Pedro Pereira

Pedro Pereira

Só ando de moto em 2 locais: na estrada e fora dela!

OPINIÃO

O meu Tributo ao fantástico On Any Sunday de Bruce Brown

Uma viagem na história do motociclismo, que marcou uma época e que ainda hoje serve de inspiração para todos os amantes das motos.

andardemoto.pt @ 28-7-2019 08:00:00 - Pedro Pereira

Imagino que este título seja desconhecido de muitos, mas o primeiro documentário/filme com este nome, realizado e comentado por Bruce Brown, é um marco na história do motociclismo que definiu de forma indelével a maneira como as pessoas passaram a olhar para as motos.

Correndo o risco de algum exagero, direi que este filme está para as motos como o Endless Summer está para o Surf! Talvez alguns de vós tenham visto o On any Sunday na edição de 2016 do Lisbon Motorcycle Film Fest, mas recordar também é viver e pode ser uma oportunidade para o partilhar com mais pessoas, amantes ou (talvez ainda) não, das motos!

Pedi deliberadamente ao editor que este artigo de opinião fosse publicado no dia 28 de julho, por uma razão óbvia: foi nesta data que On Any Sunday de Bruce Brown foi lançado nos Estados Unidos, no já longínquo ano de 1971, ou seja, há 48 anos atrás!

Nesta altura ainda reinava a ditadura em Portugal, apesar de Salazar já ter falecido no anoanterior, mais precisamente 1 ano e 1 dia antes! De tal modo ainda éramos um país fechado(orgulhosamente só, se preferirem), que o On Any Sunday só foi oficialmente lançado em Portugal 5 anos depois!

Posteriormente foram produzidas várias sequelas, até divulgadas aqui no Andar de Moto, mas nenhuma delas teve a importância, o caráter inovador e a influência do original que perdura ainda nos dias de hoje, tendo ganho um lugar cativo na história da Sétima Arte!

O que tem de tão especial On any Sunday?

São “apenas” 96 minutos de documentário (gosto de dizer que é quase um filme),brilhantemente dirigidos e produzidos por Bruce Brown, com banda sonora de DominicFrontiere e com um leque de personagens/motociclistas/atores dos quais destaco dois emparticular:

Malcom Smith, lenda ainda viva do motociclismo, sobretudo em provas de Enduro, Bajas, Six Days… com um palmarés incrível e uma postura descontraída e uma fluidez a andar de moto que ainda hoje é espantosa! Para ele tudo parecia fácil e o seu sorriso espelhava isso! 


Steve McQueen

Steve McQueen

Steve McQueen, ator de muito talento que nos deixou precocemente (faleceu em 1980, comapenas 50 anos). Era um apaixonado por motos e ele próprio ajudou a financiar o documentário, aparecendo em várias cenas, sendo que em muitas deles os outros pilotos nem sequer sabiam quem ele era!

Para a eternidade ficaram os seus papéis em filmes como Papillon (prisioneiro condenado a prisão perpétua na Guiana Francesa e as suas tentativas de fuga), Bullit (com a célebre perseguição automóvel nas ruas de S. Francisco ao volante de um Ford Mustang GT 390) ou The Great Escape (em destaque a célebre tentativa de fuga de um campo nazi com a mota saltando uma cerca de arame farpado).

Husqvarna 400

Husqvarna 400

Fica o convite para aproveitar durante as férias e (re)ver algum ou vários destes filmes do The King of Cool. Recentemente, a própria Husqvarna lançou uma edição especial da sua Husqvarna Svartpilen 401 de tributo a Steve McQueen, homenageando também a Husqvarna 400, a 2 tempos, que o ator pilotou em diversas cenas de On Any Sunday.

Por detrás do título está o “ritual” que ainda hoje continua vivo para muitos de nós: a voltinha dominical de moto! No caso em apreço era mais uma prova de resistência, sacrifício e entrega em que centenas de motociclistas se juntavam, ao domingo de manhã, para um difícil desafio pelo deserto, cheia de perigos e armadilhas em que o objetivo era simplesmente tentar chegar ao fim!

Hoje estamos mais burgueses, mas também mais conscientes e o que queremos é, acima de tudo, divertirmo-nos! Juntamo-nos pelo gosto de estarmos juntos, pela brisa matinal, pela gastronomia, para fugir à rotina, pela camaradagem… em suma, pelo prazer de andar de moto, pois esse, felizmente,  não se perdeu nestes 48 anos!

Não é o facto de On Any Sunday ter sido candidato a um óscar no ano seguinte na categoria documentário (que nem sequer ganhou) que o torna verdadeiramente especial. As razões são muitas e para as perceber é crucial ver a totalidade do mesmo e fazer uma viagem no tempo, para entender que a realidade do motociclismo atual é bem diferente daquela retratada há quase meio século!

Um exemplo de como On Any Sunday foi especial está nas cenas iniciais em que vários miúdos montados em bicicletas de tipo BMX vão aos saltos por uma pista, imitando uma qualquer prova de motocross. Parecia algo perfeitamente banal, mas foi o rastilho que “incendiou” à escala mundial este tipo de bicicletas. Daí ao BTT e downhill, hoje praticado por milhões, foi apenas um simples um passo!

Nos dias de hoje ter uma “action cam” no capacete, no peito ou no guiador da moto é banal, mas foi em On Any Sunday que praticamente tudo começou! Conseguir filmagens feitas a partir da moto foi uma inovação tremenda e bastante complexa, já que à época as câmaras eram grandes, pesadas e nada práticas.

Mas resultou e o público adorou, como seria de prever, pois permitia-lhes participiar na acção como se fossem eles próprios a conduzir! Nem consigo imaginar a sensação que deve ter sido para os milhões de espetadores da época!


Ver On Any Sunday com os olhos do séc. XXI

Todo o documentário é um hino à superação e uma glorificação de quem anda de moto. Claro que o enredo está centrado na exaltação Norte Americana, mas é muito mais que isso. Ao longo do mesmo ouvem-se muitas vezes palavras como superação, alegria, prazer, perigo, convívio, paixão, liberdade… algo que continua tão válido agora como antes!

As cenas finais são mesmo antológicas: 3 amigos que se reúnem para ir andar de mota (dois deles são os que menciono logo no início deste texto), pelo prazer de estarem juntos, de se divertirem, de passarem um bom bocado. Se quiserem, de lavar a alma!

Boa parte do documentário é focado nas motos de fora de estrada, incluindo vários minutossobre a 45.ª edição dos Six Days Enduro de El Escorial (Espanha) de 1970 (relembro que este ano os ISDE vão ser novamente em Portugal, clique aqui para ver mais informações). 

Porém, vai muito para além do puro e duro off-road. Ali vemos competição em estrada, flat track, corridas no gelo, tentativas de bater recordes de velocidade, sidecars, subida impossível… ou até pessoas que usam simplesmente as motos como meio de transporte, como forma de ir de A para B, e até crianças a andar de moto!

Aproveitem também para ver os detalhes do filme e perceber a evolução das motas! Reparem como as suspensões eram limitadas! Apreciem as carenagens ou a ausência delas! Não havia quaisquer ajudas eletrónicas, os travões eram quase todos de tambor (mais abrandadores), o pedal de arranque (kick starter) ainda estava muitas vezes do lado esquerdo e os próprios quadros estavam a anos luz do que a tecnologia nos oferece hoje!

Os próprios equipamentos de segurança deixavam tanto a desejar! Apreciem os capacetes, a maioria deles “abertos”, as botas utilizadas, os óculos de proteção, os fatos e demais proteções que eram a norma na época, e tentem fazer um paralelismo com o que há na atualidade. Era um mundo completamente diferente e a evolução foi mesmo a nosso favor!

Tentem também perceber, nomeadamente olhando para os depósitos das motos, que há para ali uns nomes meio estranhos e já desaparecidos do panorama motociclístico atual! Continuamos a ter marcas como a Harley Davidson, a Triumph, a Husqvarna ou a Yamaha, mas muitas outras se perderam, caso da BSA, da Bultaco ou da Hodaka… isto em menos de 50 anos! Como será daqui a outros 50 anos? Quantas mais vão desaparecer? E (re)nascer?

Espero ter conseguido aguçar-vos o apetite para ver a totalidade do documentário(que é bem fácil de encontrar), mas se com a leitura até aqui ainda não foi possível despertar esse desejo em vós, lanço-vos um pequeno repto que vos vais “custar” apenas 2,35 minutos do vosso tempo: vejam o vídeo acima, um trailer do filme. Imagino que daí até quererem (re)ver a versão integral… vai apenas um pequeno passo!

Aproveito ainda para uma derradeira homenagem a Steve McQueen tendo por base um
anúncio que fez em 1972 para a Honda intitulado: "Are You As Cool as McQueen Honda CR250 Elsinore?" (video abaixo)

Chamo a vossa especial atenção para algo que ele diz quase no final do anúncio, por volta do minuto 4 e de que faço uma tradução livre: (…) conduzo fora da estrada para me descontrair e faço-o depressa, mas sempre com equipamento de proteção.

Se conduzirem na estrada deem prioridade à segurança e conduzam com cuidado!

Pedro Pereira

Are You As Cool as McQueen Honda CR250 Elsinore?

andardemoto.pt @ 28-7-2019 08:00:00 - Pedro Pereira