A história das Scrambler

Uma Scrambler é uma moto específica para enfrentar caminhos difíceis. Saiba como tudo começou.

andardemoto.pt @ 27-4-2022 03:28:24

Foi apenas no início dos anos 20, e sob o mote da expressão “Joly Good Fun”, que surgiram as primeiras Scrambler

Foi apenas no início dos anos 20, e sob o mote da expressão “Joly Good Fun”, que surgiram as primeiras Scrambler

As descobertas mecânicas dos séculos XIX e XX fizeram com que a humanidade alcançasse muitos sucessos, entre os quais, no início do século 20, a generalização das motos, que antecedeu a produção em série de outros tipos de veículos motorizados.

De simples bicicletas a que foi acrescentado um pequeno motor, as motos foram evoluindo tecnologicamente a uma velocidade estonteante graças ao seu sucesso perante uma clientela sedenta de liberdade de transporte e emoções fortes.

Mas foi apenas no início dos anos 20, e sob o mote da expressão “Joly Good Fun”, que surgiram as primeiras Scrambler, um tipo de moto preparado para conduzir em estradas más e cruzar campos húmidos e lamacentos, com o objectivo de serem as mais rápidas e ágeis.

As primeiras motos de competição do Reino Unido, mais concretamente na Inglaterra, basearam-se nas das corridas do clube Auto-Cycle de Trial de 1909 e nos Seis dias de Trial da Escócia, que tiveram a sua primeira edição em 1912. 

Basicamente as corridas de Scramble resumiam-se a pouco mais do que “correr de A a B no período de tempo mais curto possível”

Basicamente as corridas de Scramble resumiam-se a pouco mais do que “correr de A a B no período de tempo mais curto possível”

Cansados da complexidade do sistema de pontuação usado nessas provas, os organizadores das corridas de Scrambler dispensaram todos os “detalhes” e definiram que o piloto que fosse mais rápido a chegar ao fim da prova seria o vencedor.

Devido a este fator algumas corridas realizadas no final dos anos 20 e início dos anos 30 foram consideradas esplêndidas porque havia muito poucas regras e aquelas que existiam estavam apenas relacionadas com a segurança dos pilotos e com o protocolo dos eventos. Basicamente resumiam-se a pouco mais do que “correr de A a B no período de tempo mais curto possível”.

Nestas corridas de Scramble, os pilotos menos profissionais começaram a prestar mais atenção aos campeões e assim desenvolveram competências e táticas para melhorarem o desempenho das suas máquinas de duas rodas.

Na II Guerra Mundial já foi possível observar soldados equipados com motos bastante competentes

Na II Guerra Mundial já foi possível observar soldados equipados com motos bastante competentes

Analisaram quais foram as motos mais rápidas em pista e porquê, e quais as modificações que deveriam ser feitas para tornarem as suas mais rápidas. E a dica era: ficar apenas com as peças e componentes necessário,s e conseguir a maior distância livre possível do solo, para assim melhor poderem ultrapassar as dificuldades do percurso.

Na II Guerra Mundial já foi possível observar soldados equipados não só com armas, mas também com motos bastante competentes, que lhes permitia chegarem rapidamente a lugares que antes eram impossíveis de alcançar, beneficiando assim o exército de uma enorme vantagem tática.

Claro que, com o interesse militar chegou também mais dinheiro para desenvolver novas tecnologias. Quando a guerra acalmou, o mundo das duas rodas beneficiava de grandes avanços tecnológicos que iam desde os pneus a novas engenharias de motores e até as suspensões beneficiaram de bastantes inovações.


A famosa Ducati Scrambler 450

A famosa Ducati Scrambler 450

Também as corridas de ponto a ponto deram lugar aos circuitos, o que forçosamente originou mudanças na estrutura dos eventos.

Em Inglaterra, em 1952, surgiram as “European Championship Series”, provas que se assemelhavam às mais recentes corridas de motocross, e esta mudança deixou para trás os eventos das velhas Scrambler. 

Mas o espírito Scrambler não morreu. Ficou latente no público que ansiava explorar os campos, livremente e sem regras.

Uma réplica da Metisse-Triumph desert racer de Steve McQueen

Uma réplica da Metisse-Triumph desert racer de Steve McQueen

Nos 10 anos que se seguiram começaram a ser produzidas pelos grandes fabricantes, motos específicas para condução em off-road, que se revelavam tão competentes na estrada como nos trilhos montanhosos ou ainda mesmo, em provas de trial, de motocross e muitas outras.

Mas também a Triumph registou imenso sucesso graças ao Mr. Cool, Steve McQueen himself, que regularmente competia com uma Metisse Mk3 de 1961, equipada com um motor Triumph.

Uma das marcas europeias que se destacou neste período foi a Ducati que, desde o início dos anos 60, lançou uma série de motos que resultaram num enorme sucesso tanto nas pistas, como nas estradas. 

A  Husqvarna Viking 360 de Steve McQueen

A Husqvarna Viking 360 de Steve McQueen

Sem admiração, também os fabricantes japoneses já tinham começado a revelar interesse por esta nova tendência, que colocava o motociclismo como um passatempo de fim-de-semana e não como um desporto profissional. 

Nos finais dos anos 60 os outros fabricantes europeus também entraram na ação e lançaram as suas primeiras Scrambler da fábrica para venda ao público.

Depois do americano Steve McQueen ter rasgado as areias californianas numa Husqvarna Viking 360, a marca também registou um significativo aumento da procura desse modelo nos seus revendedores.


A Honda CR250 M Elsinore de 1973 pilotada por Steve McQueen

A Honda CR250 M Elsinore de 1973 pilotada por Steve McQueen

E a Honda, que foi o primeiro fabricante japonês a investir seriamente no mercado americano, conseguiu um resultado estrondoso com as suas motos do modelo “CL”, leves e de escape elevado, e também com as lendárias “CR” que deram origem ao modelo “Elsinore” popularizado pelo anúncio televisivo que apresentava, nem mais nem menos, o actor Steve McQueen aos seus comandos.

Na américa, a década de 70 viu o motocross tomar o lugar do motociclismo off-road e, em 1972, já se faziam demonstrações de motocross no intervalo do Superbowl.

Mas devido ao seu clima e geologia específicos, os californianos aproveitaram o que tinham de bom e em abundância: as areias do seu deserto, e as provas que aí eram organizadas, e que chamavam a atenção de centenas de participantes, desde pilotos profissionais a amadores, foram popularizadas pelo filme “On Any Sunday” de Bruce Brown, realizado em 1971, tendo resultado no crescimento e popularidade do motociclismo e trazido novamente para a ribalta, as provas de off-road à antiga. 

A versão base da BMW R80 G/S de 1981

A versão base da BMW R80 G/S de 1981

Também na Europa o antigo off-road, com provas de ponto a ponto voltava à ribalta, devido à popularidade do Paris Dakar. Que o diga a BMW pois ao criar o modelo R80G/S em 1980, seguramente não imaginava o sucesso que os seus modelos GS viriam a ter até aos dias de hoje.

E desde então, todas as marcas começaram a disponibilizar modelos para que os seus fãs pudessem andar na estrada, como se estivessem a cruzar os desertos africanos.  

Olhando para o mercado, e apesar das Scramblers serem motos que surgiram nos anos 20, parece que o seu estilo retro está de volta ao século XXI, e que veio para ficar.

andardemoto.pt @ 27-4-2022 03:28:24


Clique aqui para ver mais sobre: Sabia que