Teste CFMoto 650MT Adventure - Turismo de aventura sem excessos

Uma tourer aventureira que demonstra que a CFMoto está a tornar-se num nome relevante no mundo das duas rodas na Europa. A 650MT Adventure mostra como, sem excessos, é possível viajar sem gastar muito.

andardemoto.pt @ 27-4-2020 19:30:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Longe vão os tempos em que as opções dos motociclistas estavam praticamente reduzidas a motos japonesas ou europeias.

Era apenas uma questão de tempo até alguma marca chinesa conseguir posicionar-se no mercado de forma a ameaçar o status quo, e é precisamente isso que a CFMoto tem vindo a fazer desde que decidiu atacar o mercado global, apresentando motos de qualidade, eficientes, e sem nos obrigar a esvaziar a conta bancária para podermos ter uma na garagem.

Depois da 650GT, uma “budget tourer” que tivemos a oportunidade de testar recentemente no Andar de Moto, o importador da marca em Portugal, a PureTech, entregou-nos as chaves da CFMoto 650MT Adventure, uma turística aventureira de média cilindrada.

Originalmente a 650MT foi adicionada à gama da marca chinesa como modelo de 2017, e desde cedo revelou-se uma opção bastante sólida dentro do segmento das turísticas aventureiras de média cilindrada.

Para 2020 a marca decidiu refrescar a 650MT, dotando-a de maior conforto e mais equipamento. Mas apesar destas alterações, esta CFMoto não viu o seu preço alterar-se substancialmente, e por isso a 650MT Adventure continua a ser uma das propostas mais equilibradas neste particular: 6.990€!

LEIA TAMBÉM – TESTE CFMOTO GT650: “BUDGET TOURING”



Mas o que é que a CFMoto 650MT Adventure tem como “armas” para enfrentar motos tão populares como a Benelli TRK 502, a Honda NC750X, a Kawasaki Versys 650, a Suzuki V-Strom 650, ou ainda a “brilhante” Yamaha Tracer 700?

O que mais salta à vista – literalmente! – nesta 650MT Adventure é a sua aparência. A CFMoto socorreu-se do estúdio Kiska Design, que desenha todas as KTM, e criou uma moto cujas formas futuristas não escondem as intenções de turística aventureira.

Esta variante aventureira recebe um novo vidro frontal, ajustável em altura, ladeado por pequenos defletores aerodinâmicos. Numa moto de dimensões relativamente compactas, a aparência mais corpulenta é resultado da adição de novas proteções de motor e carenagens, em tubos de aço.

Ao olhar para as proteções ficamos com a sensação de que estas servem perfeitamente a sua função de proteção, mas o desenho dos tubos podia ser diferente para se adaptar ao “look” futurista do conjunto.

Não tenho por hábito ser grande apreciador das óticas frontais sobrepostas em posição vertical. Mas no caso da CFMoto 650MT, confesso que gostei bastante do resultado, em particular das luzes diurnas LED, e na forma como a frente se encaixa no restante conjunto, que apresenta uma qualidade de construção bastante interessante, embora detalhes como soldaduras estejam ainda abaixo do nível demonstrado pelas rivais do segmento.



A escolha para movimentar esta Adventure, que pesa 218 kg a cheio, recaiu sobre um bicilíndrico paralelo. A imagem e sonoridade deste motor faz recordar em tudo o motor da Kawasaki Versys 650. De facto, e apesar de ser um motor desenvolvido pela CFMoto, a marca chinesa aproveitou a base do motor japonês para criar a sua variante de 649,3 cc.

Com injeção parametrizada pela Bosch, o motor bicilíndrico disponibiliza uns muito generosos 70 cv às 8.750 rpm, sendo o binário máximo de 62 Nm atingido um pouco abaixo, às 7.000 rpm.

Com uma cambota de 180º (um pistão em cima e o outro em baixo), o motor desta seis e meio revela um cariz estradista, com uma entrega linear nos médios regimes, sem grandes vibrações irritantes, e com os dois cilindros a revelarem um bom pulmão para empurrar o conjunto até à velocidade máxima de 180 km/h sem grande esforço.

Apesar de revelar uma injeção precisa e bem ajustada para uma reposta polivalente, tenho no entanto de referir que a baixas rotações o motor bicilíndrico revela-se um pouco mais rude, e mesmo antes do “red line” encontramos um pico de potência acompanhado por um ligeiro aumento nas vibrações. Nada que numa futura atualização a CFMoto não consiga ajustar, e, principalmente, nada que estrague a condução desta turística aventureira.




A 650MT Adventure mostra ser uma moto muito bem adaptada a uma condução em estradas mais abertas. Não só porque o seu motor se sente muito à vontade quando rolamos a velocidades de 120 a 140 km/h, como a proteção aerodinâmica proporcionada pelo novo vidro frontal está no topo do segmento.

Na sua posição mais elevada sentimos de facto que ficamos envolvidos numa “bolha aerodinâmica” que consegue inclusivamente proteger o capacete do vento, enquanto os defletores laterais desviam o vento dos ombros do condutor de forma muito eficiente.

Neste particular tenho no entanto de referir que o mecanismo de ajuste do vidro frontal não é dos melhores. Os parafusos que desbloqueiam o ajuste não ficam justos no seu sítio, e com isso o mecanismo vibra, causando ruídos parasitas. É um dos pontos a rever pela CFMoto.

LEIA TAMBÉM – CONHEÇA A CFMOTO E AS SUAS PROPOSTAS DE MÉDIA CILINDRADA


Com um acelerador a oferecer um tato bastante progressivo e a embraiagem leve, destaco na transmissão a suave caixa de seis velocidades. Não só as relações estão bem escalonadas para permitir uma aceleração mais rápida, como as trocas de caixa acontecem rapidamente e de forma precisa, apesar do tato algo mecânico.

Em termos de condução, a CFMoto 650MT Adventure não apenas revela ser uma boa companheira em estradas mais abertas, como também não desilude nos percursos mais retorcidos ou em cidade revela características que a tornam numa opção muito interessante.

Equilibrar a baixa velocidade é uma tarefa fácil, mesmo para os menos experientes. O assento, apesar de estar a 840 mm de altura do solo, é bastante escavado e esguio na zona em que se une com o depósito de combustível. Isto faz com que chegar com os pés ao solo seja extremamente fácil, e manobrar a 650MT não é problemático. Até porque a excelente brecagem permite manobrar esta moto nos espaços mais apertados sem dificuldade.

E por falar no assento, não posso deixar de referir que é um elemento que transmite conforto e ajuda à excelente posição de condução da 650MT Adventure.

O triângulo formado pelo guiador, assento e poisa-pés deixa o condutor numa posição descontraída, natural, com os braços a não ficarem em esforço. O assento escavado garante assim um bom apoio lombar, perfeito para longas viagens, enquanto as pernas abraçam a moto ficando protegidas. Estamos sentado na moto e não em cima dela, e ficamos com a clara sensação de que fazemos parte do conjunto.

Para o passageiro o conforto é menor. O assento, apesar de bem almofadado e antiderrapante, é mais curto do que o necessário, e por isso o passageiro acaba por “cair” facilmente em cima do condutor.



Ao nível das suspensões, a CFMoto acertou quase em cheio nas opções tomadas.

A forquilha invertida tem bainhas de 43 mm. Atrás o amortecedor disponibiliza ajuste na pré-carga e extensão. Estas suspensões fabricadas revelaram-se uma agradável surpresa! Particularmente à frente.

A compressão faz-se de forma suave, não em demasia, com a frente a ler bastante bem as irregularidades do asfalto ao ponto de permitir que o condutor se sinta confortável e confiante para inclinar a 650MT ao limite. Isto até ao momento em que os pneus Metzeler Roadtec Z8 Interact começam a perder aderência e somos obrigados a refrear os ímpetos desportivos.

Na traseira senti que seria necessário ajustar a pré-carga. Estava demasiado rija, e em asfalto menos liso a traseira revelou uma tendência para saltitar um pouco. Claro que com passageiro a traseira ficou no ponto, o que me deixou com a ideia que alguém terá ajustado a pré-carga antes de eu andar com a 650MT Adventure.




O funcionamento das suspensões é um bom complemento para a rigidez estrutural apresentada pelo quadro. Estes elementos trabalham em sintonia para dotar a CFMoto 650MT Adventure de grande estabilidade em linha reta, mas também em curva usufruímos de uma dinâmica assertiva, que transmite confiança para atacar as trajetórias mais apertadas sem sentir perda de “feedback” da ciclística.

Na travagem a nota que dou a esta CFMoto também é positiva.

Os discos recortados de 300 mm de diâmetro são mordidos por pinças de dois pistões da J.Juan. O design agressivo dos discos não é apenas estético! Na realidade bastam apenas alguns momentos aos comandos da 650MT e percebemos que os travões cumprem com a sua função, são doseáveis, entregando potência de forma bastante progressiva, embora a sua atuação seja condicionada, no limite, pelo sistema de ABS da Continental que se revela bastante interventivo.


Veredicto CFMoto 650MT Adventure


A CFMoto 650MT apresenta bons argumentos para uma turística aventureira de média cilindrada, e coloca-se numa excelente posição, quer em termos de performance como também de preço, num segmento bem popular em Portugal.

Esta proposta chinesa tem o potencial para ser uma moto para usar todos os dias na sua deslocação casa / trabalho e vice-versa. Mas ao mesmo tempo fará com que sinta vontade de ir pelo caminho mais longo, desfrutando das curvas antes de chegar ao seu destino.

O motor é a jóia desta CFMoto. Potente, linear, económico e sem vibrações. As suspensões absorvem bem os impactos, maximizando o conforto proporcionado por uma posição de condução que é perfeita. Os travões não são exemplares, mas cumprem com a função.

A utilização de componentes de marcas conceituadas como a J.Juan, Bosch, Continental, ou até da Metzeler, deixa à vista que a intenção da CFMoto não é de poupar nos custos de produção. Todos estes elementos parecem ter sido escolhidos e colocados a funcionar em sintonia, o que denota bastante cuidado por parte do fabricante chinês na conceção desta 650MT. Tudo isto sem apresentar uma fatura final elevada.

Neste teste usámos os seguintes equipamentos de proteção e segurança:

Capacete – Shark Evo One 2

Blusão – REV’IT! Horizon 2

Calças – REV’IT! Horizon 2

Luvas – Ixon RS Slick HP

Botas – Gaerne G-Stelvio

andardemoto.pt @ 27-4-2020 19:30:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives