Teste MBP M502n - Um Degrau Acima

A MBP é a nova marca premium da Keeway e a M502n é o modelo que lhe serve como cartão de visita. Uma sofisticada naked de média cilindrada que pretende vingar num segmento extremamente importante para o nosso mercado.

andardemoto.pt @ 13-12-2022 13:05:27 - Texto: Pedro Alpiarça | Fotos: Luis Duarte

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Keeway MBP M502N | Moto | MBP

Se fosse necessário um enquadramento, para os mais distraídos, bastava dizer que nos últimos anos a produção industrial no mundo das duas rodas gravitou para Este.

Quase todas as grandes marcas europeias aproveitaram a capacidade produtiva chinesa, o know-how tecnológico nivelou-se e, actualmente, assistimos a um crescendo de novos nomes (gigantes no seu contexto natal) a surgirem no nosso mercado.

A aproximação a uma noção de estética mais aprazível aos nossos gostos, a par com uma qualidade ao nível dos rivais, faz com que já não seja possível ignorar esta tendência. A EICMA deste ano foi uma revelação do que nos espera. E acreditem que estamos prontos, porque a lição vem bem estudada.


MBP significa Moto Bologna Passione, e assume ser uma ramificação premium da Keeway. O objectivo é entregar modelos com qualidade e cilindrada superior e concorrer em novos segmentos do mercado. 

O objectivo é entregar modelos com qualidade e cilindrada superiores e concorrer em novos segmentos do mercado. O grupo Zhejiang Geely Holding Group Co., Ltd (ZGH)., proprietário da Keeway, também tem na sua carteira a marca Benelli e, como tal, a sua experiência na implementação no mercado europeu é real (e bem sucedida).

Confesso-vos que a primeira vez que vi a M502n ao vivo, fiquei surpreendido com a sua pose. angulosa, compacta, sem exageros nas formas e, com uma presença vincada na desportividade, a sua atitude tem algo de desafiador.

Tirando as semelhanças do grupo óptico frontal (iluminação full LED) com a Suzuki GSX1000S, há uma coerência nas linhas, desde o escape ao formato da secção traseira. Olhando um pouco mais a fundo, descobrimos umas suspensões Kayaba, uns travões J.Juan (da família da Brembo) e uns generosos discos dianteiros.

Neste momento é relevante salientar que o público alvo a quem esta moto aponta, segue as linhas contemporâneas de julgamento, onde a imagem conta tanto ou mais que o conteúdo. Esta pequena naked é bem nascida, tem um estilo irreverente e audaz, e acima de tudo, parece rápida. Interessa? Muito. 

Rodando a chave acordamos o painel digital, um ecrã TFT colorido onde a informação aparece completa, mas algo confusa, com números e letras demasiado pequenos e um design atabalhoado de linhas.

A simplicidade de um velhinho ponteiro analógico desapareceu de moda, e o novo desafio prende-se com uma nova e algorítmica maneira de nos entregarem informação de forma simples e elegante. Nem sempre conseguem.


Sentados aos seus comandos, vem ao de cima o segundo pormenor menos conseguido desta moto. A posição de condução é estranha, e a princípio não conseguimos perceber o porquê, o guiador tem a largura correcta e estamos ligeiramente inclinados sobre o eixo dianteiro, um bom augúrio para podermos atacar a desportividade prometida. São os pés que se quedam demasiado para trás.

Os poisa-pés estão mal posicionados e se ao fim de alguns quilómetros acabamos por nos adaptar, assim que assumimos a posição corporal para enfrentar as curvas mais entusiastas, voltamos a tentar jogar com a posição no assento para corrigir o ângulo do  joelho, não sai naturalmente.

A partir daqui são só boas surpresas. No caos urbano, a MBP mostra-se ágil e expedita a despachar os dramas típicos do contexto agreste. O motor é aplicado desde as baixas rotações, e o conjunto embraiagem/caixa de velocidades são assertivos e com bom tacto.

As suspensões revelam-se capazes de filtrar as armadilhas sem termos de cerrar os dentes antes do acontecimento, sinal de bom dimensionamento e aprumo das mesmas.

A M502n sente-se no seu elemento, casa bem com o espírito citadino, célere na sua postura e convicta na sua imagem. Uma moto despachadinha, como il faut.

Nas vias mais rápidas começamos a abrir o envelope dinâmico da pequena naked. O bicilíndrico paralelo de 486 cc está no limite dos valores designados por lei para os detentores da carta A2, logo os 47,5 cv (35 kw) eram o máximo que podíamos esperar do seu esforço.Mas que esforço.

Os médios regimes (45 Nm de binário às 6750 rpm) são contundentes e até ao limitador podemos esperar bastante saúde, nunca se negando a prolongar as mudanças para uma ultrapassagem mais esperançosa.

Este vigor motriz é acompanhado de uma boa estabilidade, uma travagem contundente e um assento bastante confortável (790 mm de altura), uma imagem global de qualidade dinâmica, sem dúvida nenhuma.

Chegados à estradinha onde tudo acontece, onde procuramos limites e atrasamos travagens, a MBP M502n volta a cumprir com distinção. Sob cargas mais bruscas, a suspensão não perde a compostura e revela a mesma subtileza de reacções que nos tinha brindado nos primeiros quilómetros mais acidentados.

A travagem também ajuda a aumentar o tamanho da pegada dos brilhantes Pirelli Angel GT, permitindo modular o seu esforço ao ponto de percebermos a entrada de funcionamento do ABS.

A boa parametrização do acelerador (injecção Bosch) permite-nos acertar acelerador em curva sem engasgos ou sobressaltos, algo muito fácil de acontecer num bicilíndrico desta tipologia.

No final da sessão de fotos, onde repetimos o mesmo percurso inúmeras vezes, dei por mim a exacerbar a posição corporal para tentar erguer a moto o mais possível, visto que os poisa-pés teimavam em raspar muito longe do limite mecânico da máquina. Eram dois centímetros para cima e mais dois para a frente…. 


Palmas batidas para a confiança que entrega, para a precisão que demonstra e pelo puro e honesto prazer que é conduzi-la com atitude.

As aparências por vezes iludem. Durante o tempo que passei com esta máquina, esteve sempre desejosa de mostrar que estava à altura do seu desígnio, cheia de propósito, performante e com qualidade na entrega. 

E porque se parece pato, cheira a pato e sabe a pato, só pode ser pato!
 Por 6499€, a MBP M502n vem cair exactamente no meio no circo de feras da classe e tem, por direito próprio, o orgulho de ter a sua imagem desportiva a corresponder ao que promete.

A MBP está de parabéns pelo que apresenta no seu primeiro modelo, e nós ficamos com muita vontade de testar o que aí vem. 

Equipamento:

Neste teste usámos o seguinte equipamento de proteção e segurança:

Capacete Nexx SX.100R SKIDDER

Blusão Rev’ It! Hyperspeed Air

Calças Ixon Mike

Luvas Rev’ It! Chevron 2

Botas TCX RO4D WP

Faça uma consulta e veja caracteristicas detalhadas:

Keeway MBP M502N | Moto | MBP

andardemoto.pt @ 13-12-2022 13:05:27 - Texto: Pedro Alpiarça | Fotos: Luis Duarte


Clique aqui para ver mais sobre: Test drives