Teste SYM Cruisym Alpha 125 - Maxiscooter com personalidade

A marca de Taiwan tem na nova Cruisym Alpha 125 uma proposta muito agradável para aqueles motociclistas que procuram uma maxiscooter com personalidade. Testámos a nova SYM e gostámos do que sentimos!

andardemoto.pt @ 22-11-2021 16:16:44 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Cruisym Alpha 125 | Scooter | 125cc

Com uma já longa tradição nos modelos do tipo maxiscooter, ou GT, a SYM continua a apresentar de forma regular novidades que mantêm a marca de Taiwan, representada em Portugal pelo grupo Moteo, na luta pelo topo do segmento, enfrentando uma concorrência cada vez mais feroz.

Quem não se recorda da muito popular GTS que a SYM lançou em 2005? Manteve-se em comercialização durante mais de uma década. Tecnologia que foi sendo evoluída a cada geração, estilo desportivo, bom equipamento de série, mas acima de tudo uma dinâmica bem conseguida e um preço muito competitivo, foram algumas das características que fizeram da SYM GTS uma scooter de eleição para muitos motociclistas.

Mas a concorrência reagiu e “acelerou”, apresentando também propostas que foram deixando a GTS um pouco para trás. A resposta da SYM ao ataque da concorrência chegou em 2018, com a primeira Cruisym 125, que partilhava muitos componentes com a versão de 300 cc, e por isso oferecia boas prestações.


Para além do óbvio trocadilho que encontramos no nome do modelo, a Cruisym 125 recebe este ano uma importante atualização. Ganha a denominação Alpha. E o que é que isso inclui? A principal novidade é a passagem do motor monocilíndrico de 125 cc para as normas Euro5. A SYM conseguiu cumprir com as restritivas normas europeias instalando um sistema de injeção da japonesa Keihin, e além disso, o cilindro conta agora com um tratamento cerâmico que ajuda a reduzir a fricção interna e assim reduz também as emissões poluentes.

Se ao nível mecânico estas são as principais novidades, e que não alteram as performances do suave motor refrigerado por líquido, com a SYM a anunciar uma potência de 14,3 cv às 8.750 rpm, também não podemos deixar de notar, até porque é bastante notório, que a SYM segue agora uma linguagem de estilo mais desportivo. A nova Cruisym Alpha 125 ganha uma imagem bastante agressiva, particularmente ao nível da carenagem frontal.

As óticas e luzes diurnas são em LED, e cumprindo com o que a marca garante, podemos confirmar que o sistema de iluminação da Cruisym Alpha 125 é mesmo bastante eficaz em situações de condução com visibilidade reduzida. Por falar em iluminação, os intermitentes continuam a estar posicionados na base de suporte dos espelhos retrovisores, que garantem uma excelente visibilidade para trás, o que não deixa de ser uma opção pouco comum e que se torna em mais um elemento diferenciador.


Ao melhor estilo de uma maxiscooter GT, a SYM Cruisym Alpha 125 revela-se muito cómoda, quer para o condutor, que usufrui de muito espaço no assento e facilmente encontra uma posição confortável para os pés e pernas, quer para o passageiro, que conta com um assento largo, ligeiramente mais alto, e com pegas bem posicionadas para se agarrar.

Aos comandos da Cruisym Alpha 125, será difícil não ficar satisfeito com a posição de condução, até porque o guiador elevado está também ele “à mão de semear”, deixando os braços do condutor ligeiramente fletidos, mas sem ser em esforço. À nossa frente está também, e para além do novo painel de instrumentos totalmente digital com muita informação visível e facilmente legível, um para-brisas que, para além de ser alto e largo, pode ser ajustado em altura. No entanto, será necessário recorrer a ferramentas para o fazer, o que reduz a facilidade de utilização.

Debaixo do assento, o espaço disponível é exemplar! O assento está apoiado por um amortecedor telescópico e assim que fica na sua posição mais aberta, permitindo aceder facilmente ao espaço interior com nada menos do que 48 litros de capacidade, podemos então guardar aí nada menos do que dois capacetes integrais, sendo que o capacete que ficar à frente não poderá apresentar “spoilers” ou ser demasiado volumoso, pois essa zona é esguia.



Os dias em que tive a oportunidade de rodar com a SYM Cruisym Alpha 125 foram dias felizes. O seu motor monocilíndrico e o variador contínuo garantem boas acelerações, suaves, com o acelerador a revelar-se progressivo e facilmente doseável. É notório o peso do conjunto. Afinal, são 179 kg a cheio! Mas isso apenas nas manobras a menor velocidade, pois assim que embala, a Cruisym Alpha 125 revela um excelente equilíbrio na divisão do peso entre eixo dianteiro e traseiro.

Facilmente o condutor desta maxiscooter GT descobre o limite, com o descanso central a raspar no asfalto. Porém, a estabilidade em inclinação, e que resulta numa boa velocidade de passagem em curva, leva muitas vezes a inclinar mais do que o necessário para uma determinada curva. Nas curvas mais lentas ou manobras por entre o trânsito, é notório que o motor de 125 cc apresenta um ligeiro poço na entrega de potência, quando é necessário que as rotações recuperem. Mas não é grave, até porque a suavidade da Cruisym Alpha 125 ajuda a ultrapassar esta pequena falha.

Nos percursos onde é necessário usufruir de maior velocidade, a bem construída Cruisym Alpha 125 brilha! O seu motor tem força para empurrar o conjunto até aos 120 km/h (no painel de instrumentos), e mesmo quando apanhamos uma subida mais pronunciada, a velocidade não baixa em demasia. Um fator muito positivo para aqueles motociclistas que, como eu, não residem no centro da cidade e por isso têm de enfrentar alguns quilómetros de autoestrada ou estrada nacional.


Apesar das generosas dimensões das carenagens, a verdade é que esta SYM movimenta-se de forma graciosa. A sua agilidade é notável, a certeza da direção é isenta de falhas, e a opção de jante 14 polegadas à frente com 13 polegadas atrás é garantia de um compromisso equilibrado entre a agilidade necessária para a cidade e a estabilidade para estrada aberta. Nos momentos de condução mais desportiva, a forquilha apresenta algumas dificuldades em gerir o esforço da transferência de peso para a dianteira.

Porém, é possível combater isso, posicionando o nosso corpo ligeiramente mais para trás, o que ajuda a tirar peso em excesso do guiador e, consequentemente, a suspensão fica menos sobrecarregada e pode assim trabalhar com mais segurança.

Nota muito positiva também para o funcionamento do sistema de travagem. Apesar de ser um sistema relativamente simples, a verdade é que a combinação de pinça de quatro pistões e disco dianteiro de 260 mm de diâmetro oferece uma enorme capacidade de travagem. O tato da manete pode ser um pouco mais “duro” quando começamos a apertar a manete, porém, a progressividade é notória e torna-se fácil dosear a travagem. O travão traseiro quase não é necessário na Cruisym Alpha 125, tal é a eficácia do travão dianteiro.


Por outro lado, a SYM pretende que esta nova geração da sua maxiscooter GT seja bastante segura. Nesse sentido, a marca de Taiwan recorreu aos especialistas da Bosch, que fornecem a unidade de ABS 9.1, que raramente se faz sentir na manete, apenas vibrando ligeiramente quando abusamos realmente do ponto de travagem.

Uma última nota para o consumo de combustível. Com um depósito de 12 litros de capacidade, com abertura colocada no túnel central, a SYM Cruisym Alpha 125 revelou-se relativamente poupada no consumo de gasolina. Em utilização mista e sem grandes cuidados com o acelerador, facilmente obtivemos uma média de 3 litros aos 100 km.

Um valor que, tendo em conta o volume do conjunto e o seu peso, acaba por ser interessante, pois significa que com um depósito, em teoria, esta maxiscooter GT percorre cerca de 400 quilómetros antes de ter de reabastecer.


Veredicto SYM Cruisym Alpha 125


Para ser sincero na minha avaliação, tenho de referir que haverá pouca coisa a alterar na Cruisym Alpha 125. Talvez fosse bom a SYM pensar em incluir um computador de bordo mais completo, que permita verificar de forma prática e sem cálculos matemáticos qual é o consumo médio. O ajuste da altura do para-brisas com uso de ferramentas é, provavelmente, o detalhe que mais necessita de ser trabalhado e corrigido no futuro.

Bem equipada, e onde nem falta uma ficha USB 3.0 para carregar o telemóvel no compartimento frontal (sem fechadura), a Cruisym Alpha 125 revela uma excelente capacidade para percorrer depressa, sem dramas, e de forma económica, distâncias médias. Em cidade, as maiores dificuldades prendem-se com o volume das suas carenagens, que obrigam a pequenos cálculos quando passamos entre os automóveis.

Mas a sua agilidade é muito boa e o equilíbrio do conjunto notável, ao ponto de conseguirmos rodar a velocidades de 15 km/h no trânsito mais lento sem sermos obrigados a efetuar correções na nossa postura de forma constante.

Resumindo, a SYM Cruisym Alpha 125 é uma boa evolução em relação à geração Euro4. Boas prestações, bom nível de equipamento de série, e um design apelativo para aqueles que apreciam os modelos mais desportivos. É uma maxiscooter com personalidade, e com um preço ajustado àquilo que oferece.

Neste teste utilizámos os seguintes equipamentos de proteção:


Capacete – Shark Evo-One 2

Blusão – Ixon Cobra

Calças – REV’IT! Orlando H2O

Luvas – Ixon RS Slick HP

Botas – TCX X-Blend WP

Galeria de fotos SYM Cruisym Alpha 125

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Cruisym Alpha 125 | Scooter | 125cc

andardemoto.pt @ 22-11-2021 16:16:44 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives