilizar aos utilizadores inscritos uma forma prática de se movimentarem dentro da cidade. Com um custo de utilização relativamente reduzido, a Acciona rapidamente reforçou a sua posição no setor em Portugal, e inclusivamente reforçou a sua frota de scooters elétricas no início de 2020.

Com 500 scooters elétricas a funcionar em Lisboa, a Acciona, que tinha voltado a operar após o período de confinamento da pandemia no passado dia 11 de maio, deixa agora o nosso país e abre um vazio em termos de mobilidade urbana partilhada.

Recordamos que no passado mês de junho a Acciona tinha anunciado passar a ser o maior operador mundial de motosharing: 10.000 scooters elétricas a funcionar em cidades como Madrid, Barcelona, Valência, Sevilha, Saragoça, Milão e ainda Lisboa, esta última deixará de contar com as scooters vermelhas e brancas a partir deste mês de agosto.



Esta despedida poderá no entanto ser apenas algo temporário.

De acordo com a Acciona, o fim da sua operação em Lisboa deve-se à análise do que se passa atualmente em Portugal a nível social e económico. Essa análise é feita de forma contínua, ou seja, a Acciona admite que no futuro a decisão possa ser revertida e as scooters elétricas Acciona possam voltar a rolar pelas ruas de Lisboa.

andardemoto.pt @ 5-8-2020 12:33:52


Clique aqui para ver mais sobre: MotoNews