Teste BMW C 400 GT - Foco no Conforto

A maxiscooter C 400 GT é a proposta mais “touring” dentro da sua gama de scooters de média cilindrada da família Urban Mobility. Esta proposta da BMW apresenta um foco muito grande no conforto. Mas tem outras capacidades que vale a pena ter em conta.

andardemoto.pt @ 26-1-2021 09:00:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

BMW C 400 GT | Scooter | Urban Mobility

Não tenho uma scooter para as minhas deslocações diárias. Se calhar devia. As mais-valias de conduzir uma scooter em meios urbanos são evidentes para todos nós, principalmente para os milhares de motociclistas que descobriram as vantagens das duas rodas através das 125 cc. Porém uma scooter 125  pode ficar abaixo das expectativas se vivermos, como é o meu caso, a distâncias médias do centro da cidade onde trabalhamos.

A solução passa em grande parte por subir de cilindrada, optando por propostas pensadas para deslocações de média distância, e por isso mais focadas no conforto. E uma dessas propostas é a maxiscooter BMW C 400 GT.

Partilhando grande parte dos componentes com a mais radical e urbana C 400 X – leia aqui o nosso teste –, a variante GT ganha muitos pontos a seu favor quando olhamos para as suas especificações enquanto proposta Grand Turismo.

No entanto, sou obrigado a falar abertamente naquele que, para mim, será o calcanhar d’Aquiles: o seu preço.


Começo esta minha análise à C 400 GT precisamente por este ponto pois acredito que será um dos fatores, talvez até o principal fator, que o caro leitor tem mais em conta quando está a equacionar a aquisição da sua nova moto.

O preço base da BMW C 400 GT está posicionado nos 7.872€. Já de si é um valor que a posiciona no extremo mais elevado em termos de preços se olharmos para as motorizações 300 / 400 cc. Mas a unidade que testei contava com o “pack” Conectividade. Assim, o PVP da unidade testada sobe ainda mais para os 8.290€.

Este pacote de extras inclui o ecrã TFT a cores, que substitui o painel analógico e digital da versão base, e ainda o comando Multi-Controller rotativo no punho esquerdo. Graças também a este pacote a C 400 GT passa a permitir a ligação com um smartphone. Indicações de GPS em formato “curva a curva” aparecem no ecrã, e podemos controlar as chamadas telefónicas e outras opções ligadas ao smartphone.


Será este preço demasiado elevado? Sou obrigado a pensar que sim. Apenas as scooters de três rodas se aproximam destes valores. As rivais de duas rodas estão alguns milhares de euros abaixo da proposta alemã. E isso nunca é fácil de ultrapassar.

No entanto convém ter em conta que por este valor a BMW Motorrad não brinca em serviço! Os materiais utilizados na construção da C 400 GT são absolutamente irrepreensíveis, não se encontram falhas na construção ou montagem, e a sensação de qualidade “premium” é evidente em todos os detalhes.

A começar precisamente no incrível painel TFT a cores de 6,5 polegadas.

Com uma dimensão muito generosa, este painel permite vários tipos de visualização das diferentes informações como consumo médio, distância percorrida, etc. Mas o que mais gostei foi a forma “limpa” como a informação é apresentada.

Numa era digital em que os nossos olhos são invadidos por “toneladas” de informação visual, a BMW Motorrad acertou em cheio ao desenhar um painel que apenas nos dá o mais relevante, sendo as informações secundárias disponibilizadas noutros modos de visualização, ou num pequeno canto do ecrã.

Por norma sou adepto de ecrãs digitais carregados de informações. Mas confesso que depois de testar a C 400 GT fiquei absolutamente agarrado a este painel de instrumentos tão “clean”.



As linhas que dão corpo à C 400 GT são bem conseguidas. Certos detalhes como o conjunto de quatro óticas dianteiras com luzes diurnas em LED conferem uma imagem especial e uma assinatura luminosa poderosa. E aos comandos desta scooter alemã percebemos que as suas carenagens mais volumosas conseguem proteger bem melhor o condutor quando comparamos com o que acontece na C 400 X.

O vidro dianteiro é mais elevado e de facto contribui para a excelente proteção aerodinâmica. Talvez a BMW pudesse incluir um sistema de ajuste em altura. Sentado num assento largo e que oferece um excelente apoio lombar, o condutor usufrui de um conforto acima de qualquer crítica, até porque o espaço para as pernas é assinalável, pela positiva, permitindo encontrar posição mesmo para condutores de maior estatura.

Com o comando da scooter no bolso (tem sistema total “Keyless”), a BMW C 400 GT acorda para a vida rapidamente assim que carregamos na ignição. O monocilíndrico de 350 cc revela-se suave nos baixos regimes, embora a médios regimes se note algo rude, com pequenas vibrações a serem transmitidas para o condutor através do assento e guiador.


No entanto basta passar para lá das 5000 rpm e as vibrações desaparecem. Aliás, este motor revela toda a sua força para lá das 6000 rpm a caminho de entregar a potência máxima de 34 cv às 7.500 rpm, com o monocilíndrico ainda assim a garantir uma boa capacidade de aceleração a partir de parado. O suficiente para arrancarmos dos semáforos e deixar tudo para trás sem dificuldade.

Se a velocidade cruzeiro superior a 140 km/h não surpreende numa scooter GT desta cilindrada, o que se revela perfeito para tiradas em autoestrada sem recear ser “passado a ferro” pelos automobilistas armados em pilotos de Fórmula 1, a C 400 GT brilha ainda na capacidade de recuperação. Um pequeno rodar de acelerador e o motor rapidamente regressa à faixa de rotação em que melhor se sente, e com isso as ultrapassagens são feitas sem qualquer problema.

Com um chassis bem equilibrado a BMW C 400 GT mantém-se estável mesmo a velocidades mais elevadas, e apesar de ter jantes de pequena dimensão, o que poderia causar alguma instabilidade. A ideia de podermos fazer algumas viagens numa maxiscooter desta cilindrada pode parecer motivo para alguns risos, mas na realidade tenho a certeza que ficaria muito satisfeito se fizesse uma viagem mais longa aos comandos desta alemã confortável.

Até porque com um consumo médio a rondar os 4 litros, significa que a autonomia proporcionada pelo depósito de 12,8 litros é enorme!


Mas não é apenas em linha reta que a C 400 GT impressiona. Apesar do peso algo elevado (212 kg a cheio), o equilíbrio do conjunto é notável.

A direção responde rapidamente e com uma certeza enorme aos impulsos no guiador, bem posicionado. A forquilha com bainhas de 35 mm digere bem as imperfeições do asfalto, embora por vezes a afinação de fábrica algo suave possa reduzir um pouco o “feedback” em inclinação. Ainda assim, nada que seja problemático.

Como referi, o peso do conjunto é algo elevado. Mas na prática a BMW conseguiu esconder muito bem os 212 kg, posicionando-os o mais abaixo possível para aproximar o centro de gravidade do solo.

O resultado é muito satisfatório, com a C 400 GT a movimentar-se de forma graciosa de curva em curva nos percursos mais retorcidos. Não é uma scooter para grandes correrias, mas por outro lado não se atemoriza quando aumentamos o ritmo, apresentando uma ótima distância livre ao solo o que garante bons ângulos de inclinação.



A travagem ByBre (uma subsidiária da Brembo) chega a impressionar, tanto ao nível da potência como da progressividade disponibilizada. A sensação de potência de travagem é enorme, e o tato na manete que controla a pinça de dois pistões é excelente, o que reforça a sensação de qualidade de todo o conjunto.

O travão traseiro é igualmente eficaz, e quando usado sabiamente, revela-se um poderoso aliado para ajudar a conduzir a C 400 GT de forma mais dinâmica sem perder estabilidade.

De todos os equipamentos de série, e aqui estou também a incluir o controlo de tração, aquele que mais me agradou foi o compartimento debaixo do assento. Com o sistema Flexcase a base do compartimento debaixo do assento abre, e com isso a C 400 GT passa a acomodar sem problema um capacete integral. Convém relembrar que o Flexcase apenas funciona com o motor desligado.

Veredicto BMW C 400 GT


A BMW Motorrad acertou em cheio com a C 400 GT. Mais ainda do que com a variante X, mais radical. Pese embora o preço desta Grand Touring seja uma questão que, para muitos, será incontornável, a realidade é que esta maxiscooter não apresenta falhas e, pelo contrário, tudo o que tem é bom ou mesmo muito bom!

É uma scooter que corresponde facilmente às necessidades das viagens de média distância para os executivos que trabalham no centro das cidades e necessitam de se movimentar facilmente. A potência disponibilizada pela sua unidade motriz é suficiente para ritmos mais divertidos, sem penalizar nos consumos.

A facilidade de utilização é garantida pelo sistema “keyless” ou pela excelente conectividade proporcionada pelo ecrã TFT a cores com ligação Bluetooth. E depois temos ainda o sistema Flexcase que aumenta significativamente a capacidade de arrumação desta C 400 GT.

Se conseguir passar por cima do fator preço, então acredito que se está à procura de uma maxiscooter “premium” capaz de fazer tudo, esta BMW C 400 GT é uma das opções que você deverá colocar no topo da sua lista de desejos.

Neste teste utilizámos os seguintes equipamentos de proteção


Capacete – Shark Spartan

Blusão – REV’IT! Horizon 2

Calças – REV’IT! Orlando H2O

Luvas – Ixon Pro Verona

Botas – REV’IT! Mission

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

BMW C 400 GT | Scooter | Urban Mobility

andardemoto.pt @ 26-1-2021 09:00:00 - Texto: Bruno Gomes | Fotos: Luis Duarte

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives